Publicado em - Atualizado em 09/08/2017 às 16:43

Temer recua e desiste de propor aumento do Imposto de Renda

Decisão ocorre após forte reação, inclusive da base aliada, e disposição de Maia de barrar proposta na Câmara

Ministro da Fazenda afirmou que existem outras medidas sendo analisadas, dentre elas o corte de gastos públicos (Arquivo ABr)

Ministro da Fazenda afirmou que existem outras medidas sendo analisadas, dentre elas o corte de gastos públicos (Arquivo ABr)

Após críticas do empresariado e do Congresso, como também da base aliada do presidente Michel Temer, contrárias ao aumento do Imposto de Renda (IR) para pessoas físicas, o governo desistiu de encaminhar uma proposta de aumento das alíquotas para pessoas com maiores salários. Em comunicado divulgado na noite de segunda-feira (7), o Planalto declarou que não apresentará proposta ao Legislativo nesse sentido. No texto, elaborado pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, junto com a presidência, o governo ressalta que o ponto mais importante é a adequação das contas públicas através do corte de gastos.

No começo do dia, parlamentares já sinalizavam que o governo não teria apoio para aprovar a criação de alíquota de 30% ou 35% para pessoas físicas que ganham salário acima de R$ 20 mil. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), declarou que a depender dos deputados, a medida seria rejeitada.

“O presidente Michel Temer fez hoje menção genérica a estudos da área econômica, que são permanentemente feitos. Esclarecemos que hoje esses estudos estão focados prioritariamente em reduzir despesas e cortar gastos, na tentativa obstinada de evitar o aumento da carga tributária brasileira”, declarou o Planalto.

Na atual legislação, o cálculo da alíquota é feito de forma progressiva conforme o salário do contribuinte. Ao invés de pagar uma porcentagem incidente sobre o total de seu salário, a contribuição é feita por faixas salariais.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, admitiu que estavam sendo feitos estudos sobre o aumento das alíquotas de IR, porém declarou que só em último caso eles seriam implementados. De acordo com ele, o prazo para o governo ponderar quais ações tomar para obter mais recursos e fechar o orçamento de 2018 vai até dia 31 próximo.

“De fato existem no âmbito técnico do governo estudos diversos sobre impostos, inclusive o imposto de renda”, falou o ministro. “Aumento de imposto só em último caso. ”

Meirelles afirmou que existem outras medidas sendo analisadas, dentre elas o corte de gastos públicos.

Leia também:
Juiz que se apropriou de bens de Eike Batista é condenado
Gleisi e Paulo Bernardo são indiciados por corrupção e lavagem de dinheiro
FGTS: governo anuncia que irá dividir R$ 7 bi de lucro entre trabalhadores

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016