Publicado em - Atualizado em 10/11/2017 às 17:49

Trump adverte regime de Kim em discurso na Coreia do Sul

Presidente dos EUA retrata Coreia do Norte e desenha linha entre países livres e Estado de prisão

O presidente americano Donald Trump discursa na Assembleia Nacional em Seul, em 8 de novembro de 2017 (Laurent Fievet, Lee Jin-man/AFP/Getty Images)

O presidente americano Donald Trump discursa na Assembleia Nacional em Seul, em 8 de novembro de 2017 (Laurent Fievet, Lee Jin-man/AFP/Getty Images)

O presidente Donald Trump retratou a triste realidade da vida na Coreia do Norte em seu discurso na Assembleia Nacional sul-coreana na quarta-feira. Descrevendo a ocasião como um privilégio extraordinário para falar em nome do povo dos Estados Unidos da América, ele disse que a Coreia do Sul tinha surpreendido a ele e Melania com suas maravilhas antigas e modernas.

Ele abordou os pontos esperados, falando para a aliança que ambos os países se formaram “no sacrifício da guerra” e destacando a incrível escalada da Coreia do Sul dos escombros a uma das grandes nações do mundo. Ele prometeu o apoio militar dos EUA, observando a presença de “os três maiores porta-aviões do mundo carregados ao máximo com magníficos aviões de combate F-35 e F-18”, e apresentou as muitas conquistas da Coreia do Sul.

O USS Nimitz CVN 68, um porta-aviões nuclear, chega a uma base naval na cidade portuária sul-coreana de Busan, a cerca de 450 km a sudeste de Seul em 28 de fevereiro de 2008. O porta-aviões da Marinha USS Nimitz e seus 5.300 tripulantes desempenharão um papel fundamental no exercício conjunto anual das forças sul-coreanas e norte-americanas. O exercício, chamado Key Resolve, visa principalmente testar a capacidade das forças combinadas de hospedar mais de 600 mil soldados americanos para serem posicionados em caso de conflito armado, enquanto efetivamente defendem o país das hostilidades inimigas (Kim Jae-hwan/AFP/Getty Images)

O USS Nimitz CVN 68, um porta-aviões nuclear, chega a uma base naval na cidade portuária sul-coreana de Busan, a cerca de 450 km a sudeste de Seul em 28 de fevereiro de 2008. O porta-aviões da Marinha USS Nimitz e seus 5.300 tripulantes desempenharão um papel fundamental no exercício conjunto anual das forças sul-coreanas e norte-americanas. O exercício, chamado Key Resolve, visa principalmente testar a capacidade das forças combinadas de hospedar mais de 600 mil soldados americanos para serem posicionados em caso de conflito armado, enquanto efetivamente defendem o país das hostilidades inimigas (Kim Jae-hwan/AFP/Getty Images)

E então seu discurso também abordou a zona desmilitarizada. “O milagre coreano se estende exatamente até onde os exércitos das nações livres avançaram em 1953 ─ 38 km ao norte. Lá, pára, tudo acaba. Parada mórbida. O florescimento termina e o Estado da prisão da Coreia do Norte tristemente começa.”

Trump fez então o que a Casa Branca havia sinalizado que ele faria ─ algo estranhamente racional, mas extraordinariamente incomum na Coreia do Sul ─ ele falou em termos claros sobre o horror que o regime de Kim Jong-un inflige às pessoas do seu Estado de prisão.

“Os trabalhadores da Coreia do Norte trabalham por horas e horas extenuantes e em condições insuportáveis ​​para quase nenhuma remuneração. Recentemente, toda a população trabalhadora foi condenada a trabalhar por 70 dias seguidos, a não ser se pagar por um dia de descanso.

“As famílias vivem em casas sem encanamento, e menos da metade possuem eletricidade. Os pais subornam professores na esperança de salvar seus filhos e filhas do trabalho forçado. Mais de um milhão de norte-coreanos morreram de fome na década de 1990, e mais continuam a morrer de fome hoje.”

Ele falou sobre as 30% das crianças menores de 5 anos que crescem atrofiadas devido à desnutrição, enquanto o regime gastava US$ 200 milhões ─ ou quase metade do dinheiro que alocou para melhorar os padrões de vida de seus habitantes ─ para construir monumentos, torres e estátuas para glorificar seus ditadores apenas em 2012 e 2013.

“O que resta da escassa colheita da economia norte-coreana é distribuído de acordo com a fidelidade percebida a um regime perverso. Longe de valorizar o seu povo como cidadãos iguais, esta ditadura cruel os mede, os pontua e os classifica com base nas indicações mais arbitrárias de sua fidelidade ao Estado”, afirmou.

Trabalhadores de cooperativas agrícolas preparam campos para a plantação de arroz perto da cidade de Sariwon, província de North Hwanghae, Coreia do Norte, em 20 de abril de 2005 neste arquivo das Nações Unidas (Gerald Bourke/WFP via Getty Images)

Trabalhadores de cooperativas agrícolas preparam campos para a plantação de arroz perto da cidade de Sariwon, província de North Hwanghae, Coreia do Norte, em 20 de abril de 2005 neste arquivo das Nações Unidas (Gerald Bourke/WFP via Getty Images)

Trump falou sobre os estimados 100.000 norte-coreanos presos em gulags “sofrendo tortura, fome, estupro e assassinato em um padrão constante”, de crianças espancadas ou enviadas para a prisão e mulheres que forçaram abortos ou tiveram seus bebês assassinados porque eram “etnicamente inferior” devido aos seus pais chineses.

Ele abordou o cenário bizarro onde os norte-coreanos pagam subornos para serem alistados para o trabalho no exterior, onde muitas vezes eles são abusados, não são remunerados, preferindo a escravidão estrangeira do que a vida na Coreia do Norte.

Trump disse que o advento das duas Coreias foi uma trágica experiência que revelou a diferença entre liberdade e justiça, entre tirania e opressão.

“É um experimento que a Coreia do Norte trabalha para esconder, fazendo o melhor para impor um apagão de informações completo para que seus cidadãos não possam aprender a diferença entre suas vidas e as de seus conterrâneos sul-coreanos”, disse Trump.

“A Coreia do Norte é um país governado como um culto. No centro desse culto militar está uma crença demente no desígnio do líder para governar como pai protetor sobre uma península coreana conquistada e um povo coreano escravizado.”

O ditador norte-coreano Kim Jong-un nesta foto de arquivo publicada pela mídia estatal (KCNA)

O ditador norte-coreano Kim Jong-un nesta foto de arquivo publicada pela mídia estatal (KCNA)

Trump também falou sobre a crise atual, dizendo que o regime de Kim interpretou a restrição articulada pelos EUA como fraqueza ─ um “erro de cálculo fatal” com a gestão Trump.

Falando diretamente ao regime de Kim, Trump advertiu: “Não nos subestimes e não nos provoque. Defenderemos nossa segurança comum, nossa prosperidade compartilhada e nossa liberdade sagrada”.

“A Coreia do Norte não é o paraíso que seu avô imaginou”, disse Trump. “É um inferno que ninguém merece. No entanto, apesar de todo crime que cometeu contra Deus e o homem, ofereceremos um caminho para um futuro muito melhor.” Trump disse que o pré-requisito para isso é o fim do programa de mísseis balísticos e a desnuclearização completa.

Descrevendo a península coreana como anfitriã de uma “tênue linha de civilização” que se situa entre a lei e a tirania, Trump também falou sobre a distinção mais ampla entre os regimes totalitários e essa América que tem lutado em guerras para combater o nazismo, o imperialismo, o comunismo e o terrorismo.

Ele terminou com um apelo a todas as nações para se que oponham à Coreia do Norte e com a visão de um povo coreano reunificado.

“O mundo não pode tolerar a ameaça de um regime desonesto que ameaça a devastação nuclear. Nenhuma nação deve apoiar, abastecer ou aceitar a Coreia do Norte”, disse ele.

O míssil Hwasong-12 nesta imagem combinada não datada publicada pela Agência Coreana de Notícias da Coreia do Norte (KCNA) em 16 de setembro de 2017 (KCNA via Reuters)

O míssil Hwasong-12 nesta imagem combinada não datada publicada pela Agência Coreana de Notícias da Coreia do Norte (KCNA) em 16 de setembro de 2017 (KCNA via Reuters)

“Conclamamos todas as nações, incluindo a China e a Rússia, para implementar plenamente as resoluções do Conselho de Segurança da ONU, rebaixar as relações diplomáticas com o regime e cessar todos os laços de comércio e tecnologia.”

O discurso surpreendeu alguns que o ouviram, um resumo incomum dos abusos do Norte, abusos estes que muitas vezes são minimizados pela atual gestão liberal sul-coreana de Moon Jae-in.

“Eu queria me levantar do meu assento e gritar ‘iahuu!'”, Disse Lee Hyeon-seo, um refugiado da Coreia do Norte ao Washington Post. “Nós simplesmente não ouvimos pessoas falando sobre a Coreia do Norte dessa maneira na Coreia do Sul, então fiquei muito emocionado durante o discurso. Eu fiquei muito impressionado.”

A visita de Trump à Coreia do Sul foi vista como uma oportunidade importante para se consolidar os laços de Moon com os Estados Unidos, chegando apenas uma semana depois de um acordo de Moon com a China para não adicionar nenhuma bateria anti-mísseis balísticos e radares THAAD a mais na Coreia do Sul, nem formar uma aliança militar trilateral com o Japão e os Estados Unidos, nem se juntar à defesa de mísseis integrada dos EUA.

Em seguida, na China, Trump buscou pressionar o regime chinês a ir além das sanções do Conselho de Segurança da ONU em seu esforço para persuadir a Coreia do Norte.

Leia também:
Donald Trump tentou visitar fronteira da Coreia do Norte
Na Coreia do Sul, Trump envia mensagem de força e esperança

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016