Tratamento tirânico aos prisioneiros de seis de janeiro é uma ameaça à nossa democracia

Durante meses, funcionários eleitos que representam os cidadãos deste país têm buscado respostas verdadeiras e não politizadas do governo sobre os eventos que ocorreram em seis de janeiro

Por Louie Gohmert, Bob Good, Matt Gaetz, Paul Gosar e Marjorie Taylor Greene

Desde a fundação desta grande nação, uma América abençoada por Deus ofereceu a esperança de liberdade ao mundo. Nos anos mais recentes, percebemos que, se nosso experimento de autogoverno fracassasse, não haveria outra nação na Terra que pudesse preencher o vazio deixado em seu rastro como defensora de tal liberdade. Nunca antes uma nação foi fundada para salvaguardar os direitos do indivíduo, o que mudou o curso da história humana, da força bruta ditando a dignidade, para o reconhecimento de que todo indivíduo tem valor. Nossa Declaração de Independência consagrou a verdade de que os direitos individuais vêm das mãos de nosso Criador, reconhecendo que foram estabelecidos pelo Todo-Poderoso e, portanto, não definidos pelo reino da força bruta do poder humano.

Foi necessária uma Guerra Civil e um movimento dos Direitos Civis para que os Estados Unidos se tornassem profundamente comprometidos com sua Declaração de Independência e Constituição. A Declaração resistiu ao teste do tempo para garantir a liberdade para todos em nossa nação e servir como um farol de esperança ao resto do mundo. Nossa nação continuou a corrigir os erros dos seres humanos falíveis e a construir sobre o passado. Estávamos chegando extremamente perto.

Sob o governo de Biden, pela primeira vez em nossa história, normalizar a negação dos direitos e liberdades civis com base na ideologia, e não na transgressão, é apresentado como uma causa nobre. A igualdade perante a justiça, sob a lei do Departamento de Justiça de Biden, deu um salto gigantesco para trás ao abraçar a noção medieval de que o poder torna certo, glorificando a negação dos direitos civis aos oponentes políticos. É vergonhoso e perigoso.

Durante meses, funcionários eleitos que representam os cidadãos deste país têm buscado respostas verdadeiras e não politizadas do governo sobre os eventos que ocorreram em seis de janeiro. Fomos continuamente bloqueados, menosprezados, ignorados e até demonizados pelo Departamento de Justiça, liderança na Polícia do Capitólio e no Departamento de Prisões. Cada um deles ignora solicitações e perguntas, recusando-se a permitir a supervisão de suas ações, o que dá toda a aparência de um encobrimento de suas transgressões. Pense na doutrina legal da espoliação. No tribunal, se uma das partes detém provas e as destrói ou se recusa a produzi-las, o juiz pode instruir o júri a inferir que as provas são totalmente contra a parte que as escondeu. Isso é exatamente o que eles estão fazendo.

Se a ideologia e o abuso de poder continuarem a impulsionar as ações deste governo, o Estado de Direito deixará de existir. A única proteção contra essas impropriedades óbvias é a transparência. Até recentemente, nosso país protegia nossas liberdades individuais arrastando todas as verrugas feias à luz do dia para examinar as ações de nosso governo. Demos deferência aos direitos individuais. Com suas ações, o governo Biden está destruindo as bases de nosso sistema jurídico e os direitos dos representantes do povo de protegê-los de abusos do governo.

Vários prisioneiros de seis de janeiro foram mantidos atrás das grades por meses sem nunca terem sido acusados ​​de um crime, e alguns sem nunca terem visto provas a favor ou contra eles. Alguns já aceitaram acordos de confissão, apesar de não terem acesso a todas as evidências envolvendo seus casos, o que é uma violação dos direitos civis e potencial “violação Brady”. Também houve relatos de abusos físicos e mentais hediondos contra esses prisioneiros no Centro de Detenção de D.C., embora um prisioneiro recentemente libertado tenha dito que as coisas melhoraram depois que quatro membros do Congresso tentaram visitar o local.

Agora, imagine a indignação dos democratas e seus cúmplices na mídia se os manifestantes da Antifa e da Black Lives Matter fossem processados ​​com uma fração do vigor com qual o DOJ empregou nos réus de seis de janeiro. Sem dúvida, haveria esquerdistas, incluindo funcionários eleitos, ansiosos para pedir aos seus apoiadores que doassem fundos para ajudar esses terroristas, assim como, nosso agora vice-presidente, fez no ano passado. Para referência, os distúrbios no verão de 2020 foram relatados, com base em pedidos de seguro, como os distúrbios mais destrutivos da história dos Estados Unidos.

Esses indivíduos rebeldes aterrorizaram cidades americanas por meses, incendiaram prédios federais e policiais e destruíram o sustento de americanos inocentes. Mais de 2.000 policiais ficaram feridos durante esses protestos, “majoritariamente pacíficos”. Esses grupos até mesmo tentaram violar a Casa Branca em maio de 2020, criando uma ameaça tão séria que agentes do Serviço Secreto foram forçados a levar o então presidente Trump para um abrigo seguro.

Claro, a maioria deles nunca enfrentará um dia de julgamento no tribunal porque, apesar de todas as suas ações criminosas e terroristas, esses manifestantes não expressaram seu apoio a Donald Trump. Na mente de seus apologistas democratas, incluindo vários funcionários do governo Biden, eles são absolvidos, independentemente das ofensas legais, porque adoram no altar da “consciência” com a crença sincera de que a América é má e deve ser punida indefinidamente por suas transgressões.

A aparente vingança política e retaliação contra alguns dos detidos em seis de janeiro pelo Departamento de Justiça da administração Biden deveria arrepiar todo americano. Até a maneira como muitos foram presos lembra mais as táticas da Gestapo do que as de um FBI outrora admirado. Os de esquerda deixaram uma coisa perfeitamente clara: se você é um apoiador de Trump enfrentando processo, ou mesmo o próprio Donald Trump, você é culpado até que se prove sua inocência e não merece os direitos civis básicos que todos os outros americanos devem ter perante a Constituição.

Parece que pelo menos alguns dos que foram tratados de forma tão vil por suspeita de envolvimento nos eventos de seis de janeiro, são prisioneiros políticos do governo dos Estados Unidos. Se nós, como país, continuarmos a permitir que esse abuso de poder se desenrole e transforme esta nação em uma república das bananas, não haverá mais lugar no mundo onde os amantes da liberdade poderiam se refugiar.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas