Trabalhadores farmacêuticos demitidos explicam por que não receberam a vacina da COVID-19

'Nós questionamos as injeções porque não passaram pelos estudos adequados de segurança e eficácia que são tradicionalmente exigidos'

Por Beth Brelie 

Uma grande empresa farmacêutica esta semana demitiu muitos funcionários que se recusaram a receber a vacina contra a COVID-19. A Syneos Health é uma empresa global de terceirização farmacêutica com cerca de 28.000 funcionários em mais de 110 países. Ela contrata empresas farmacêuticas maiores, incluindo a fabricante de vacinas contra a COVID-19 Johnson & Johnson/Janssen.

Enquanto a J & J emprega representantes farmacêuticos, também contrata a Syneos Health para fornecer representantes farmacêuticos adicionais. Cada representante da Syneos é emparelhado com um da J&J e eles trabalham juntos, vendendo medicamentos para médicos e outros profissionais da saúde.

“É exatamente o mesmo trabalho, os exatos mesmos clientes, o mesmo relatório de despesas. Tudo é o mesmo, estamos apenas empregados por empregadores diferentes. E mesmo assim estamos sendo obrigados a ser vacinados e eles não. Estão nos afirmando que é porque não podemos fazer nosso trabalho, mas meu colega da Janssen pode não ser vacinado, ter uma isenção e ainda fazer exatamente o mesmo trabalho”, declarou um representante de vendas ao Epoch Times.

Dois representantes farmacêuticos da Syneos recentemente demitidos falaram com o Epoch Times sob a condição de confidencialidade enquanto finalizam seus benefícios de emprego e procuram um novo trabalho.

Eles afirmaram que a J & J está concedendo isenções médicas e religiosas para seus funcionários, permitindo que eles mantenham seus empregos, mas as isenções da Syneos eram temporárias e o tempo para cumpri-las acabou.

Os funcionários que solicitaram isenção das injeções receberam uma carta de “boas notícias/más notícias” da Syneos no dia 9 de dezembro. A boa notícia: a empresa estava concedendo uma isenção temporária. A má notícia: a isenção terminou em 31 de janeiro, junto com seus empregos. Até então, os funcionários não tinham permissão para entrar em nenhum edifício da US Syneos.

Os funcionários da Flórida receberam uma carta diferente, concedendo-lhes uma isenção temporária da vacina. A carta permite que eles entrem nos prédios da Syneos na Flórida, mas os prédios da empresa fora do estado estão fora dos limites. Suas isenções serão reavaliadas em 30 dias, declarou a carta. Aqueles na Flórida são protegidos por uma lei estadual, tornando mais complicado para as empresas exigirem a vacinação contra a COVID-19.

A Syneos não respondeu a um pedido de comentário nesta história e não forneceu o número de funcionários afetados pela empresa global. Ex-funcionários afirmaram que a demissão em massa foi em toda a empresa.

Trabalhadores farmacêuticos dizem não

Os representantes de vendas farmacêuticas da Syneos, muitos com formação em ciências ou saúde, frequentam uma escola farmacêutica de dois meses quando contratados. Lá, eles aprendem a ciência por trás das drogas que vendem. Eles não estavam vendendo vacinas contra a COVID, mas possuem um conhecimento prático de produtos farmacêuticos.

“Muitos de nós questionamos as injeções porque elas não passaram pelos estudos adequados de segurança e eficácia que são tradicionalmente exigidos para todos os medicamentos. E estando na indústria médica, parte do nosso trabalho é discutir a segurança e eficácia sobre nossos produtos e produtos de nossos concorrentes com médicos, assistentes médicos e enfermeiros. Para isso, não há dados de segurança e eficácia com essas injeções para a COVID, então muitos de nós queríamos esperar”, afirmou um ex-funcionário da Syneos.

Esses funcionários não perceberam as injeções como “ruins”. Eles só queriam mais dados antes de tomar uma decisão. Muitas pessoas tomaram as injeções sem questionar.

“O governo afirma para fazer isso; é do seu interesse e você pode voltar ao normal”, relatou um ex-funcionário. “Com o passar do tempo, vimos, obviamente, que essas não são vacinas reais que inoculam você e dão imunidade. E há muitos relatos de – e pessoas que conhecemos pessoalmente – que sofreram lesões por essas injeções, então há uma boa porcentagem de nós que nunca os recebeu. À medida que os dados continuavam a chegar, não iríamos recebê-las”.

Alguns já haviam contraído a COVID-19 e confiam em seus sistemas imunológicos, outros possuíam objeções religiosas.

“Deus nos deu um sistema imunológico e já provou que nosso sistema imunológico natural funciona, então não há razão para tomar um medicamento experimental”, declarou um ex-funcionário.

O outro ex-funcionário afirma que é uma questão de não viver com medo.

“Sei que a COVID tirou a vida das pessoas assim como a gripe, a pneumonia e outros vírus. Mas não vou me injetar com algo que não possui dados de longo prazo. Não me sinto confortável em ser um experimento para essas empresas farmacêuticas, e a COVID tem uma porcentagem tão alta de taxa de sobrevivência que não há essa necessidade.”

“Muitas pessoas vivem com medo, e estão vivendo o que a mídia está afirmando a elas, e é lamentável que mais pessoas não façam alguma pesquisa. A taxa de sobrevivência é tão alta e estou tão saudável que simplesmente não tenho motivos para ter medo.”

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas