Tailândia se prepara para se despedir do ‘rei do povo’

BANGKOK — A Tailândia está dando os toques finais nos preparativos para uma luxuosa cerimônia fúnebre de cinco dias este mês em último adeus a seu falecido Rei Bhumibol Adulyadej. O rei Bhumibol ajudou a moldar a nação do Sudeste Asiático durante décadas após a Segunda Guerra Mundial.

Muitas centenas de milhares de pessoas vestidas de preto devem acampar por vários dias perto do Grande Palácio de Bangkok para garantir uma boa visão das cerimônias, que será protegida por 78 mil policiais e culminará na cremação em 26 de outubro.

“Outubro é um período triste”, disse o primeiro-ministro Prayuth Chan-ocha a repórteres na capital, depois de anunciar planos para eleições nacionais do ano que vem. “Peço a políticos e partidos políticos que sejam pacíficos e ordeiros.”

Artesãos trabalharam durante dez meses num antigo bairro de Bangkok para construir um elaborado local de cremação formado a partir de uma visão do paraíso, onde os tailandeses acreditam que a realeza falecida continua a viver acima do Monte Meru, uma montanha dourada na mitologia hindu.

Esculturas de deidades que serão usadas no Crematório Real para o falecido Rei Bhumibol Adulyadej são vistas em Bangkok, Tailândia, 21 de setembro de 2017 (Reuters/Athit Perawongmetha)
Esculturas de deidades que serão usadas no Crematório Real para o falecido Rei Bhumibol Adulyadej são vistas em Bangkok, Tailândia, 21 de setembro de 2017 (Reuters/Athit Perawongmetha)

O funeral do rei Bhumibol, que morreu em 13 de outubro do ano passado após sete décadas no trono, também é um momento de incerteza para alguns tailandeses, de acordo com um analista radicado na Tailândia que preferiu não se identificar devido a sensibilidades em torno da monarquia.

“De muitas maneiras, o rei era a Tailândia e sua morte deixou um enorme vácuo na psique tailandesa”, afirmou o especialista, apontando para os conflitos sociais e políticos das últimas décadas.

“O que acontece depois do funeral? Para onde a Tailândia vai seguir? Estas são questões profundas que devem ser respondidas.”

Simpatizantes se enfileram para prestar homenagens ao falecido Rei Bhumibol Adulyadej nas cercanias do Grande Palácio de Bangkok, Tailândia, 24 de setembro de 2017 (Reuters/Athit Perawongmetha)
Simpatizantes se enfileram para prestar homenagens ao falecido Rei Bhumibol Adulyadej nas cercanias do Grande Palácio de Bangkok, Tailândia, 24 de setembro de 2017 (Reuters/Athit Perawongmetha)
A Lua sobe enquanto os simpatizantes se enfileram para manifestar seu respeito ao falecido Rei Bhumibol Adulyadej no último dia em que o Salão do Trono permaneceu aberto ao público, Bangkok, Tailândia, 5 de outubro de 2017 (Reuters/Athit Perawongmetha)
A Lua sobe enquanto os simpatizantes se enfileram para manifestar seu respeito ao falecido Rei Bhumibol Adulyadej no último dia em que o Salão do Trono permaneceu aberto ao público, Bangkok, Tailândia, 5 de outubro de 2017 (Reuters/Athit Perawongmetha)

Tradições ancestrais

O rei falecido foi sucedido por seu filho, o rei Maha Vajiralongkorn, ou Rama X, que supervisionou mudanças radicais na casa real, incluindo o funcionamento das finanças do palácio.

Embora mergulhada em antigas tradições, o funeral do rei Bhumibol permitirá uma participação pública maior do que a dos reis anteriores, disse o especialista em monarquia tailandês Tongthong Chandransu.

“Um forte vínculo foi formado entre as pessoas e a monarquia ─ o mais forte em relação aos reinados passados”, disse Tongthong à Reuters. “Então podemos ver mais participação popular no funeral real deste rei.”

Entre os muitos objetos reais restaurados para o funeral está uma carruagem dourada que levará o corpo do rei numa gigante e ornamentada urna para o local da cremação.

Oficiais do Exército da Tailândia participam de um ensaio funerário para o falecido Rei Bhumibol Adulyadej, em Bangkok, 28 de setembro de 2017 (Reuters/Athit Perawongmetha)
Oficiais do Exército da Tailândia participam de um ensaio funerário para o falecido Rei Bhumibol Adulyadej, em Bangkok, 28 de setembro de 2017 (Reuters/Athit Perawongmetha)

A urna chegará ao Crematório Real antes da cremação na noite de 26 de outubro, que foi declarado feriado nacional.

Mais de 3.000 artistas se reunirão em uma longa noite em tributo final de música e apresentações de marionetes para encerrar um ano de luto.

Tailandeses dedicados à memória do rei confeccionaram sozinhos dez milhões de flores de origami para a cremação do rei em Bangkok, disseram autoridades da cidade.

“Este é o nosso momento de ‘Mandela'”, disse o designer gráfico e o autodidata realista Apichai Klapiput.

“O que o mundo verá são rios de lágrimas que mostram o quanto os tailandeses adoram o rei Bhumibol Adulyadej. Ele era o rei do povo.”

Colaboraram: Aukkarapon Niyomyat e Panarat Thepgumpanat

Editado por Epoch Times

Leia também:
Funerais tradicionais chineses: um ritual profundo trocado pela cremação
A perda da verdadeira medicina tradicional chinesa
Artes marciais: renasce a antiga tradição
Confira vasos de cerâmica de artistas coreanos
Monstros, bolinhos e fogos de artifício: lendas do Ano Novo Chinês

 
Matérias Relacionadas