Tribunais de Jilin usam tática de atraso nos processos do Falun Gong

Quando um grupo de praticantes do Falun Gong da cidade de Jilin se recusou a deixar os seus advogados em troca de penas mais leves, os dois tribunais distritais responsáveis pelos seus casos recorreram às táticas de atraso. Eles usaram várias desculpas para evitar que os advogados estabelecessem a representação legal formal dos seus clientes ou revisassem os arquivos de casos, para prepararem os argumentos de defesa. Infelizmente, esse tipo de abuso da lei é a norma na China com relação ao Falun Gong, uma prática espiritual que está sendo perseguida ilegalmente pelo Partido Comunista chinês.

Embora os Tribunais Distritais Changyi e Chuanying tenham recebido casos de praticantes há mais de um ano atrás, nenhum deles fez quaisquer esforços para realizar julgamentos ou emitir veredictos. Isso por si só é uma violação da lei, que estipula que a acusação dos réus deve passar por um processo legal aplicável dentro de um determinado período de tempo.

No momento da escrita, os dois tribunais ainda não responderam aos pedidos dos advogados de defesa, enquanto os praticantes permanecem detidos além das condições legalmente admissíveis.

Últimos pedidos de advogado novamente não são atendidosO advogado do sr. Deng Xiaobo, um dos praticantes envolvidos, mais uma vez foi para o tribunal do condado Changyi em 27 de fevereiro de 2015, pedindo para ver os documentos do caso de seu cliente.

O mesmo advogado fez repetidos pedidos para rever o caso do sr. Deng desde que foi encaminhado para o tribunal em dezembro de 2013, porém apenas recebeu respostas negativas todas as vezes.

O advogado não se saiu melhor na visita dele em fevereiro. A pessoa que lidava com o caso, Fu Wenzhong, se recusou a se encontrar com ele e mostrar-lhe o arquivo do caso do sr. Deng. O advogado em seguida foi falar com o presidente do tribunal Liu Guangbin, porém este novamente o mandou de volta a Fu. Quando o advogado reiterou a violação legal do tribunal em retardar o caso por tanto tempo, Fu, que só concordou em falar ao telefone, se recusou a falar sobre a sua preocupação.O advogado entrou com uma nova denúncia contra o tribunal junto à Procuradoria da cidade de Jilin, mas o recepcionista se recusou a tomar qualquer ação para ajudá-lo.

O advogado do sr. Deng não está sozinho. Dez praticantes do Falun Gong de Jilin, incluindo o sr. Deng, após a prisão do grupo em outubro de 2013, contrataram 15 advogados para defender seu direito constitucional de praticar o Falun Gong.

Todos os advogados têm sentido a interferência judicial em seus esforços para representarem os seus clientes. Outro exemplo: o advogado dos irmãos do sr. Li Dexiang e do sr. Li Dequan, que praticam o Falun Gong, nunca foram capazes de firmar acordo com o juiz e com quem cuidava dos casos de seus clientes no Tribunal Distrital de Changyi, muito menos puderam rever os processos.

Um terceiro tribunal distrital aplica a tática de atraso em BandwagonO advogado do sr. Deng foi proibido de acessar o arquivo do caso de seu cliente no mesmo dia em que o outro advogado recebeu o mesmo tratamento de um tribunal diferente.

O sr. Han Yongqiang, praticante do Falun Gong, foi preso em 1 de agosto de 2014 e está detido desde então. Quando seu advogado foi para o Tribunal de Justiça do Distrito Gaoxin em 27 de fevereiro, o juiz se recusou a encontrar-se com ele ou nem o permitiu ler o arquivo do caso, citando uma ordem executiva. O advogado apresentou uma queixa à Procuradoria da Cidade de Jilin, mas até agora não recebeu resposta alguma.

 
Matérias Relacionadas