Suposta espiã chinesa cria rede de influência entre os políticos dos EUA, afirma relatório

Ela coletou informações privadas sobre funcionários americanos, incluindo rumores sobre eles, seus hábitos, horários e redes sociais

Por Frank Fang

Uma suposta espiã chinesa trabalhou em estreita colaboração com o consulado chinês em São Francisco para chegar a vários políticos americanos na área da baía antes de deixar os Estados Unidos abruptamente em 2015.

A espiã, conhecida como Fang Fang ou Christine Fang, teria trabalhado para o Ministério da Segurança do Estado (MSS), a principal agência de inteligência da China. Fang manteve “laços incomumente próximos” com o consulado chinês, depois de se matricular em 2011 como estudante na California State University, East Bay (CSUEB), de acordo com um relatório de pesquisa recente da Axios.

O meio de comunicação contatou 26 funcionários dos EUA em exercício bem como aposentados, agentes políticos, ex-alunos e funcionários da inteligência dos EUA, em serviço e inativos, durante uma investigação de um ano.

De acordo com o veículo, acredita-se que Fang tenha ajudado a colocar “subagentes involuntários” em escritórios políticos e congressistas locais, mas era improvável que ela recebesse ou transmitisse informações confidenciais. No entanto, ela coletou
informações privadas sobre funcionários americanos, incluindo rumores sobre eles, seus hábitos, horários e redes sociais.

Para “se aproximar do poder político”, ela criou redes de contatos, se intrometeu em campanhas de arrecadação de fundos e se envolveu em relacionamentos amorosos ou sexuais com pelo menos dois prefeitos de cidades do Meio-Oeste, segundo Axios.

Os supostos esforços de Fang para se infiltrar no sistema político americano aconteceram poucos dias depois que o Diretor de Inteligência Nacional (DNI) John Ratcliffe alertou que agentes chineses estavam mirando em membros e assessores do
Congresso, em um comentário publicado pelo Wall Street Journal.

Agentes chineses ligados ao MSS foram recentemente indiciados em vários processos criminais nos Estados Unidos. Em março, um homem da Califórnia, recrutado peloMSS durante uma viagem à China em 2015, foi condenado a quatro anos de prisão
após ter sido considerado culpado por entregar informações confidenciais de segurança nacional dos EUA a funcionários do MSS na China.

Fang estava ativamente envolvida nas atividades do campus da CSUEB, servindo como presidente da Associação de Estudantes Chineses da universidade e presidente da seção da Escola de Relações Públicas Americanas das Ilhas do Pacífico Asiático (APAPA), uma organização sem fins lucrativos que incentiva os asiáticos-americanos a participarem de questões cívicas e públicas.

A influência de Fang cresceu entre os políticos americanos participando de conferências regionais de prefeituras.

Em uma ocasião, Fang teve um encontro sexual com um prefeito (não identificado) de Ohio, em um carro que estava sob vigilância do FBI (Federal Bureau of Investigation). Ela disse ao prefeito que estava interessada nele porque “queria
melhorar o inglês”, segundo o veículo.

Fang ajudou a arrecadar fundos, de acordo com o veículo, para a campanha de reeleição do legislador Eric Swalwell (D-Calif.)

Em 2014, embora ela não tenha feito nenhuma doação, nāo havia evidências de contribuições ilegais.

O escritório de Swalwell, em um comunicado à Axios, disse que o legislador encerrou os laços com Fang em 2015, depois que investigadores federais o alertaram sobre suas preocupações em relação às atividades da espiã.

Fang estava sob vigilância por investigadores federais durante o acompanhamento de outro oficial suspeito do MSS, que trabalhava disfarçado como diplomata no consulado chinês em San Francisco, de acordo com o veículo.

“O suposto oficial usou o consulado como base para entrar em contato com políticos dos EUA em nível estadual e local, até mesmo convidando-os a viajar para a China”, disse um atual oficial da contra-espionagem dos EUA, cuja identidade não foi divulgada à Axios.

Após ler o relatório da Axios, o deputado Rick Crawford (R-Ark.) Compartilhou no  Twitter  sua preocupação com o comportamento de Pequim. “O alarme já soou sobre como a China não é confiável. É um país que busca dominar e
destruir qualquer um que cruze seu caminho”, disse Crawford.

Os consulados chineses nos Estados Unidos estão sob crescente escrutínio nos últimos meses. Em julho, o consulado chinês em San Francisco foi acusado de abrigar um investigador militar chinês procurado pelo FBI. No mesmo mês, o Departamento de
Estado ordenou o fechamento do consulado chinês em Houston, já que o local estava sendo usado como um “centro de espionagem”.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas