Trump elogia progresso na cura do HIV após segundo paciente ter se livrado do vírus

Paciente recebe transplante de medula óssea de doador resistente ao HIV, sendo a segunda vez que um adulto se livra do vírus da Aids na história da epidemia

Por Bowen Xiao

O Presidente Donald Trump exaltou o progresso feito na busca da cura para o HIV, já que um paciente com o vírus parece ter sido curado pelos médicos.

O paciente recebeu um transplante de medula óssea de um doador resistente ao HIV – a segunda vez que um adulto se livrou do vírus da AIDS na história da epidemia.

O paciente HIV-positivo, um homem da Grã-Bretanha, recebeu células-tronco de medula óssea de um doador com uma mutação genética rara que resiste à infecção pelo HIV. Mais de 18 meses depois, o homem não identificado apelidado de “o paciente de Londres” parou com as drogas antirretrovirais – os testes continuam sem apresentar vestígios da infecção anterior do homem.

“O HIV está curado no segundo paciente, Médicos reportaram, essa grande notícia para muitos. Um tremendo progresso está sendo feito! ‘”Trump escreveu no Twitter em 5 de março.

No mês passado, durante seu discurso sobre o Estado da União, Trump prometeu erradicar a epidemia nos Estados Unidos, descrevendo-a como um “sonho outrora distante ao alcance”. Nos Estados Unidos, aproximadamente 1,1 milhão de pessoas vivem com o HIV hoje, com um em cada sete deles (14%) desconhecendo sua infecção, de acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS).

A administração Trump pretende eliminar o vírus de uma vez por todas com a expansão de quatro estratégias principais – diagnosticar, tratar, proteger e responder – que serão implementadas em todo o país dentro dos próximos 10 anos, de acordo com um plano proposto e divulgado pelo HHS.

Especialização, tecnologia e recursos adicionais serão utilizados no programa que incluirá 48 condados com maior volume; Washington; San Juan, Porto Rico; e sete estados que têm uma carga de HIV rural substancial.

“Meu orçamento vai pedir aos democratas e republicanos para fazer o compromisso necessário para eliminar a epidemia de HIV nos Estados Unidos dentro de 10 anos”, disse Trump em seu discurso de fevereiro. “Juntos, vamos derrotar a AIDS na América”.

Um “momento crítico”

“Não há vírus que possamos medir. Não conseguimos detectar nada ”, disse Ravindra Gupta, professor e biólogo de HIV que liderou uma equipe de médicos que trataram o homem.

Especialistas em AIDS disseram que o caso é uma prova do conceito de que os cientistas poderão um dia acabar com a AIDS, e marca um “momento crítico” na busca por uma cura para o HIV, mas não significa que a cura já tenha sido encontrada.

Gupta descreveu seu paciente como “funcionalmente curado” e “em remissão”, mas advertiu: “É muito cedo para dizer que ele está curado”.

Cerca de 37 milhões de pessoas em todo o mundo estão atualmente infectadas com o HIV, e a pandemia da AIDS matou cerca de 35 milhões de pessoas em todo o mundo desde que começou nos anos 80. Pesquisas científicas sobre o complexo vírus levaram, nos últimos anos, ao desenvolvimento de combinações de medicamentos que podem mantê-lo “controlado”, na maior parte dos pacientes.

Gupta, agora na Universidade de Cambridge, tratou o paciente de Londres quando trabalhava na University College London. O homem contraiu o HIV em 2003, disse Gupta, e em 2012 também foi diagnosticado com um tipo de câncer no sangue chamado Linfoma de Hodgkin.

Em 2016, quando ele estava muito doente de câncer, os médicos decidiram procurar uma correspondência de transplante para ele. O doador, que não tinha parentesco, tinha uma mutação genética conhecida como “delta 32 do CCR5”, que confere resistência ao HIV.

A Reuters contribuiu com este artigo.

 
Matérias Relacionadas