Terceiro pico de inundação na China este ano atinge rio Yangtze

Por Nicole Hao

O regime chinês anunciou em 26 de julho que o terceiro pico da estação das cheias deste ano atingiu a região a montante do rio Yangtze, enquanto o segundo pico atingiu a área do meio do rio.

No final de 2017, aproximadamente 459 milhões de pessoas viviam na bacia de drenagem do rio Yangtze, das quais 51% são de áreas rurais, de acordo com o Ministério Chinês de Recursos Hídricos (MWR).

Desde o início de junho, fortes chuvas atingiram a área da bacia hidrográfica e grandes extensões do sul e centro da China. Inundações e deslizamentos de terra foram relatados em mais de 27 províncias e regiões.

Para proteger as cidades, as autoridades chinesas abriram barragens e represas para descarregar águas pluviais transbordantes de rios e lagos nas áreas rurais, causando dezenas de milhões de pessoas a perderem suas casas.

Na tarde de 27 de julho, o pico atingirá a barragem das Três Gargantas, a maior da China, segundo o MWR.

Devido ao aumento do nível da água, as regiões ao longo do rio mais longo da China, o Yangtze, e seus afluentes Chu e Jing, bem como as áreas ao redor dos dois maiores lagos da China, Poyang e Dongting, correm o risco de serem submersos ou inundados, acrescentou o MWR.

O rio Huai, que atravessa o centro da China, também está enfrentando mais inundações.

A Comissão MWR do Rio Huai anunciou domingo que os níveis de água do rio Huai de 620 milhas (997 km) excederam a linha de alerta.

Um edifício é inundado por inundações em Zhenjiang, China, em 20 de julho de 2020 (STR / AFP via Getty Images)
Um edifício é inundado por inundações em Zhenjiang, China, em 20 de julho de 2020 (STR / AFP via Getty Images)

Em 20 de julho, as autoridades locais abriram a represa Wangjiaba para descarregar as águas do rio Huai por mais de 76 horas, submergindo a região de Mengwa na província de Anhui, lar de 195.000 habitantes.

Dois dias depois, as autoridades descarregaram as águas do rio Huai na área de Jingshanhu, onde vivem 855 moradores. Esta área é a oitava região ao longo do Huai que está intencionalmente submersa.

O regime chinês ordenou que, em 28 cidades, ao longo do rio Huai, fossem realizadas descargas de água devido às fortes chuvas, segundo a mídia estatal Anhui Pictorial. A área total cobre 8825 km (1507 milhas quadradas), dos quais 883 são terras agrícolas.

As autoridades também jogaram águas do rio Yangtze nas áreas rurais, mas não divulgaram detalhes.

Vista aérea do templo Guanyin, no meio do rio Yangtze, inundado em Ezhou, província de Hubei, no centro da China, em 24 de julho de 2020 (Getty Images)
Vista aérea do templo Guanyin, no meio do rio Yangtze, inundado em Ezhou, província de Hubei, no centro da China, em 24 de julho de 2020 (Getty Images)

Inundações e deslizamentos de terra

No domingo, a cidade de Yibin, na província de Sichuan, no sudoeste do país, registrou um deslizamento de terra, que matou pelo menos duas pessoas e enterrou fábricas e casas locais. Yibin é um rio acima do rio Yangtze.

No sábado, o condado de Mao, cerca de 643 km ao norte da cidade de Yibin, registrou dois deslizamentos de terra, que danificaram casas, estações de serviço e estradas.

A cidade de Chongqing registra, desde 22 de julho, deslizamentos de terra em seu distrito de Wulong. No domingo, um deslizamento de terra bloqueou um rio local e ameaçou a segurança de mais de 520 residentes a jusante. Chongqing também é um rio acima do rio Yangtze.

Embora a mídia e as autoridades estaduais estejam caladas sobre as enchentes desde o início de junho, internautas da China compartilharam vídeos das enchentes on-line, revelando a gravidade do desastre.

Na província central de Hubei, as águas pluviais inundaram as cidades. Especialmente no condado de Jianshi, na cidade de Enshi, as águas das cheias atingem complexos residenciais.

Nas áreas rurais, as inundações submergiram casas e fazendas. No centro de Jianshi, as inundações lavaram carros e objetos de valor. Pelo menos duas pessoas morreram e três desapareceram em Jianshi.

As autoridades disseram que as inundações em Hubei foram as piores em mais de cem anos.

Como as inundações tomaram conta da cidade de Nanjing, na província de Jiangsu, leste da China, as autoridades locais admitiram recentemente que uma empresa de construção estatal, a Jiangning Urban Construction, havia escavado uma barragem localizada em um afluente do rio Yangtze, o rio Qinhuai, para construa uma dúzia de restaurantes e bares. A construção, que atingiu a metade da altura da barragem, danificou a estrutura pode causar uma lacuna no aterro, se a barragem entrar em colapso.

Nanjing, a jusante do rio Yangtze, abriga aproximadamente 10,31 milhões de pessoas. Desde o início de julho, parte da cidade foi inundada devido a transbordamentos. Em 18 de julho, a cidade informou que as inundações estavam no nível mais alto desde que os registros começaram em 1954.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Manipulando a América: o manual do Partido Comunista Chinês

 

 
Matérias Relacionadas