The New York Times remove anúncios de propaganda chineses

Por Cathy He

O New York Times removeu centenas de anúncios de um meio de propaganda chinês após encerrar seu relacionamento com a mídia estatal, de acordo com o The Washington Free Beacon.

Ao longo dos anos, o jornal estatal chinês de língua inglesa China Daily pagou milhões de dólares à grande mídia dos Estados Unidos, incluindo The Washington Post, The Wall Street Journal e The New York Times, para reproduzir suplementos chamados “China Watch”, que contém propaganda disfarçada de notícia.

Uma porta-voz do New York Times disse ao Washington Free Beacon que eles encerraram sua parceria com o China Daily. “Tomamos a decisão no início deste ano de parar de aceitar anúncios de conteúdo de marca da mídia estatal, que inclui o China Daily”, disse ele.

A medida ocorre em meio a um crescente escrutínio da influência chinesa nos negócios e na academia americanos.

As recentes demonstrações financeiras do China Daily para o Departamento de Justiça (DOJ) mostram que ele pagou mais de US$ 4,6 milhões ao Washington Post e quase US$ 6 milhões ao Wall Street Journal desde novembro de 2016. Também mostrou que a agência pagou US$ 50.000 ao New York Times em 2018.

Em junho, o Washington Post disse ao Epoch Times que não inclui mais os anúncios e que a última inserção foi publicada no ano passado.

O China Daily se registrou como agente estrangeiro pela Lei de Registro de Agentes Estrangeiros em 1983. Essa lei exige que agentes estrangeiros registrados forneçam ao DOJ cópias de todos os anúncios “distribuídos entre duas ou mais pessoas”. Também exige que os registrantes enviem ao departamento, duas vezes por ano, um relatório detalhado das despesas nos Estados Unidos.

Em junho, um grupo de parlamentares republicanos escreveu à presidente da Câmara, Nancy Pelosi (D-Califórnia), pedindo-lhe que encerrasse a distribuição do China Daily aos escritórios do Congresso. O deputado Jim Banks (R-Ind.), que liderou a iniciativa, disse recentemente ao Epoch Times que nenhuma resposta foi recebida.

“Exigimos que a mídia estrangeira, a mídia de propaganda, se registrem como agentes estrangeiros nos Estados Unidos da América, e ainda assim os temos aparecendo nas portas de nossos principais tomadores de decisão nos Estados Unidos, nas portas. de nossos legisladores. Este jornal de propaganda está chegando às nossas portas”, disse Banks.

“Então, para começar, estou surpreso que isso aconteça.”

No início deste ano, o Departamento de Estado designou o China Daily, juntamente com outros oito meios de comunicação estatais chineses operando nos Estados Unidos, como missões estrangeiras por seu papel de órgãos de propaganda do Partido Comunista Chinês. Também reduziu o número de funcionários chineses que poderiam trabalhar nos escritórios dos Estados Unidos.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Chineses renunciam ao PCC

 
Matérias Relacionadas