Trump denuncia onda de demolição de estátuas

uma estátua de Miguel de Cervantes, um escritor espanhol que foi escravo por cinco anos

Por Bowen Xiao

Estátuas de figuras históricas americanas, incluindo duas de seus Pais Fundadores, George Washington e Thomas Jefferson, estão sendo demolidas à força em todo o país, em uma escalada recente que o presidente Donald Trump denunciou explicitamente.

Embora não esteja claro quem exatamente está por trás da profanação de cada monumento, o procurador-geral William Barr disse recentemente que o Departamento de Justiça tem evidências de que o Antifa e outros grupos similares “sequestraram” inicialmente protestos pacíficos provocados pela morte de George Floyd.

Em sua primeira campanha de reeleição em meses em Tulsa, Oklahoma, Trump ligou a recente onda de colapsos de estátua a uma tentativa de revolução no estilo comunista.

“Esta campanha cruel de censura e exclusão viola tudo o que consideramos querido como americanos”, disse o presidente em 20 de junho. “Eles querem demolir nossa herança para poder impor seu novo regime opressivo em seu lugar”.

O senador Ted Cruz (republicano do Texas), enquanto isso, chamou os manifestantes que derrubaram uma estátua de Cristóvão Colombo, em Minnesota, de “talibã americano”.

O presidente disse no comício que uma “máfia de esquerda enlouquecida” está tentando “destruir nossa história (…) destruindo nossas estátuas e punindo, cancelando e perseguindo quem não está de acordo com suas demandas por controle absoluto e total”.

“Nós não nos conformamos”, disse ele.

As estátuas foram derrubadas em vários estados. Em Portland, Oregon, os manifestantes derrubaram uma estátua de Washington em 18 de junho; alguns deles enrolaram a cabeça da estátua em uma bandeira americana e depois a atearam fogo. Uma estátua de Jefferson também foi abatida em Portland.

Manifestantes na Califórnia derrubaram uma estátua de Junipero Serra, um padre católico romano espanhol amplamente considerado o fundador das missões religiosas da Califórnia. Em resposta, a Embaixada da Espanha em Washington publicou uma série de postagens no Twitter que declaram que “lamentam profundamente a destruição da estátua (…) e gostariam de lembrar seus grandes esforços em apoio às comunidades indígenas”.

“Também estamos expressando nossa profunda preocupação com esses ataques às autoridades federais, estaduais e locais, pedindo que a memória de nossa rica história compartilhada seja protegida, sempre com o maior respeito pelos debates que estão ocorrendo atualmente”. acrescentaram funcionários da embaixada.

Vândalos na Califórnia derrubaram estátuas de Francis Scott Key, que escreveu o hino nacional, e Ulysses S. Grant, o famoso general que ajudou a vencer a Guerra Civil, terminando a escravidão nos EUA. Um vídeo gravado em cena mostra um grupo de pessoas vestidas de preto e aplaudindo enquanto usam uma corda para puxar a estátua de Key.

Grant foi um abolicionista que ajudou a vencer uma série de batalhas contra a Confederação durante a Guerra Civil, forçando o general confederado Robert E. Lee a se render em 1865. Grant passou a servir como o 18º presidente da nação e usou tropas federais para processar o Ku Klux Klan. Ele trabalhou para fazer valer os direitos civis dos negros e os nomeou para posições de destaque em sua administração.

Grant, acusado por alguns ativistas de ser proprietário de escravos, adquiriu um escravo por casamento de uma família proprietária de escravos, mas o libertou aproximadamente um ano depois.

Uma estátua de Mohandas Gandhi foi vandalizada no Central Park, em Nova Iorque, bem como uma estátua de Miguel de Cervantes, um escritor espanhol que foi escravo por cinco anos, em San Francisco.

‘É muito triste. Isso me faz sentir que está totalmente fora de controle e não tem nada a ver com direitos civis”, disse um espectador local à CBS SF.

Em Washington, os manifestantes derrubaram um monumento a Albert Pike, um ex-soldado confederado. Usando vários conjuntos de cordas, os vândalos derrubaram a estátua de Pike de 11 pés e pegaram fogo, cantando: “Não há justiça, não há paz!” e “Não à polícia racista!” A polícia de Capitol Hill ficou parada e observou a estátua sendo destruída.

Enquanto Albert Pike era um general confederado, a estátua foi de fato erguida para honrar seu serviço como maçom, de acordo com a WUSA.

Em meio aos tumultos, uma pesquisa da ABC News / Ipsos de 19 de junho descobriu que mais da metade, 56%, se opõe à mudança das bases militares americanas nomeadas em homenagem aos líderes confederados.

Em 2017, Trump previu que estátuas em homenagem a Washington e Jefferson seriam eventualmente atacadas.

Enquanto isso, a presidente da Câmara dos Deputados Nancy Pelosi (democrata da Califórnia) ordenou em 18 de junho a remoção do Capitólio dos retratos de quatro presidentes da Câmara que haviam servido na Confederação. Ela também pediu a remoção de 11 estátuas, nove das quais democratas, da Coleção Nacional do Salão das Estátuas, dizendo que “prestam homenagem ao ódio”.

Pelosi disse em uma carta de 10 de junho ao Comitê Conjunto do Presidente da Biblioteca, ao senador Roy Blunt (republicano do Missouri) e à representante Zoe Lofgren (democrata da Califórnia), vice-presidente do comitê, que as estátuas o Capitólio “deve incorporar nossos mais altos ideais como americanos, expressando quem somos e o que aspiramos ser como nação”.

Revolução cultural 

O escritor e especialista em comunismo Trevor Loudon chamou a demolição de estátuas de “tática maoísta para apagar a forma de cultura”.

“O maoísmo é sobre a construção de um novo homem, uma nova sociedade”, disse Loudon ao Epoch Times. “Você tem que destruir todos os remanescentes da velha sociedade. Você tem que destruir os memoriais e a velha cultura para construir uma nova sociedade”.

Segundo Loudon, organizações marxistas como o Caminho da Libertação e o Partido dos Trabalhadores Mundiais estiveram envolvidos nas recentes escaladas.

“Eles estão seguindo a linha da Revolução Cultural Chinesa”, disse Loudon, que também é colaborador do Epoch Times. “A Revolução Cultural acabou com a cultura anterior da China; eles demoliram estátuas e monumentos profanados”.

O fim do jogo, diz Loudon, é inaugurar uma revolução americana que envolve a destruição da Constituição dos Estados Unidos e a história da nação.

“Tudo isso está ligado, tudo isso é uma atividade revolucionária para destruir a velha cultura (…) e construir uma nova sociedade socialista em seu caminho ”.

Zachary Stieber contribuiu para esta reportagem.

Siga Bowen no Twitter: @BowenXiao_

Veja também:

Regime chinês persegue e ataca companhia internacional de dança

 
Matérias Relacionadas