Tesla é criticada após inaugurar showroom em Xinjiang

Tesla é a mais recente empresa ocidental sob pressão para assumir uma posição sobre Xinjiang

Por Dorothy Li

A Tesla tem sido criticada pela abertura de um novo showroom na região de Xinjiang, no extremo oeste da China, onde o regime comunista deteve mais de um milhão de uigures e outras minorias muçulmanas.

O primeiro showroom da Tesla em Xinjiang começou a operar na capital da região, Urumqi, anunciou a empresa em um publicação em sua conta oficial da Weibo, no dia 31 de dezembro.

“No último dia de 2021, nos encontramos em Xinjiang”, escreveu a fabricante americana de carros elétricos em uma plataforma chinesa semelhante ao Twitter. “Em 2022, vamos começar uma jornada totalmente elétrica em Xinjiang!” A postagem é acompanhada por imagens da cerimônia de abertura, onde as pessoas seguram faixas como “Tesla [coração] Xinjiang”.

No entanto, o Conselho de Relações Americano-Islâmicas, no dia 3 de janeiro, instou a Tesla e seu presidente, Elon Musk, a fechar o showroom e “cessar o que equivale a apoio financeiro para o genocídio”.

A Tesla, que abriu sua primeira fábrica fora dos Estados Unidos em Xangai em 2019, é a mais recente empresa ocidental sob pressão para assumir uma posição sobre Xinjiang. O dominante Partido Comunista Chinês (PCC) tem atacado marcas de roupas e outras marcas que expressaram preocupação com o trabalho forçado em Xinjiang, com os mais recentes alvos incluindo Walmart e Intel.

Os investigadores descobriram que mais de um milhão de uigures e outras minorias muçulmanas foram presas em campos de concentração em Xinjiang, onde são submetidos a esterilização forçada, tortura, doutrinação política e trabalho forçado. Os Estados Unidos e outras democracias ocidentais classificaram as ações de Pequim como genocídio.

O regime comunista na China rejeitou as críticas, afirmando que a campanha em Xinjiang é para “combater o terrorismo”. Ele também pressiona as empresas ocidentais a retratar suas posições, à medida que Washington e seus aliados aumentam a pressão sobre Pequim devido às violações aos direitos humanos em Xinjiang.

“Nenhuma corporação dos EUA deve fazer negócios em uma região que é o ponto focal de uma campanha de genocídio que visa uma minoria religiosa e étnica”, declarou Ibrahim Hooper, diretor de comunicações do grupo com sede em Washington, em um comunicado na segunda-feira.

A operação da Tesla também atraiu críticas do órgão da indústria, a Alliance of American Manufacturing, e do senador Marco Rubio (Republicano da Flórida) dos Estados Unidos.

“Corporações sem pátria estão ajudando o Partido Comunista Chinês a encobrir o genocídio e o trabalho escravo na região”, escreveu Rubio no Twitter.

A Tesla não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Washington impôs sanções contra indivíduos e entidades chinesas envolvidas na opressão do regime em Xinjiang. No dia 23 de dezembro, o presidente Joe Biden assinou o projeto de lei que proíbe as importações de Xinjiang por motivos de trabalho forçado.

Prédios no Centro de Serviços de Treinamento em Educação Profissional, de Artux City, considerado um campo de reeducação onde a maioria das minorias étnicas muçulmanas estão sendo detidas, ao norte de Kashgar, na região noroeste de Xinjiang, na China, no dia 2 de junho de 2019 (Greg Baker / AFP via Getty Images)
Prédios no Centro de Serviços de Treinamento em Educação Profissional, de Artux City, considerado um campo de reeducação onde a maioria das minorias étnicas muçulmanas estão sendo detidas, ao norte de Kashgar, na região noroeste de Xinjiang, na China, no dia 2 de junho de 2019 (Greg Baker / AFP via Getty Images)

Dias depois, o principal regulador disciplinar do PCC ameaçou o Walmart Inc. com um boicote após alguns compradores chineses reclamarem online que não conseguiam encontrar produtos de Xinjiang em suas lojas Walmart e Sam’s Club na China.

A gigante americana de chips Intel Corp. pediu desculpas aos consumidores chineses após as repercussões sobre uma declaração pedindo aos fornecedores que não comprem produtos ou mão de obra de Xinjiang.

A mídia estatal atacou a empresa e os nacionalistas pediram um boicote nas plataformas de mídia social do país. Para a ira de Pequim, a Intel afirmou que a carta está em conformidade com a lei dos EUA e que não reflete a posição da empresa em relação a Xinjiang.

O Walmart e a Intel não são as únicas empresas lutando em um de seus maiores mercados. No ano passado, marcas de roupas como H&M e Adidas atraíram a ira do PCC após levantarem preocupações sobre o uso de trabalho forçado no algodão produzido em Xinjiang. Após o pedido de boicote apoiado pela Liga da Juventude Comunista, as principais plataformas chinesas de compras online retiraram seus produtos e lojas.

Embora essas empresas procurem evitar redes de fornecimento expostas na região, muitas marcas de automóveis estrangeiras, como Volkswagen, General Motors e Nissan Motor Co., têm showrooms em Xinjiang, operados por empresas chinesas associadas às montadoras. A VW também opera uma fábrica em Urumqi.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas