Supressão violenta da Venezuela contra os manifestantes é apoiada por suprimentos militares chineses

Veículo militar blindado que atropelou manifestantes foi fabricado por empresa de defesa estatal chinesa

Por Frank Fang, Epoch Times

A recente repressão violenta de protestos contra o regime dominante na Venezuela, filmada e apresentada por meios de comunicação internacionais, provocou indignação pública.

O 59, destacando o papel da China no apoio à atual ditadura.

Nas primeiras horas da manhã de 30 de abril, manifestantes desarmados apoiando Juan Guaidó, o líder da oposição e chefe da Assembléia Nacional da Venezuela, que se declarou presidente em janeiro, tomaram as ruas de Caracas.

Eles se reuniram depois que Guaidó convocou os partidários a se reunirem nas ruas para iniciar a “fase final” de seu plano de expulsar o ditador venezuelano Nicolás Maduro.

O protesto pacífico tornou-se feio do lado de fora de uma base militar em Caracas, quando um veículo da Guarda Nacional venezuelana atropelou manifestantes, segundo relatos e imagens filmados pela Reuters. Outros manifestantes podiam ser vistos correndo para ajudar daqueles que foram atingidos pelo veículo. Não se sabe quantos foram feridos ou se houve alguma fatalidade.

A Venezolana de Televisión, emissora estatal da Venezuela, mencionou brevemente o protesto do horário de madrugada em um relatório publicado em 1º de maio. Ao chamar Guaidó de “deputado golpista”, o artigo mencionava que oito veículos VN-4 estavam presentes no local do protesto. Esses veículos depois retiraram-se e voltaram para suas unidades militares, de acordo com o relatório.

Vários meios de comunicação em espanhol também identificaram o veículo que chegou aos manifestantes como um veículo VN-4, incluindo o site de notícias argentino Infobae, o jornal La Vanguardia, de Barcelona, e a mídia Cultura Colectiva, do México. Eles apontaram que os veículos VN-4 são apelidados de “rinoceronte”.

De fato, o VN-4 é da China. São veículos blindados leves e táticos fabricados pela Corporação do Grupo Norte da China (Norinco), que pertence à Comissão de Supervisão e Administração de Ativos da China, uma agência do Conselho de Estado.

Reportagens da mídia chinesa indicam que o VN-4 estava pronto para exportação desde pelo menos 2009. Foi revelado pela primeira vez ao público em uma exposição de equipamentos policiais em Pequim naquele ano. Desde então, foi exportado para a Venezuela, Quênia, Sudão, Camboja, entre outros.

O uso desses veículos pela Venezuela não foi para fins normais de manutenção da paz. Em testemunho perante uma audiência do Congresso norte-americano em setembro de 2017, Evan Ellis, associado sênior do centro de estudos estratégicos e estudos internacionais Washington, afirmou que “os carros blindados VN-4 e os tanques leves VN-16 são vendidos pela P.R.C. [República Popular da China] para a Venezuela, e projetado para o controle de distúrbios, tem contribuído para os esforços do atual regime da Venezuela de suprimir os protestos democráticos ”.

A Venezuela acumulou seu estoque de VN-4 ao longo dos anos, sendo alguns deles doações da China.

De acordo com um relatório de outubro de 2018 sobre o envolvimento da China com a América Latina e Caribe pela Comissão de Revisão de Segurança Econômica EUA-China, a Venezuela encomendou 121 veículos VN-4 da China em 2012, entregues entre 2013 e 2015. A mídia estatal chinesa informou em 2013 sobre sua primeira entrega do VN-4s para a Venezuela.

Então, em novembro de 2015, o jornal estatal Correo del Orinoco, da Venezuela, noticiou os comentários feitos pelo ministro da Defesa venezuelano, Vladimir Padrino López, sobre a chegada de 560 veículos VN-4 que foram doados por Pequim.

Em junho de 2017, o jornal em espanhol El Nuevo Herald, publicado na Flórida, informou que mais de 150 veículos, incluindo o VN-4, foram entregues de Norinco para a Venezuela.

Devido ao tempo em que os fatos ocorreram, é provável que os veículos blindados utilizados para suprimir os protestos passados sejam também VN-4.

O El Nuevo Herald relatou comentários de Henrique Capriles, então líder da oposição e governador do estado de Miranda, que expressou indignação tanto ao governo venezuelano quanto a Pequim pelas compras, dizendo que os veículos seriam usados para reprimir as pessoas.

“É inaceitável que, na crise de alimentos e medicamentos mais séria da história, a China venda equipamentos para reprimir as pessoas famintas”, disse Capriles.

Norinco

A Norinco foi fundada em 1980 com a aprovação do Conselho de Estado e da Comissão Militar Central da China – o mais alto órgão militar do Partido Comunista Chinês.

Em seu site, a descrição da empresa explica que, nos últimos 40 anos, a empresa tem consistentemente “ouvido o partido e seguido o partido”. Ela se orgulha de que a “construção do partido” dentro da empresa impulsionou seu desenvolvimento para se tornar uma concorrente global.

A empresa declarou explicitamente seu apoio ao projeto de política externa da China Um Cinturão, Uma Rota (OBOR, também conhecido como Um Cinturão, Um Caminho), uma iniciativa lançada em 2013 para aumentar a influência geopolítica via investimentos em todo o sudeste da Ásia, África, Europa e América latina.

Norinco também é conhecida por ter armado governos antiéticos e organizações criminosas, enquanto foi acusada de violações dos direitos humanos.

Em 2014, a Human Rights Watch (HRW) divulgou os resultados de uma investigação sobre se o regime sírio havia usado armas químicas em um ataque a três cidades no norte da Síria em abril de 2014.

A HRW encontrou fortes evidências para a afirmativa, observando que havia latas com as marcações “Cl2”, que é o símbolo químico para o gás cloro, e “Norinco”, que “indica que os cilindros foram fabricados na China pela empresa estatal Norinco”, dizia o relatório.

Em agosto de 2015, um relatório da ONU apontou a Norinco por vender ao governo do Sudão do Sul 100 lançadores de mísseis antitanques, 1.200 mísseis, cerca de 2.400 lançadores de granadas, quase 10.000 fuzis automáticos e 24 milhões de munições de vários tipos, de acordo com o Associated Press.

O governo do Sudão do Sul foi condenado por crimes de guerra cometidos durante a guerra civil de 2013, que opôs forças leais ao presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, contra aqueles que se rebelaram contra o ex-deputado Riek Machar. Segundo a Reuters, soldados sul-sudaneses foram acusados de estuprar crianças, queimarem pessoas e arrasar aldeias.

A Norinco também fabrica armas e rifles, sendo um deles o rifle Type 56, uma variante do AK-47 projetado pelos soviéticos.

A Anistia Internacional, em um relatório de 2009, afirmou que “as armas Norinco feitas na China são freqüentemente usadas por grupos criminosos na Austrália, Malásia, Tailândia e África do Sul”.

Em fevereiro, a revista americana The National Interest identificou vários modelos de armas Norinco que estão sendo amplamente usadas no Oriente Médio pelo grupo terrorista ISIS e pelo regime sírio. Os fuzis Type 56 são “comuns nos mercados internacionais de armas e muitas vezes comprados por nações que querem armar grupos com algum nível de negação”, acrescentou o relatório.

A Norinco também está no negócio de mineração através de sua subsidiária Wanbao Mining. Os políticos do Zimbábue organizaram contratos lucrativos de mineração para empresas chinesas, incluindo a Norinco, em troca de armas. Wanbao detém vários direitos minerais no país africano, de acordo com um artigo de 2013 da estação de rádio zimbabweana Nehanda Radio.

Além disso, em fevereiro de 2017, a Anistia Internacional pediu às autoridades birmanesas que fechassem uma mina de cobre operada pela Wanbao, devido a abusos dos direitos humanos, incluindo despejos forçados de moradores que viviam perto da mina.

 
Matérias Relacionadas