Supostas vítimas de Ghislaine Maxwell devem testemunhar na audiência de fiança

Por Ivan Pentchoukov

Espera-se que as supostas vítimas de Ghislaine Maxwell, a mulher que está há muito tempo associada ao agressor sexual condenado Jeffrey Epstein, testemunhem em sua acusação e audiência de fiança, de acordo com a procuradora-geral assistente norte-americana Alison Moe.

Moe escreveu em um memorando (pdf) se opondo ao pedido de Maxwell de ser libertada sob fiança.

Maxwell foi acusada em 2 de julho por seu suposto papel em incitar, treinar e explorar sexualmente meninas de até 14 anos. Ela negou as acusações e planeja se defender no tribunal.

Duas das supostas vítimas não falaram com a polícia até 2019. Segundo os promotores, suas histórias compartilham detalhes notavelmente semelhantes sobre Maxwell.

“O poderoso testemunho dessas vítimas, que tiveram experiências surpreendentemente semelhantes com Maxwell, juntamente com evidências documentais e testemunhas oculares, estabelecerá conclusivamente que a réu preparou as vítimas para abuso sexual por Jeffrey Epstein”, diz o memorando do Ministério Público.

Um médico legista decidiu que Epstein cometeu suicídio no ano passado, enquanto estava sob custódia federal, aguardando julgamento por tráfico sexual de meninas menores.

A promotora interina do Distrito Sul de Nova Iorque, Audrey Strauss, anuncia as acusações contra Ghislaine Maxwell durante uma conferência de imprensa em 2 de julho de 2020 na cidade de Nova Iorque (JOHANNES EISELE / AFP via Getty Images)
A promotora interina do Distrito Sul de Nova Iorque, Audrey Strauss, anuncia as acusações contra Ghislaine Maxwell durante uma conferência de imprensa em 2 de julho de 2020 na cidade de Nova Iorque (JOHANNES EISELE / AFP via Getty Images)

Os advogados de Maxwell já haviam argumentado que a riqueza e a cidadania de sua cliente em vários países não são razões suficientes para negar o vínculo de sua cliente. A defesa também rejeitou uma alegação dos promotores de que Maxwell estava efetivamente escondida em uma propriedade de New Hampshire.

Os advogados do Gabinete do Procurador dos EUA para o Distrito Sul de Nova Iorque dobraram a acusação de que Maxwell estava escondendo. Uma guarda que foi contratada para proteger Maxwell disse ao FBI que ela nunca deixara a propriedade durante o tempo de trabalho. Em vez de se aventurar, Maxwell forneceu ao à guarda de segurança um cartão de crédito em nome da mesma empresa de responsabilidade limitada que foi usada para comprar a propriedade, e a enviou para comprar a propriedade, de acordo com o promotores.

Argumentando que Maxwell não deveria receber fiança, os promotores notaram que durante a investigação do FBI na propriedade de New Hampshire, o ré podia ser vista através de uma janela que se movia para dentro da casa. Depois de serem capturados em uma das salas internas, os policiais que inspecionavam a casa encontraram um telefone celular embrulhado em papel alumínio, numa aparente tentativa de evitar a detecção pelas autoridades, segundo documentos do tribunal.

Maxwell, uma ex-namorada de Epstein, foi o centro das atenções após o suposto suicídio de Epstein. Ela alega não ter tido contato com ele há mais de uma década.

Maxwell é acusada de incitar e conspirar para atrair menores a viajar para praticar atos sexuais ilegais, transportar menores com o mesmo objetivo e perjúrio. Dada a sua idade, ele enfrenta a perspectiva de passar a maior parte do resto da vida na prisão.

Os advogados de Maxwell argumentaram que não há risco de fuga porque ela tem laços emocionais significativos com os filhos de seus irmãos que residem nos Estados Unidos. A promotoria respondeu no memorando de 13 de julho que sua estadia prolongada na propriedade de New Hampshire significa que ela foi capaz de manter relacionamentos à distância.

As autoridades observaram que outro fator que aumenta o risco de fuga de Maxwell é que a França, um dos países onde Maxwell tem cidadania, não extradita seus cidadãos. O advogado de Maxwell também listou propriedades fora dos Estados Unidos como garantia para sua fiança, que os promotores dizem que seria difícil recuperar e vender se a ré fugir. Os promotores também dizem que a lista de Maxwell de seis fiadores sem nome e com meios financeiros desconhecidos é insuficiente.

“Em vez de tentar enfrentar os riscos de libertar uma ré com aparente acesso a recursos financeiros extraordinários, que tem a capacidade de viver fora do escopo da extradição na França e que já demonstrou sua vontade e capacidade de viver na clandestinidade, em vez disso, a ré propõe um conjunto de fianças que representam pouco mais que uma fiança não garantida”, diz o memorando do governo.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

EUA exigem transparência do regime chinês diante da COVID-19

 

 
Matérias Relacionadas