De trás de negócios com China, pulsa conflito fundamental

Além das negociações e dos apertos de mão na viagem do presidente Donald Trump para a China, existem conflitos inconciliáveis.

A comitiva de Trump em Pequim foi composta por 29 líderes empresariais dos Estados Unidos que aproveitaram a atmosfera amigável enquanto a Trump e o líder chinês Xi Jinping juntavam suas bandeiras em torno de generosos negócios comerciais pré-acordados.

O verdadeiro saldo da viagem, no entanto, foram as reuniões cara a cara entre Trump e Xi. Tais encontros ajudam cada líder a avaliar a firmeza do outro e evitar erros de cálculo em relação a questões divergentes.

A visita à China se deu em meio a uma turnê de Trump de duas semanas pela Ásia Oriental, que teve início com paradas no Japão e na Coreia do Sul e termimou com viagens ao Vietnã e às Filipinas.

De acordo com um funcionário sênior do governo americano que falou com repórteres no Japão em 5 de novembro, a viagem possuía três objetivos principais: fortalecer a determinação internacional de desnuclearizar a Coreia do Norte, promover uma região Indo-Pacífico livre e aberta e promover a prosperidade americana.

A cooperação da China é fundamental para avançar em todos os três objetivos, porém, em cada um destes, os Estados Unidos e a China possuem perspectivas muito diferentes.

Coreia do Norte

Trump tem feito mais progressos do que qualquer presidente anterior para que a China apoie e imponha sanções à Coreia do Norte. Mas ambas as nações têm visões fundamentalmente diferentes sobre o conflito e sobre como resolvê-lo.

O regime chinês está focado em impedir a guerra na península coreana e quer que os EUA se abstenham de qualquer ameaça de força, o que, na prática, deixaria a Coreia do Norte livre para prosseguir com seu programa de armas nucleares.

Soldados da Coreia do Norte vigiam Coreia do Sul na aldeia amistosa de Panmunjom, na Zona Desmilitarizada (DMZ, na sigla em inglês), em 27 de outubro de 2017, em Panmunjom, Coreia do Sul (Jeon Heon-Kyun-Pool/Getty Images)
Soldados da Coreia do Norte vigiam Coreia do Sul na aldeia amistosa de Panmunjom, na Zona Desmilitarizada (DMZ, na sigla em inglês), em 27 de outubro de 2017, em Panmunjom, Coreia do Sul (Jeon Heon-Kyun-Pool/Getty Images)

Pequim também quer evitar a instalação de novas baterias de mísseis e radares antibalísticos dos EUA na Coreia do Sul e evitar uma aliança militar trilateral entre Japão, Coreia do Sul e Estados Unidos.

Pequim obteve ganhos nestas duas frentes no início deste mês, quando Xi resolveu um impasse de um ano com a Coreia do Sul ao conseguir que o presidente Lua Jae-in concordasse com seus ‘três não’: nenhuma implantação THAAD adicional, nenhuma aliança militar trilateral e não participação numa defesa integrada de mísseis.

O regime chinês quer manter a Coreia do Norte como um amortecedor entre o seu território e a Coreia do Sul aliada dos Estados Unidos. Os EUA querem que o Norte seja absorvido pelo Sul democrático e próspero. No entanto, apesar destas diferenças, pode vir a ocorrer um consenso real sobre a Coreia do Norte.

Durante décadas, o regime chinês patrocinou os militares da Coreia do Norte, incluindo os programas nucleares e de mísseis da nação menor. Segundo o alto funcionário do governo, os Estados Unidos acreditam que a China agora vê a Coreia do Norte como uma severa responsabilidade estratégica.

Trump pediu a Xi que a China vá além das sanções aprovadas pela ONU para negar ao regime norte-coreano os recursos econômicos de que precisa para se sustentar.

Mar do Sul da China

Há também pontos de vista opostos sobre o Mar do Sul da China, onde o regime chinês reivindica os direitos históricos a uma enorme extensão do oceano que abrange grandes partes das zonas econômicas exclusivas de Brunei, Indonésia, Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietnã.

A nova política mestra de Trump par a Ásia ─ uma região Indo-Pacífico livre e aberta ─ visa a promover mercados livres e abertos e a abrir a navegação das águas internacionais.

As reivindicações expansivas da China no Mar do Sul da China, mostradas em vermelho, têm desestabilizado nações ​​na região e provocado exercícios de navegação dos EUA pela liberdade (Wikimedia Commons)
As reivindicações expansivas da China no Mar do Sul da China, mostradas em vermelho, têm desestabilizado nações ​​na região e provocado exercícios de navegação dos EUA pela liberdade (Wikimedia Commons)

Esta política é profundamente importante para as nações comerciais que compartilham o mar e outras que comercializam através dele, inclusive os EUA.

“Os Estados Unidos são um poder indo-pacífico. Nós o temos sido desde o início de nossa república”, disse o alto funcionário do governo.

“Nossa segurança e nossa prosperidade dependem de os Estados Unidos manterem o acesso à livre circulação de comércio nesta região”, afirmou o funcionário.

Onde os EUA querem manter águas abertas, a China espera se tornar o poder decisivo na Ásia-Pacífico. No entanto, tal objetivo, e toda a economia chinesa, requer um fluxo constante de dólares americanos.

Prosperidade americana

É aí que os Estados Unidos ainda desempenham alavancagem significativa, considerada por especialistas fundamental para o terceiro objetivo da viagem de Trump: promover a prosperidade dos EUA. Este objetivo, afirmam, é o ponto onde ambas as nações travam uma inflexão mais difícil.

Na superfície, Trump e Xi celebraram acordos comerciais que deram a aparência de cooperação entre os dois gigantes econômicos.

O presidente dos EUA, Donald Trump, a primeira-dama Melania Trump e o líder da China Xi Jinping visitam o Laboratório Científico de Conservação da Cidade Proibida em Pequim, em 8 de novembro de 2017 (Andy Wong/AFP/Getty Images)
O presidente dos EUA, Donald Trump, a primeira-dama Melania Trump e o líder da China Xi Jinping visitam o Laboratório Científico de Conservação da Cidade Proibida em Pequim, em 8 de novembro de 2017 (Andy Wong/AFP/Getty Images)

Na verdade, no entanto, os Estados Unidos devem reconhecer que uma China comunista não pode ser aliada, segundo Derek Scissors, um estudante residente do American Enterprise Institute. “Estamos em conflito fundamental com os chineses, e isto precisa ser reconhecido”, disse Scissors.

O crescimento econômico da China foi impulsionado por políticas que prejudicam a competitividade econômica dos EUA, incluindo a violação de acordos comerciais internacionais, o roubo de propriedade intelectual, a prática de pirataria desenfreada e a manutenção de seu mercado fechado ou obstruído às importações dos EUA. A resposta dos Estados Unidos até à data? “Patético”, disse Scissors.

Pela sabedoria convencional, os Estados Unidos estão se curvando em questões comerciais para ganhar a ajuda do regime chinês com a Coreia do Norte, mas não é assim que a gestão Trump estava falando antes da cúpula em Pequim.

“Eu não pretendo antecipar cortes no comércio”, disse o alto funcionário da administração americana. “Os Estados Unidos não vão se afastar de nossos interesses na esfera comercial a fim de fazer aquilo que o mundo inteiro tem, mais ou menos, se obrigado a fazer, que é conter e enfrentar a ameaça da Coreia do Norte.”

Os EUA possuem algumas vantagens importantes em qualquer negociação com a China, de acordo com Gordon Chang, autor de ‘The Coming Collapse of China’. Estas incluem alavancar o acesso à economia americana e ao sistema financeiro dos EUA.

No dia anterior à partida de Trump para sua viagem à Ásia, os Estados Unidos proibiram o Banco Chinês de Dandong de acessar o sistema financeiro dos EUA porque este estava lavando dinheiro para os norte-coreanos.

Este fato foi lido por muitos como um tiro de arco nos chineses, alertando-os sobre a necessidade de se cooperar contra a Coreia do Norte e sobre a vulnerabilidade do sistema financeiro chinês.

Cortar bancos chineses do sistema financeiro dos EUA poderia matá-los, disse Chang. “Se você expulsa os bancos chineses dos negócios, você abala o sistema financeiro chinês”, analisou.

Scissors disse que, sem acesso a dólares dos EUA, a China não poderia mais fazer transações internacionais para comprar petróleo e outros recursos críticos.

Em negociações com Xi, Trump precisa transmitir que ele detém a vontade política de tomar medidas que irão fazer a China pagar se não mudar suas práticas comerciais unilaterais.

Reequilíbrio comercial

A promessa de Trump de reequilibrar o comércio entre os Estados Unidos e a China vem com um risco potente para o regime chinês, disse Scissors.

Scissors esboçou dois cenários para se alcançar o reequilíbrio: aplicar sanções contra empresas chinesas ou instituir certificados de importação.

Segundo o especialista, para serem efetivas, as sanções deveriam abarcar setores inteiros da economia chinesa, como todas as empresas de telecomunicações. As sanções podem até precisar ser aplicadas a múltiplos setores. “Se aplicarmos sanções sobre múltiplos setores, então estamos realmente falando sobre algo doloroso”, disse Scissor.

A opção mais devastadora seria reequilibrar rapidamente o comércio através de certificados de importação, um mecanismo proposto pelo investidor Warren Buffett em 2003.

Por cada dólar de produto que uma companhia exporta, eles obtêm um certificado que lhes permite importar uma equivalente quantidade de bens em dólares. Eles também podem vender o certificado a outra pessoa que precise importar mercadorias.

A política poderia reequilibrar rapidamente o déficit dos EUA com a China ─ que representava quase metade do déficit comercial americano total de US$ 737 bilhões em mercadorias em 2016 ─ e dissolver as reservas de dólares estadunidenses da China.

“Os chineses simplesmente não podem pagar isso agora”, disse Scissors. “Simplesmente não há equivalente chinês.”

“Os chineses podem prejudicar várias grandes empresas americanas e provavelmente o mercado de ações americano, mas não podem ameaçar desestabilizar o sistema financeiro dos EUA da mesma forma que os EUA podem fazer com a China”, afirmou.

Chang disse: “Se você empurrar a economia chinesa para a beira do precipício, o sistema político chinês não ficará muito para trás. Então o presidente Trump pode pôr Xi Jinping para fora do jogo”.

No entanto, é extremamente improvável que Trump tome tais ações em curto prazo, disse Scissors.

Leia também:
Armas nucleares da Coreia do Norte estão relacionadas à rede de Estados hostis

 
Matérias Relacionadas