Talibã adverte sobre ‘reação’ se os EUA não deixarem o Afeganistão

Por Zachary Stieber

Talibã avisou que haverá uma “reação” se os Estados Unidos mantiverem tropas no Afeganistão depois de 1º de maio.

Suhail Shaheen, membro da equipe de negociação do Talibã, disse a repórteres em Moscou no final da semana passada que se as tropas americanas ficarem além do prazo, “será uma espécie de violação do acordo”.

“Essa violação não seria da nossa parte. … A violação deles terá uma reação ”, acrescentou.

O alerta veio um dia depois de se reunir com negociadores do governo afegão e observadores internacionais para tentar dar início a um processo de paz estagnado para encerrar décadas de guerra no Afeganistão.

Sob o comando do ex-presidente Donald Trump, os Estados Unidos e o Talibã chegaram a um acordo no ano passado. Como parte do acordo, os Estados Unidos retirariam 4.400 de seus 13.000 soldados no curto prazo, com o restante saindo em 1º de maio de 2021.

Trump condenou o que descreveu como as “guerras sem fim” da América e saudou o acordo para cumprir sua missão de remover as tropas de um desses conflitos.

Os Estados Unidos mantêm tropas no Afeganistão desde o final de 2001.

Um oficial do Pentágono disse aos membros do Congresso em setembro de 2020 que os militares estavam fazendo planos para uma retirada total até maio de 2021, se as condições do acordo fossem atendidas. Isso incluía uma redução da violência do Talibã.

Mas o grupo foi culpado por vários ataques no ano passado, colocando em dúvida a redução total.

O secretário de defesa dos EUA, Lloyd Austin (E), encontra-se com o presidente afegão Ashraf Ghani no palácio presidencial em Cabul, Afeganistão, em 21 de março de 2021 (Palácio presidencial via AP)

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin,  ao falar a repórteres em Cabul no domingo, disse que o processo de revisão de que as condições fossem cumpridas ainda está em andamento.

“Eu não me importo em comentar sobre isso. E não vou comentar sobre isso. Mas o que direi é que é óbvio que o nível de violência continua muito alto no país ”, acrescentou. “Gostaríamos muito de ver essa violência diminuir. E eu acho que se isso acontecer, pode começar a estabelecer as condições para, você sabe, algum trabalho diplomático realmente frutífero. ”

Definir uma data de término específica para o compromisso cabe ao presidente Joe Biden, disse Austin.

Biden disse na semana passada que será “difícil” para os Estados Unidos cumprir o prazo de 1º de maio. Mas ele também disse que se o prazo fosse estendido, não seria “muito mais longo”.

Um comunicado divulgado pelo palácio presidencial sobre o encontro entre Austin e o presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, disse que ambos os lados condenaram o aumento da violência no Afeganistão. Não houve menção ao prazo final de 1º de maio.

A Associated Press contribuiu para esta reportagem.

Siga Zachary no Twitter: @zackstieber
Siga Zachary no Parler: @zackstieber
 
Matérias Relacionadas