Sydney Opal Tower: prédio com suspeita de colapso é evacuado em pleno Natal

Mais de 3.000 pessoas foram evacuadas do prédio de 392 apartamentos e seus arredores

Pot Mimi Nguyen Ly

Centenas de moradores de uma torre de 38 andares em Sydney foram solicitados a deixar suas casas em 28 de dezembro pela segunda vez em cinco dias, depois que rachaduras foram descobertas no prédio na véspera de Natal.

A construtora da Sydney Opal Tower, no Parque Olímpico de Sydney, Icon, disse aos moradores em uma reunião acalorada em 27 de dezembro, que eles teriam que desocupar suas casas novamente por até 10 dias para realização de uma investigação do prédio.

Em um comunicado divulgado na tarde de 27 de dezembro, a Icon em uma declaração verificada pelo Sydney Morning Herald ressaltou: “O prédio é estruturalmente sólido e a realocação temporária é uma medida de precaução para permitir que os engenheiros trabalhem 24 horas para investigar exaustivamente até descobrirem e corrigirem os problemas no menor tempo possível”.

“A seção danificada do prédio foi agora reforçada como medida de precaução, enquanto uma equipe de engenheiros realiza a investigação”, disse o comunicado.

A Icon disse que compensaria os moradores afetados por sua mudança para hotéis próximos.

Muitos não podem voltar desde o Natal

De acordo com relatos locais, havia um único painel de concreto de 6 metros por 3 metros no 10º andar do prédio que havia rachado. O painel está ligado a duas colunas de concreto armado conectadas a 51 apartamentos nos andares 1 a 36.

Estes 51 apartamentos ainda não foram declarados seguros e os moradores desses apartamentos não puderam retornar desde 24 de dezembro, exceto para recolher itens pertinentes.

Um morador de um dos 51 apartamentos disse que, quando voltou ao seu apartamento no Natal, ele “parecia uma zona de guerra” e que sua cama havia sido ocupada, segundo o The Daily Telegraph.

Um morador irritado exigiu respostas na conferência de imprensa da Icon.

“Temos objetos de valor em nossos apartamentos, nos pediram para mover todos os nossos objetos de valor – mas é impossível”, disse ela, segundo o The Daily Telegraph.

“Dez dias é apenas uma estimativa – então, quanto tempo devemos esperar pelo resultado final e teremos algum tratamento justo?” Ela perguntou.

A investigação da construção está sendo liderada pela empresa de engenharia WSP. O executivo-chefe da WSP Austrália e Nova Zelândia, Guy Templeton, disse que, embora as rachaduras do concreto tenha sido um fracasso, “a integridade geral do prédio é sólida”, relatou o Sydney Morning Herald.

Sem garantias

O diretor da Icon, Julian Doyle, disse que não poderia garantir se os moradores teriam permissão para retornar às suas casas após o período de 10 dias.

“[Os moradores] precisam sair agora para que possamos investigar todas as partes do prédio sem obstruções, o mais rápido possível”, disse ele, segundo o The Daily Telegraph.

“Para nós, [trata-se de] obter a resposta e determinar o que precisamos fazer para não repetir o que aconteceu no nível 10 e implementá-lo o mais rápido possível.

“A questão é uma oportunidade porque, se deixarmos os residentes no local, ainda estaremos tentando ter acesso a várias áreas do prédio pelos próximos três meses.”

Os responsáveis pela NSW nomearam dois investigadores especializados para liderar uma investigação sobre as rachaduras da Opal Tower.

O ministro do Planejamento da NSW, Anthony Roberts, disse que os professores Mark Hoffman, decano de engenharia da Universidade de NSW, e John Carter, decano de engenharia da Universidade de Newcastle, conduzirão a investigação.

O porta-voz de Roberts disse que os investigadores analisarão especificamente a “base do fracasso” e os “passos imediatos que precisam ocorrer para garantir a segurança deste prédio e seus ocupantes”. Eles também farão recomendações para reduzir o risco de incidentes semelhantes ocorrerem no futuro, de acordo com o The Daily Telegraph.

Evacuação na noite de Natal

Um alarme de evacuação foi disparado por volta das 14h45, em 24 de dezembro, quando foi relatado “rachaduras” no 10º andar do prédio, as rachaduras teriam causado algumas mudanças na estrutura do edifício.

Os moradores continuaram a ouvir sons de rachaduras em 24 de dezembro, forçando os serviços de emergência a evacuar a torre e as áreas vizinhas, antecipando que o prédio poderia entrar em colapso.

Mais de 3.000 pessoas foram evacuadas do prédio de 392 apartamentos e seus arredores, uma vez que uma zona de isolamento de um quilômetro foi colocada em funcionamento. Cerca de 300 evacuados eram moradores do prédio. Eles não foram autorizados a voltar para suas casas, mas foram enviados para um centro de evacuação no centro de Sydney.

Por volta das 12.30 da manhã do dia 25 de dezembro, os moradores das unidades declaradas seguras foram autorizados a retornar. Mas 51 unidades foram declaradas inseguras, de acordo com um comunicado da polícia.

Os moradores das 51 unidades não foram autorizados a voltar para casa desde 24 de dezembro.

Em 24 de dezembro, a polícia teve que usar equipamentos pesados para romper as portas que estavam bloqueadas para resgatar moradores presos. Um morador do prédio disse à Australian Broadcasting Corporation que havia notado mudanças nas portas anteriormente.

“Alguns dias atrás as portas pareciam diferentes. Como se eles não pudessem fechar as portas corretamente. E você sente isso [movimento] às vezes quando há vento forte ”, disse ele.

A Reuters contribuiu com esta notícia.

 
Matérias Relacionadas