Suprema Corte derruba o precedente Roe vs. Wade que permitia o aborto

Anúncio segue um vazamento sem precedentes do parecer da Suprema Corte

Por  Matthew Vadum

Por uma votação de 6 a 3 na manhã desta sexta-feira, a Suprema Corte revogou formalmente Roe v. Wade, o precedente seminal de 1973 que derrubou uma série de leis federais e estaduais que restringiam o aborto e legalizou amplamente o procedimento em todo o país.

A decisão de 24 de junho da Suprema Corte também reverteu o precedente de 1992 conhecido como Planned Parenthood v. Casey, que sustentava que os estados não podem impor restrições significativas ao aborto antes que um feto se torne viável para a vida fora do útero. A decisão de Casey não especificou quando a viabilidade ocorre, mas sugeriu que estava em torno da marca de 24 semanas de gestação.

A decisão de 24 de junho (pdf) veio em Dobbs v. Jackson Women’s Health Organization, arquivo do tribunal 19-1392.

No caso, a única clínica de aborto licenciada pelo estado no Mississippi se opôs à Lei da Idade Gestacional do estado, que permite abortos após 15 semanas de gestação apenas para emergências médicas ou anormalidades fetais graves. Citando Roe, os tribunais inferiores consideraram que o estatuto estadual era inconstitucional.

O Politico publicou o rascunho do documento datado de 10 de fevereiro, em 2 de maio, sem revelar sua fonte. O tribunal está investigando o vazamento com muita discrição, mas os detalhes da investigação em andamento são poucos e distantes entre si.

O juiz Samuel Alito redigiu a opinião majoritária à qual aderiram os outros cinco juízes conservadores.

O chefe de justiça John Roberts concordou com o julgamento do tribunal, mas apresentou sua própria opinião separada. O juiz Stephen Breyer escreveu uma opinião divergente que foi acompanhada pelos outros dois juízes liberais.

Alito explicou na opinião do tribunal porque a maioria acredita que Roe v. Wade foi decidido erroneamente há 49 anos.

“O aborto apresenta uma profunda questão moral sobre a qual os americanos têm opiniões fortemente conflitantes”, escreveu Alito.

“Alguns acreditam fervorosamente que uma pessoa humana nasce na concepção e que o aborto acaba com uma vida inocente. Outros sentem com a mesma firmeza que qualquer regulamentação do aborto invade o direito da mulher de controlar seu próprio corpo e impede que as mulheres alcancem a plena igualdade. Ainda outros em um terceiro grupo pensam que o aborto deve ser permitido em algumas, mas não em todas as circunstâncias, e aqueles dentro deste grupo têm uma variedade de opiniões sobre as restrições específicas que devem ser impostas.”

Nos primeiros 185 anos após a adoção da Constituição dos Estados Unidos, “cada Estado foi autorizado a abordar essa questão de acordo com as opiniões de seus cidadãos”, mas então, em 1973, a Suprema Corte decidiu Roe v. Wade. Apesar da Constituição não mencionar o aborto, o tribunal considerou que ela “confere um amplo direito de conseguir um”.

O tribunal não alegou “que a lei americana ou a lei comum já tenham reconhecido tal direito, e seu levantamento da história variou do constitucionalmente irrelevante (por exemplo, sua discussão sobre o aborto na antiguidade) ao claramente incorreto (por exemplo, sua afirmação de que o aborto provavelmente nunca foi um crime sob a lei comum)”, continuou Alito.

“Depois de catalogar uma riqueza de outras informações que não têm relação com o significado da Constituição, o parecer concluiu com um conjunto numerado de regras muito semelhantes às que podem ser encontradas em uma lei promulgada por uma legislatura.”

O tribunal criou um esquema em que “cada trimestre da gravidez era regulado de forma diferente, mas a linha mais crítica era traçada aproximadamente no final do segundo trimestre, que, na época, correspondia ao ponto em que se pensava que um feto atingiria ‘viabilidade’, ou seja, a capacidade de sobreviver fora do útero.

Embora o tribunal tenha admitido que os estados “tinham um interesse legítimo em proteger a ‘vida potencial’”, determinou que esse interesse não justificava a imposição de restrições aos abortos no estágio de pré-viabilidade.

O tribunal não ofereceu nenhuma explicação para essa descoberta, que até os defensores do aborto têm sido pressionados a defender.

Alito observou que um estudioso constitucional de grande importância, John Hart Ely, escreveu que “votaria por um estatuto muito parecido com o que a Corte acabou redigindo” se ele fosse “um congressista”, mas em sua opinião Roe “não era direito constitucional, e quase não dava a obrigação de tentar ser”.

Em sua discordância, o juiz Byron White escreveu que Roe v. Wade “representava o ‘exercício do poder judicial bruto’ e desencadeou uma controvérsia nacional que amargurou nossa cultura política por meio século”.

Em sua discordância, o juiz Stephen Breyer criticou a nova opinião da maioria.

“Isso declara que a partir do momento da fertilização, uma mulher não tem nenhum direito de falar. Um estado pode forçá-la a levar uma gravidez a termo, mesmo com os mais altos custos pessoais e familiares.”

“Uma restrição ao aborto, sustenta a maioria, é permissível sempre que racional, e depende do nível mais baixo de escrutínio conhecido pela lei.”

“E porque, como o tribunal frequentemente afirmou, proteger a vida fetal é racional, os estados se sentirão livres para decretar todos os tipos de restrições.”

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas