Trump diz que mídia perdeu interesse no caso de Mollie Tibbetts quando imigrante ilegal foi preso

O desaparecimento de Tibbetts em meados de julho foi amplamente coberto pela mídia

Por Zachary Stieber

O presidente Donald Trump disse que a grande mídia perdeu o interesse no caso de Mollie Tibbetts, a estudante universitária desaparecida de Iowa, depois que um imigrante ilegal foi preso após mostrar aos investigadores onde se encontrava o cadáver da moça de 20 anos de idade.

O desaparecimento de Tibbetts, em meados de julho, foi amplamente coberto pela mídia e os novos desenvolvimentos foram constantemente registrados.

Mas a prisão de Christhian Rivera, um mexicano de 24 anos que cometeu o crime de entrar ilegalmente nos Estados Unidos antes de supostamente matar Tibbetts, mudou a cobertura da situação, disse Trump.

“Só nesta semana soubemos que as autoridades de Iowa acusaram um estrangeiro ilegal no assassinato de uma estudante universitária – Mollie Tibbetts”, disse Trump à multidão em um jantar de arrecadação de fundos para o Partido Republicano de Ohio em 24 de agosto, informou Breitbart.

Cristhian Bahena Rivera é escoltado para o tribunal do condado de Poweshiek para sua audiência inicial, quarta-feira, 22 de agosto de 2018, em Montezuma, Iowa. Rivera é acusado de homicídio em primeiro grau na morte de Mollie Tibbetts, que desapareceu em 18 de julho do Brooklyn, Iowa
Cristhian Bahena Rivera é escoltado para o tribunal do condado de Poweshiek para sua audiência inicial, quarta-feira, 22 de agosto de 2018, em Montezuma, Iowa. Rivera é acusado de homicídio em primeiro grau na morte de Mollie Tibbetts, que desapareceu em 18 de julho do Brooklyn, Iowa

Trump disse que estava assistindo televisão há várias semanas quando o pai de Tibbetts tinha sido entrevistado. Ele disse que acreditava que sua filha voltaria viva, e Trump se encontrou concordando com o homem.

“Quando descobriram que era esse horrível imigrante ilegal que a matou cruelmente, de repente essa história esfriou. Eles [a grande mídia] não queriam cobri-la da maneira como deveria ser coberta”, disse Trump. “Mas o que aconteceu com Mollie foi uma desgraça que abalou nossos corações. Nós lamentamos pela família de Mollie.

Diversas mídias aproveitaram os comentários feitos pelo advogado de Rivera depois que ele alegou que seu cliente estava no país legalmente.

Mais tarde, o advogado admitiu que não sabia os fatos em torno da imigração de Rivera, enquanto os funcionários federais de imigração confirmaram que não havia registro de Rivera entrando no país legalmente ou solicitando o controverso programa DACA.

Trump também divulgou um vídeo em frente à Casa Branca, no qual ele falou sobre a morte de Tibbetts, dizendo que foi uma falha das leis de imigração.


“Mollie Tibbetts, uma jovem incrível, está agora permanentemente separada de sua família. Uma pessoa veio do México ilegalmente e a matou. Nós precisamos do muro. Precisamos que nossas leis de imigração sejam alteradas. Precisamos que nossas leis de fronteira sejam alteradas ”, disse ele. “Precisamos que os republicanos façam isso porque os democratas não vão fazer. Este é um exemplo de muitos.

“As políticas democráticas de imigração estão destruindo vidas inocentes e derramando sangue de indefesos”, acrescentou Trump na sexta-feira em Ohio. “Acreditamos que qualquer partido que coloque estrangeiros criminosos diante dos cidadãos americanos deve estar fora do governo”.

A vida de Rivera

Rivera chegou aos Estados Unidos aos 17 anos, segundo seu advogado.

Rivera começou a trabalhar em uma fazenda em Iowa logo depois que ele chegou e mudou para Yarrabee Farms, nos arredores de Brooklyn, quando sua ex-namorada e mãe de sua filha o conectaram com a empresa.

Rivera usava uma identidade falsa e um número de segurança social para enganar os donos de Yarrabee, acreditando que ele era um imigrante legal; os donos não sabiam seu nome verdadeiro até que ele foi preso.

Ele disse aos investigadores que estava dando uma volta – o carro foi comprado com o nome falso ou emprestado de alguém, os investigadores não divulgaram publicamente – quando ele viu Tibbetts correndo, como ela costumava fazer.


Rivera deu a volta no quarteirão várias vezes antes de parar, desligar o motor e sair do veículo.

Ele começou a correr, perseguindo Tibbetts até que ele já estava correndo ao lado dela. Ela o viu, pegou o telefone e disse que ligaria para a polícia.

“Rivera disse que ele entrou em pânico e ficou bravo e que ele” bloqueou “sua” memória “, que é o que ele faz quando fica muito chateado”, afirmaram os investigadores.

Ele disse aos investigadores a próxima coisa que ele lembrava era que ele tinha voltado para seu carro e começou a dirigir com o corpo de Tibbetts em seu porta-malas.

NTD.tv

 

 
Matérias Relacionadas