‘Terrível, mas esperado’, diz Pompeo ao condenar ataque à imprensa do Epoch Times em Hong Kong

"O Partido Comunista Chinês continua a mostrar que não honrará seu acordo sobre a liberdade do povo de Hong Kong"

Por Eva Fu

O violento ataque à imprensa do Epoch Times de Hong Kong foi “terrível, mas esperado”, devido ao declínio da liberdade na cidade, disse o ex-secretário de Estado Mike Pompeo.

“O Partido Comunista Chinês continua a mostrar que não honrará seu acordo sobre a liberdade do povo de Hong Kong”, disse ele em um comunicado ao Epoch Times. “Os Estados Unidos devem enviar uma mensagem clara de que a opressão contínua do povo de Hong Kong e a erosão de suas liberdades, especialmente a liberdade de imprensa, não serão toleradas”.

Por volta das 4 da manhã do dia 12 de abril, quatro homens mascarados empunhando marretas invadiram a gráfica. Eles quebraram o equipamento da impressora e jogaram entulhos, danificando vários computadores e o painel de controle central da impressora. A intrusão, que durou cerca de dois minutos, forçou o Epoch Times de Hong Kong a interromper temporariamente a impressão, poucos dias antes de proeminentes ativistas pró-democracia locais comparecerem ao tribunal.

Foi o segundo ataque à gráfica em 18 meses. Durante esse período, o regime chinês fortaleceu consideravelmente seu controle sobre a cidade. A legislatura de Pequim aprovou uma lei de segurança nacional que proíbe crimes amplamente definidos, como secessão, subversão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras e, mais recentemente, uma proposta para permitir que apenas aqueles que se consideram patriotas governem Hong Kong.

Uma captura de tela de uma câmera de segurança mostra intrusos vestidos de preto, um deles brandindo um martelo, danificando o equipamento de impressão da edição de Hong Kong do Epoch Times em 12 de abril de 2021 (Epoch Times)

A liberdade de imprensa na cidade também diminuiu desde que a ex-colônia britânica voltou a ser governada pela China em 1997. Atualmente, ela ocupa o 80º lugar no Índice Mundial de Liberdade de Imprensa da Repórteres Sem Fronteiras, ante 18º que ocupou em 2002.

“Este ataque ao Epoch Times é outro exemplo deplorável das crescentes ameaças à liberdade da mídia e de expressão em Hong Kong, e deve ser inequivocamente condenado”, disse Benedict Rogers, cofundador e diretor executivo de Hong Kong.

“Não tenho dúvidas de que um dos principais – senão o maior – ‘crimes’ pelos quais o PCC responsabiliza os amantes da liberdade de Hong Kong é o de ter mostrado ao mundo todo a verdadeira face deste regime cruel”, disse Laura Harth, do Safeguard Defenders. Ela acrescentou que “a imprensa livre de Hong Kong abriu uma janela inestimável para a verdadeira natureza do PCC e seu desprezo pelos valores universais”.

“Muitos de nós nos perguntamos por quanto tempo essas vozes corajosas e assessores de imprensa terão permissão para continuar e, infelizmente, a resposta está ficando clara muito rapidamente”, disse ela.

Ela observou que o governo tomou medidas para processar Jimmy Lai, um magnata dos negócios e editor do jornal local Apple Daily. A jornalista Yvonne Tong, da emissora pública RTHK, que anteriormente questionou um funcionário da Organização Mundial da Saúde sobre Taiwan, renunciou sob pressão e deletou todos os tweets de sua conta pessoal no Twitter.

Se a isso se soma o “atroz ataque à imprensa do Epoch Times ontem, a intenção do regime é muito clara: impor o mesmo muro de censura e controle que prevalece no continente, impedindo o mundo de seu direito de saber e o possibilidade de agir com base nessa evidência”, disse Harth.

Autoridades dos Estados Unidos e de outros países também mostraram seu apoio após o vandalismo.

“O recente ataque à imprensa do Epoch Times de Hong Kong é um ataque direto às liberdades que prezamos na América e merece condenação universal”, disse o representante Byron Donalds (R-Fla). “O mundo viu em primeira mão o impacto mortal da falta de transparência do PCC, e devemos ter mais organizações de jornalistas relatando as atrocidades deste regime”.

Computadores danificados e destroços de construção no chão da gráfica que imprime a edição de Hong Kong do Epoch Times em 12 de abril de 2021 (Adrian Yu / The Epoch Times)

O representante Louie Gohmert (R-Texas) disse que o Epoch Times “se destaca como um recurso valioso na luta pela verdade e por informações justas”.

“O ataque à sua gráfica em Hong Kong é uma velha batalha entre o bem e o mal, à medida que pessoas desonestas e sedentas de poder atacam a liberdade de expressão em todo o mundo”, disse ele ao Epoch Times. “Esperançosamente, existem bravos amantes da verdade que farão suas vozes serem ouvidas para condenar este ultraje”.

Markus Wiechel, um membro do Parlamento sueco, chamou a intrusão de “notícias terríveis”, acrescentando que o meio de comunicação “desempenha um papel extremamente importante como um dos poucos veículos de mídia independente em Hong Kong” a fornecer opiniões sem censura.

“Especialmente nestes tempos em que vemos recorrentes violações dos direitos humanos e das liberdades fundamentais, que naturalmente incluem também o direito à liberdade de imprensa e expressão, aqueles que defendem esses valores invioláveis ​​também têm que agir”, disse ele.

Lucio Malan, membro do Parlamento italiano, disse que o ataque de segunda-feira é “outro ato de brutalidade contra a democracia e a liberdade de Hong Kong pelo regime de Pequim”.

“Que tal ataque possa ocorrer sem a cumplicidade das autoridades comunistas chinesas está totalmente fora de questão”, disse ele em um comunicado ao Epoch Times. “Junto com a tecnologia sofisticada do século 21, Pequim também usa métodos que têm cem ou duzentos anos.”

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas