Tireoide, hipotireoidismo e tireoidite de Hashimoto

Exames de sangue da tireoide podem estar normais apesar dos sintomas

A glândula tireoide é a principal reguladora do metabolismo. Se o seu funcionamento se debilita (hipotireoidismo), isto pode gerar uma vasta gama de sintomas, incluindo pele seca, cabelos secos, fadiga, ganho de peso, sensibilidade geral ao frio, frio nas extremidades, e depressão.

Os exames padrões de sangue que verificam a função da tireoide incluem o hormônio estimulante da tireoide (TSH) e a tiroxina (também conhecido como T4). A tiroxina é um dos principais hormônios produzidos pela tireoide. O TSH é produzido pela hipófise e estimula a tireoide a produzir seus próprios hormônios.

No mundo da medicina convencional, um TSH elevado junto com um T4 baixo seria um sinal de hipotireoidismo e daria origem a um tratamento, geralmente com tiroxina.

Nós médicos tendemos a confiar bastante nos níveis de TSH para fazer o diagnóstico de hipotireoidismo e monitorar o tratamento. No entanto, por uma variedade de razões, eu acredito que não devemos nos apoiar apenas no TSH para tomar as decisões de tratamento.

Um estudo publicado no periódico Thyroid focou-se em indivíduos com uma condição conhecida como tireoidite de Hashimoto. Esta condição autoimune é caracterizada pelo ataque do sistema imunológico à tiroide.

O diagnóstico geralmente é feito com base no quadro clínico e exames de anticorpos antitireoide no sangue. Os dois anticorpos que são geralmente testados são conhecidos como antiperoxidase tireoidiana e antitireoglobulina. Mesmo se ambos dão positivo, o tratamento para hipotireoidismo não poderá ser iniciado normalmente a menos que haja a presença de níveis elevados de TSH e possivelmente um baixo nível de T4.

Alguns (mas não muitos) médicos afirmam que o tratamento deve ser tentado em indivíduos com anticorpos positivos se os sintomas sugerem hipotireoidismo, mesmo se os níveis de TSH e T4 estão normais.

Neste estudo, os indivíduos com a doença de Hashimoto foram primeiro identificados (definidos pelos pesquisadores como indivíduos com níveis de tireoide antiperoxidase superior a 121 IU/ml). Estes indivíduos foram questionados sobre a presença de sintomas relacionados com a tiroide como fadiga crônica (em longo prazo), cabelo seco, irritabilidade crônica, nervosismo crônico, e menor qualidade de vida.

Em comparação com indivíduos em que não foi diagnosticado a doença de Hashimoto, os com anticorpos positivos apresentaram um nível significativamente maior de sintomas sugestivos de disfunção tireoidiana.

Os níveis de TSH, por outro lado, não diferiram entre os dois grupos.

Uma maneira de interpretar isto é que os indivíduos com tireoidite de Hashimoto possuem uma boa chance de exibir sintomas de hipotireoidismo, mesmo quando seus testes de sangue são “normais”.

Nos últimos meses, tomei conhecimento de um livro sobre a tireoidite de Hashimoto: “Why Do I Still Have Thyroid Problems When My Lab Tests Are Normal?” (tradução livre: “Por que eu ainda tenho problemas de tiroide quando meus testes de laboratório são normais?”), do Dr. Datis Kharrazian. Ele cobre as diferentes formas que a doença de Hashimoto pode apresentar e como ela pode ser tratada. Aqueles que sentem que têm um problema podem aprender muito lendo este livro.

O Dr. John Briffa é um médico de Londres e escreve sobre saúde, com interesse em nutrição e medicina natural. Seu website é Drbriffa.com

 
Matérias Relacionadas