Tribunal Federal de Recursos lança processo eleitoral de Trump em Wisconsin

Trump pede ao tribunal que declare que os funcionários eleitorais violaram a constituição

Por Janita Kan

Um tribunal federal de apelações rejeitou na quinta-feira o processo do presidente Donald Trump em Wisconsin, que pretendia declarar que os funcionários eleitorais agiram de forma inconstitucional durante a eleição presidencial de 2020.

Um painel de três juízes no Tribunal de Apelações dos EUA para o Sétimo Circuito decidiu manter uma decisão do tribunal inferior rejeitando o caso do presidente que argumenta que a eleição de 2020 em Wisconsin foi conduzida de forma ilegal e inconstitucional.

Esse juiz federal, Brett Ludwig, opinou que Trump falhou em mostrar que os funcionários eleitorais de Wisconsin violaram seu direito sob a Cláusula Eleitoral na constituição dos EUA e que sua contestação carecia de mérito, pois ele apenas se opôs à administração da eleição.

Em vez disso, Ludwig disse que descobriu que os eleitores presidenciais de Wisconsin estavam sendo escolhidos “da mesma maneira dirigida pelo Legislativo”, conforme exigido pela constituição.

“Concordamos que Wisconsin nomeou legalmente seus eleitores da maneira dirigida por seu Legislativo e acrescentamos que a reivindicação do presidente também falha devido ao atraso injustificado que acompanhou os desafios que o presidente agora deseja avançar contra os procedimentos eleitorais de Wisconsin”, escreveu o painel do tribunal de apelações no seu parecer (pdf).

O presidente entrou com o processo contra a Comissão Eleitoral de Wisconsin (WEC) e outras autoridades estaduais em 2 de dezembro, alegando que eles violaram a constituição quando o WEC emitiu orientação sobre “endereços de testemunhas de voto ausentes ou incorretos, eleitores que alegam status de confinamento indefinido, e urnas eleitorais ausentes.”

O processo argumenta que o WEC não tem o poder de emitir orientações que violem as próprias leis eleitorais do estado, conforme aprovadas pela legislatura estadual de Wisconsin.

Para remediar a situação, Trump pediu ao tribunal que declarasse que os funcionários eleitorais violaram a constituição e ordenasse ao Legislativo de Wisconsin que fornecesse o alívio apropriado de acordo com o Artigo II, Seção 1.2 da constituição.

O tribunal de apelações também disse que apenas analisou o caso no âmbito da Cláusula Eleitoral e não se aventurou a decidir a lei estadual.

“Essa responsabilidade cabe ao Supremo Tribunal do Estado. Dito de outra forma, os erros que o Presidente alega que ocorreram no exercício da autoridade da Comissão estão nas principais questões de direito estadual”, escreveu o painel.

Ele acrescentou que a Suprema Corte de Wisconsin também rejeitou as reivindicações do presidente no caso Trump v. Biden, que foi ouvido na mesma época que o caso federal.

Nesse caso, os juízes descobriram que um dos argumentos da campanha de Trump não tinha mérito, enquanto os outros três foram levantados tarde demais.

“O desafio para as cédulas eleitorais indefinidamente confinadas não tem mérito à primeira vista, e as outras três categorias de cédulas contestadas falham sob a doutrina das lacunas”, escreveu o juiz conservador Brian Hagedorn, que se juntou a outros três juízes liberais para formar a maioria no opinião do tribunal.

Trump e sua campanha estão lutando contra o relógio para buscar uma decisão dos tribunais sobre uma série de evidências que eles dizem levantar questões sobre se a eleição de 2020 foi manchada por fraude e mudanças inconstitucionais de última hora nas regras devido às medidas de votação introduzidas para a saúde e segurança durante a pandemia. Nesse caso, o presidente está tentando invalidar as cédulas e permitir que as legislaturas estaduais decidam quais votos do colégio eleitoral devem ser contados em 6 de janeiro, durante a sessão conjunta do Congresso.

Vários legisladores republicanos também estão se preparando para desafiar os votos do colégio eleitoral para estados contestados durante aquela sessão, pois estão preocupados que a natureza não resolvida das alegações de fraude eleitoral possa prejudicar a integridade das eleições nas próximas décadas.

Siga Janita no Twitter: @janitakan

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas