Trump diz que recuperação econômica está em forma de “V”, Biden diz que está em “K”

Mais de 82% dos empregos perdidos desde o início da pandemia são serviços, lazer e hotelaria, que representam quase 36% das perdas

Por Emel Akan

WASHINGTON – Durante meses, investidores e economistas debateram o formato da recuperação econômica nos Estados Unidos após o bloqueio e rotularam suas projeções de recuperação com letras, como V, W ou U.

O presidente Donald Trump e seus assessores proclamaram repetidamente uma recuperação “em forma de V”, já que os dados econômicos dos últimos cinco meses mostraram uma recuperação excepcional, com alguns pontos de medição já excedendo os níveis pré-pandêmicos.

O candidato democrata à presidência, Joe Biden, no entanto, discorda de Trump, descrevendo a recuperação como “em forma de K”, com os ricos ficando mais ricos e os pobres ficando mais pobres.

“[Trump] fala sobre uma recuperação em forma de V. Esta é uma recuperação em forma de K. Se você está no topo, você se sairá muito bem”, disse Biden no fórum de cidadãos ABC News em 15 de outubro. “Se você estiver no meio ou abaixo, sua renda diminuirá. Você não receberá um aumento”.

Os comentários de Biden reiteraram o que alguns economistas estavam alertando – o impacto desigual da pandemia nos negócios e na sociedade. Devido a grandes lacunas no desempenho de diferentes setores da economia, algumas empresas estão indo bem, enquanto outras continuam lutando. E essa recuperação desigual também é evidente no mercado de trabalho americano.

No entanto, alguns analistas acreditam que essa “sopa de letrinhas” de previsões econômicas se tornou uma questão mais partidária.

“A realidade é que toda recuperação é em forma de K”, disse Ed Yardeni, um veterano estrategista de Wall Street e presidente da Yardeni Research, ao Epoch Times.

Yardeni observou que muitos indivíduos e empresas não serão capazes de se recuperar da recessão causada pela pandemia.

“Isso acontece a cada reativação. Nem todos voltam ao normal na mesma taxa e alguns podem nunca voltar ao normal ”, disse Yardeni.

“A [recuperação em] K é realmente uma questão mais partidária, porque se houver uma recuperação em K, então, obviamente, precisamos de mais governo para corrigir esse problema. Portanto, acho que a forma K é mais impulsionada pela política do que pela macroeconomia.”

A recuperação da recessão após o bloqueio na economia dos EUA nos últimos cinco meses foi mais forte do que a maioria dos economistas previu. E os dados econômicos recentes continuam indicando uma forte recuperação.

As vendas no varejo, indicador das compras em lojas, restaurantes e online, continuaram em alta em setembro, quinto mês consecutivo de crescimento, impulsionadas pelas fortes vendas de itens relacionados a habitação, automóveis e vestuário.

O mercado imobiliário também tem sido um ponto positivo para a recuperação econômica, sustentado por taxas de juros historicamente baixas e aumento da demanda dos subúrbios. De acordo com os novos dados divulgados em 19 de outubro, a confiança das construtoras estabeleceu um recorde pelo segundo mês consecutivo em outubro.

As pesquisas sobre a confiança do consumidor e o otimismo das pequenas empresas atingiram seus níveis mais altos desde o início da pandemia.

“Os investidores tendem a se concentrar na economia em geral, e tendem a se concentrar nas receitas e lucros das empresas. E estamos definitivamente vendo uma recuperação em forma de V na receita e nos lucros do S&P 500”, disse Yardeni.

Apesar dos decepcionantes pedidos de seguro-desemprego e da recuperação do mercado de trabalho nas últimas semanas, a taxa de desemprego também caiu para 7,9% em setembro, ante alta de 14,7% em abril.

Efeitos de uma recuperação em forma de K

Embora algumas indústrias estejam contratando trabalhadores rapidamente, está claro que as perdas de empregos estão em grande parte concentradas nas indústrias de serviços, de acordo com um novo relatório da Câmara de Comércio dos EUA.

Os dados mais recentes do mercado de trabalho mostraram os impactos desiguais de uma recuperação em forma de K, com as indústrias produtoras de bens no topo do K, enquanto os serviços estão no fundo, de acordo com o relatório.

Mais de 82% dos empregos perdidos desde o início da pandemia são serviços, lazer e hotelaria, que representam quase 36% das perdas.

Cada recessão ou recuperação tem a forma de um K, que tem vencedores e perdedores, de acordo com Nick Reece, analista sênior da Merk Investments.

“É simplesmente a realidade do mundo em que vivemos que algumas dessas áreas da economia não podem ser reabertas. Portanto, eles nem mesmo têm a chance de ter uma recuperação em forma de V ”, disse ele ao Epoch Times.

Em alguns estados como Nova Iorque, por exemplo, os restaurantes podem reabrir para os clientes comerem dentro de 25% da capacidade, observou ele.

Com esses fechamentos impostos pelo governo, “não há opção para que esses restaurantes tenham uma recuperação de 100 por cento”, disse ele, acrescentando que o apoio fiscal deve visar principalmente os setores da metade inferior do K.

Grandes lacunas no desempenho de diferentes setores da economia também são evidentes no mercado de ações. A partir da baixa do mercado em 23 de março, o setor de tecnologia se recuperou acima dos recordes anteriores, enquanto os negócios de companhias aéreas, energia e hospitalidade ficaram significativamente para trás.

“Isso criou uma enorme desigualdade não apenas no desempenho dos segmentos econômicos, mas na sociedade em geral”, escreveu o estrategista do JPMorgan Marko Kolanovic em um relatório em 31 de agosto.

“Por um lado, os técnicos sortudos atingiram níveis históricos, enquanto os trabalhadores de baixa renda, operários e aqueles que não podem trabalhar remotamente sofreram mais”, acrescentou.

Siga Emel no Twitter: @mlakan

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas