Três porta-aviões dos EUA realizam exercícios militares incomuns no Pacífico

Três porta-aviões dos Estados Unidos e sua frota de guerra, aviões de combate e outras aeronaves, completaram um exercício militar raro com a Coreia do Sul e o Japão na segunda-feira no Pacífico Ocidental.

Os exercícios militares de quatro dias terminaram quando o presidente Donald Trump retornava aos Estados Unidos após uma viagem de 12 dias pela Ásia.

Os exercícios ocorreram após múltiplas ameaças de um ataque nuclear da Coreia do Norte.

Numa de suas ameaças mais recentes, a Coreia do Norte disse que os Estados Unidos enfrentam um “abismo de destruição”.

“Os Estados Unidos devem fazer uma escolha decisiva … se não desejam um horrível desastre nuclear e uma destruição trágica”, disse a mídia norte-coreana em 8 de novembro.

Os porta-aviões USS Ronald Reagan, USS Nimitz e o USS Theodore Roosevelt participaram dos exercícios militares no Pacífico Ocidental de 11 a 14 de novembro.

Um porta-voz da frota do Pacífico dos EUA disse que as forças de ataque podem melhorar a interoperabilidade por meio desses exercícios.

Esta foto, publicada pela mídia estatal norte-coreana KCNA em 16 de abril de 2017, mostra mísseis balísticos sendo exibidos na Praça Kim Il-sung durante um desfile militar em Pyongyang, Coreia do Norte (STR/AFP/Getty Images)
Esta foto, publicada pela mídia estatal norte-coreana KCNA em 16 de abril de 2017, mostra mísseis balísticos sendo exibidos na Praça Kim Il-sung durante um desfile militar em Pyongyang, Coreia do Norte (STR/AFP/Getty Images)

“É intrincado. Obviamente, há muitas partes móveis, muitos navios. Mas você ganha consciência de como operar em conjunto quando você tem muitos navios”, disse Nicole Schwegman do Departamento de Relações Públicas da Frota do Pacífico dos EUA.

A posição oficial da Marinha norte-americana é que os porta-aviões estavam conduzindo os exercícios principalmente pelo valor do treinamento e para sinalizar o compromisso dos EUA com a região.

“É uma oportunidade rara poder treinar com dois porta-aviões juntos, e ainda mais raro poder treinar com três deles”, disse o comandante da Frota do Pacífico dos EUA, o almirante Scott Swift, num comunicado.

“As operações com múltiplas forças de ataque são muito complexas”, disse ele, acrescentando que discutiram com a Frota do Pacífico dos EUA sobre o “compromisso firme” com a segurança e a estabilidade da região.

Soldados da 2ª Divisão de Infantaria dos EUA penduram uma bandeira sul-coreana no topo de seu tanque M1A2 durante um exercício conjunto na cidade fronteiriça de Yeoncheon, no nordeste de Seul, em 30 de maio de 2013 (Jung Yeon-je/AFP/Getty Images)
Soldados da 2ª Divisão de Infantaria dos EUA penduram uma bandeira sul-coreana no topo de seu tanque M1A2 durante um exercício conjunto na cidade fronteiriça de Yeoncheon, no nordeste de Seul, em 30 de maio de 2013 (Jung Yeon-je/AFP/Getty Images)

Mas o exercício também fortalece a postura militar adotada pelo presidente Donald Trump para pressionar o ditador norte-coreano Kim Jong-un à mesa de negociações sobre o encerramento de seu programa de armas nucleares.

O USS Nimitz e sua frota devem retornar aos EUA num momento não revelado, e o USS Roosevelt deve ocupar seu lugar na 5ª Frota, que participou da operação Inherente Resolve, combatendo o Estado Islâmico no Iraque e na Síria. Nesse meio tempo, ambos os navios fizeram uma passagem na 7ª Frota e concentraram seu foco na Península Coreana.

A Marinha disse que os navios realizaram treinos de defesa aérea, vigilância marítima, treinamento defensivo de combate aéreo e outros tipos de treinamento.

É a primeira vez que os três porta-aviões operam juntos desde 2007, quando treinaram para poder responder rapidamente a qualquer situação na região.

A Ásia-Pacífico tem sido um foco-chave para a Marinha estadunidense enquanto as tensões aumentam na península coreana e no Mar do Sul da China. A China fez reivindicações expansivas sobre águas já reivindicadas por várias outras nações como suas zonas econômicas exclusivas, de acordo com o direito internacional estabelecido.

O foguete balístico estratégico norte-coreano de classe intermediária Hwasong-12 é lançado num local não revelado perto de Pyongyang, Coreia do Norte, em 29 de agosto (STR/AFP/Getty Images)
O foguete balístico estratégico norte-coreano de classe intermediária Hwasong-12 é lançado num local não revelado perto de Pyongyang, Coreia do Norte, em 29 de agosto (STR/AFP/Getty Images)

A 7ª Frota realizou exercícios militares na região ao redor da Península da Coreia e no Mar do Sul da China, frequentemente em conjunto com seus aliados locais da Coreia do Sul e do Japão.

A China recentemente cancelou um ano de penalidades econômicas voltadas à Coreia do Sul após o país concordar em não mais implementar sistemas de mísseis antibalísticos, não aderir à defesa de mísseis dos EUA e não assinar uma aliança militar trilateral com o Japão e os Estados Unidos.

Os testes de mísseis balísticos e de bombas nucleares da Coreia do Norte incentivaram os três países a incrementarem seus exercícios militares trilaterais.

Os EUA também realizaram exercícios com outros aliados regionais.

O jornal estatal norte-coreano Rodong Sinmun denunciou um desses exercícios num editorial no domingo.

Ele descreveu um exercício trilateral dos EUA, Austrália e Coreia do Sul, realizado na costa da Coreia do Sul, como “uma conspiração militar imperdoável” conduzida pelas “forças de fantoche” da Coreia do Sul.

“Está claro a fase catastrófica que esses jogos de guerra resultarão”, advertiu.

Os exercícios incluíram o contratorpedeiro de mísseis guiados USS Chafee, navios da Marinha da República da Coreia e da Marinha Real Australiana.

Os três países simularam “operações de interdição” marítimas que visam interromper ou destruir linhas de abastecimento e navios inimigos antes que possam causar algum dano.

 
Matérias Relacionadas