Trump critica censura de criadores de conteúdo conservadores no Social Media Summit

Por Petr Svab

O presidente Donald Trump reuniu-se com um grupo de criadores de conteúdo conservadores para discutir a censura nas mídias sociais, na Casa Branca, em 11 de julho.

O Social Media Summit foi uma oportunidade rara para os criadores terem suas vozes elevadas para o cenário nacional, após anos de reclamações sobre a supressão de empresas de tecnologia gigantes como Google e Facebook.

“Você está desafiando os guardiões da mídia e os censores corporativos para levar os fatos diretamente ao povo americano. … Muito obrigado em nome da nação”, disse Trump, fazendo comentários após a cúpula.

Entre os convidados conhecidos estavam grandes nomes do movimento conservador como PragerU, Heritage Foundation e Turning Point USA, bem como o Media Research Center conservador, o projeto de jornalismo investigativo Project Veritas e o jornalista e comentarista independente Tim Pool, que se identifica como centro-esquerda. Também foi convidado o homem por trás das contas de mídia social da marca Carpe Donktum, conhecido por produzir vídeos humorísticos pró-Trump, alguns dos quais Trump repostou em sua conta no Twitter.

james okeefe project veritas
O fundador e CEO do Project Veritas, James O’Keefe, acena quando o presidente Donald Trump fala durante uma reunião de cúpula da mídia social na Sala Leste da Casa Branca em Washington, em 11 de julho de 2019 (Reuters / Carlos Barria)

Muitos dos participantes relataram anteriormente que foram censurados por plataformas de tecnologia, ou destacaram a questão da censura política em seu conteúdo.

Documentos internos, entrevistas com insiders e filmagens de câmeras escondidas – a maior parte publicada pelo Project Veritas – mostraram empresas como Facebook, Google, Twitter e Pinterest suprimindo conteúdo conservador, muitas vezes usando regras vagas ou secretas que refletem tendências políticas das empresas.

“Eles estão jogando com muita inteligência e estão jogando injustamente”, disse Trump.

Trump disse que suas próprias contas de mídia social podem ter sido alvejadas, dando exemplos de pessoas tendo problemas em segui-lo no Twitter, seu crescimento de seguidores desacelerou nos últimos meses e até o número de engajamentos foi subtraído de seus posts.

Encontro com executivos de tecnologia

Trump já se manifestou em defesa de várias figuras conservadoras banidas da mídia social. A Casa Branca montou um site em maio, onde as pessoas podem enviar denúncias se acreditarem que suas contas nas redes sociais foram banidas, suspensas ou afetadas de alguma outra forma por causa do viés político.

O site recebeu 16.000 respostas, disse Trump.

Ele anunciou que convidará grandes executivos de tecnologia para uma reunião no próximo mês, onde o feedback coletado será usado para discutir a questão da censura.

“A grande tecnologia não deve censurar as vozes do povo americano”, disse ele.

Embora as empresas de tecnologia tenham negado o viés político, há evidências crescentes de que elas introduzem suas preferências políticas em seus produtos.

O Google, por exemplo, deu destaque ao conteúdo que está alinhado com sua visão de mundo preferida às custas do conteúdo que não é, com base em documentos internos e funcionários falando ou sendo pegos em câmeras ocultas pelo Project Veritas.

Donald Trump
Convidados tiram fotos do presidente Donald Trump durante a Presidential Social Media Summit na Sala Leste da Casa Branca em Washington, em 11 de julho de 2019 (AP Photo / Evan Vucci)

Intervenção governamental

Os conservadores têm relutado em pedir a intervenção do governo no conteúdo das políticas de mídia social, mas muitos temem que o silenciamento das vozes conservadoras possa influenciar os resultados das eleições presidenciais de 2020.

Uma das ideias mais debatidas é remover a mídia social de sua designação de “plataforma” se continuarem aplicando regras semelhantes a uma política editorial. Se tratados como editores, as empresas estariam abertas a ações judiciais por difamação sobre o conteúdo do usuário em seus sites.

Outra ideia é usar uma ameaça de ação antitruste para fazer as empresas recuarem da censura.

Alguns até argumentaram que o acesso a plataformas de mídia social deveria ser codificado como um direito civil, o que proibiria, por exemplo, que grandes plataformas de mídia social proibissem os usuários, a menos que se envolvessem em conversas ilegais.

Embora essas empresas tenham declarado sua crença na liberdade de expressão, suas políticas de conteúdo abarcam abertamente conceitos que refletem certas inclinações políticas, como a proibição do “discurso do ódio”.

É muito mais provável que os democratas chamem uma variedade de declarações de “ódio”, enquanto os republicanos são mais propensos a chamá-los de “ofensivos, mas não odiosos”, segundo uma pesquisa do Cato de 2017.

Trump disse que seu objetivo é garantir liberdade de expressão para todos, incluindo aqueles que discordam dele.

“Não queremos nada de especial, mas queremos liberdade de expressão”, disse ele.

Siga Petr no Twitter: @petrsvab

 
Matérias Relacionadas