Taiwan e Coreia do Sul enfrentam desafios da agenda de recrutamento de talentos da China

Taiwan e Coreia do Sul estão em alerta com os cidadãos que trabalham na China pois Pequim é conhecida por direcioná-los para fins de espionagem

Por Frank Fang, Epoch Times

À medida que os programas de recrutamento de talentos estrangeiros da China são investigados nos Estados Unidos, Taiwan também está alertando sobre a saída dos cidadãos da ilha para empregos lucrativos no continente.

Pequim criou vários programas de recrutamento para atrair especialistas estrangeiros e chineses para trabalhar na China, com o objetivo de impulsionar o crescimento de seu setor de tecnologia.

Um dos programas mais proeminentes, o Plano Mil Talentos, foi estabelecido em dezembro de 2008. No programa, os recrutas de sucesso recebem pacotes de empregos lucrativos, muitas vezes com um considerável financiamento de pesquisa à disposição, além de uma posição de liderança ou profissional em uma universidade chinesa, instituto de pesquisa ou empresa estatal.

Até o momento, 33 cidadãos taiwaneses foram recrutados sob o Plano Mil Talentos, diz o Conselho de Assuntos de Taiwan, a agência encarregada de lidar com políticas com a China, segundo um relatório de 14 de outubro no jornal taiwanês Liberty Times.

Embora as autoridades taiwanesas tenham uma regra estabelecida há muito tempo de que os acadêmicos que ocupam um cargo em uma faculdade ou universidade em Taiwan precisam da aprovação do governo antes de poderem se inscrever no Plano Mil Talentos, nenhum desses 33 cidadãos ocupa atualmente uma posição acadêmica em Taiwan. Mesmo assim, o conselho planeja ficar mais vigilante no monitoramento de seu status na China continental, de acordo com o relatório.

O governo taiwanês está particularmente preocupado com seus cidadãos que trabalham na China, porque Pequim é conhecida por direcioná-los para fins de espionagem ou coleta de informações. Qualquer vazamento de inteligência valiosa ou propriedade intelectual de Taiwan, seja militar, econômica ou relacionada a infra-estrutura, poderia ser explorada por Pequim, que nunca renunciou à sua intenção de trazer Taiwan sob seu governo, com força militar se necessário.

Taiwan é agora uma democracia completa, com suas próprias forças armadas e constituição, depois que a nação insular realizou sua primeira eleição presidencial em 1996.

Chang Kuo-cheng, professor da Taipei Medical University, disse ao Liberty Times que os acadêmicos taiwaneses que se juntam ao Plano Mil Talentos provavelmente veriam seu desenvolvimento de carreira limitado por possíveis restrições ao participar de projetos de parceria envolvendo os Estados Unidos.

Recentemente, o FBI intensificou seu escrutínio sobre os cidadãos chineses que trabalham nos Estados Unidos que poderiam ser recrutados pelo Plano Mil Talentos, depois que uma série de casos de espionagem econômica, envolvendo cidadãos chineses roubando tecnologia benéfica para Pequim, foram expostos este ano.

Em junho, o Washington Free Beacon informou que o Pentágono estava investigando parcerias de pesquisa entre universidades dos Estados Unidos e empresas chinesas. A investigação foi realizada em meio a relatos de crescente espionagem e roubo de tecnologia em Pequim.

Em agosto, o FBI realizou uma reunião sem precedentes com mais de 100 autoridades acadêmicas no Texas, sobre como melhor prevenir roubos de propriedade intelectual por adversários estrangeiros, de acordo com o Houston Chronicle.

Peter Su, diretor do Centro de Tecnologia Avançada da Tamkang University, de Taiwan, disse ao Liberty Times que o governo taiwanês deve criar medidas para impedir que informações confidenciais sobre a ilha vazem para Pequim, bem como proibir especialistas taiwaneses com certas formações técnicas de se juntarem aos programas de recrutamento de Pequim.

Um caso de grande repercussão em ocorreu 2014, quando um professor taiwanês se juntou ao Plano Mil Talentos, expondo a facilidade com que a segurança nacional de Taiwan poderia ser comprometida, segundo outro artigo de 14 de outubro do Liberty Times.

O professor Chen Kun-shan, que trabalhava no Centro para Pesquisa Espacial e de Sensoriamento Remoto da Universidade Central Nacional de Taiwan antes de partir para a China, havia trabalhado em vários projetos de pesquisa envolvendo o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Taiwan Chung-Shan, um instituto operado pelo Ministério da Defesa Nacional.

A agência de inteligência de Taiwan descobriu que ele havia levado consigo informações confidenciais sobre a segurança nacional de Taiwan, incluindo imagens de satélite analíticas da ilha quando ele deixou sua posição.

De acordo com o Liberty Times, Chen obteve em seguida um emprego no Instituto de Sensoriamento Remoto e Terra Digital da China, um instituto da Academia Chinesa de Ciências do regime chinês.

Coreia do Sul

Assim como os Estados Unidos e Taiwan, a Coreia do Sul também enfrenta o problema dos esforços de recrutamento chineses, que levaram a vazamento de importantes tecnologias sul-coreanas para a China.

Um professor sul-coreano não identificado do campo de inteligência artificial disse que ele foi procurado por autoridades chinesas que lhe ofereceram um pacote anual, incluindo fundos de salário e pesquisa, totalizando 300 milhões de won (US$ 265.200) ou mais, se ele deixasse a Coreia do Sul e trabalhasse para uma faculdade de tecnologia em Xangai ou na cidade de Shenzhen, no sul da China, de acordo com um artigo publicado em junho pelo site sul-coreano de notícias financeiras Maekyung.

O caso do professor expôs uma prática amplamente usada, a “regra dos três tempos”, segundo a qual os talentos coreanos em IA, realidade virtual e computação gráfica 3D são abordados por recrutadores chineses com a promessa de triplicar seu salário coreano em troca de trabalhar na China.

Os esforços de recrutamento da China na Coreia do Sul prejudicaram o mercado local de realidade virtual (VR).

Em 2014, o mercado de VR da Coreia do Sul valia cerca de 966 bilhões de won (cerca de 854 milhões de dólares), enquanto o mercado de VR da China valia cerca de 270 bilhões de won (cerca de 239 milhões de dólares), segundo dados do Instituto Coreano de Economia Industrial e Comércio (KIET). Em 2017, o mercado de VR da China superou o da Coreia do Sul, com o primeiro alcançando 2,3 trilhões de won (cerca de US$ 2,03 bilhões), em comparação com os 1,96 trilhões de won da Coreia do Sul (cerca de US$ 1,7 bilhão).

Espera-se que as aplicações de VR aumentem com a implementação da 5G, a próxima geração de comunicações móveis, já que a tecnologia de VR oferece melhor desempenho e estabilidade de dados móveis.

A China também recrutou agressivamente engenheiros de jogos sul-coreanos nos últimos 10 anos, segundo Maekyung, mas o ritmo desacelerou recentemente porque a indústria de jogos da China está ganhando em competitividade, devido à entrada de talentos.

Lee Chang-hee, um professor que atualmente dirige o Liangjiang International College da Universidade de Ciência e Tecnologia de Chongqing, está entre os sul-coreanos que foram recrutados sob o Plano Mil Talentos.

O ex-diretor de tecnologia da Novera Optics Korea, que também atuou como professor no Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coreia – uma das principais universidades públicas sul-coreanas na área de ciência e tecnologia – lançou um pacote de recrutamento que incluía um pagamento de 1 milhão de yuans (US $ 144.534), mais 8 milhões de yuans (US$ 1,2 milhão) em subsídios para pesquisa, de acordo com um artigo de agosto de 2017 do portal de notícias chinês Sina.

Além disso, Lee recebe benefícios preferenciais que incluem moradia, assistência médica e seguro.

 
Matérias Relacionadas