Soros faz um favor (temporário) a Zuckerberg atacando o Facebook

Mark Zuckerberg pode não ser realmente um partidário de Trump, mas George Soros e os democratas podem estar convertendo-o em um

Por Roger L. Simon

A grande notícia que chegou na sexta-feira passada durante o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, foi que George Soros acusou o Facebook, sim o Facebook, de estar conspirando com Donald Trump para manter o presidente na Casa Branca.

The Onion? Babylon Bee? (sites satíricos) Saturday Night Live? (programa cômico)? Ou apenas notícias falsas?

Nenhuma das anteriores. Acontece que o bilionário, quase marxista (isso é um oxímoro?) disse aos bilionários e multibilionários reunidos (alguém com apenas um milhão não precisa aplicá-lo): “O Facebook trabalhará em conjunto para reeleger Trump, e Trump trabalhará para proteger o Facebook para que esta situação não possa ser alterada. Isso me preocupa muito para 2020.”

• Leia também:
George Soros criará escola de US$ 1 bilhão para combater ‘nacionalistas e mudanças climáticas’

Para ele e Adam Schiff, aparentemente. (Entre suas infinitas alegações durante o julgamento político, Schiff declarou que o impeachment de Trump pelo Senado era obrigatório porque o presidente lançaria mão de trapaças nas eleições de 2020).

No entanto, Soros – ele foi visto recentemente financiando todos os guerreiros da justiça social que pôde encontrar com um diploma em direito para concorrer como promotor público nos Estados Unidos – na verdade tem um histórico de oposição às redes sociais. O financista parece temer as amplas manifestações de opinião disponíveis nessas redes, para que não prejudiquem seus muitos projetos (quer dizer, a verdade pode impedir “sua verdade”).

No entanto, ironicamente, nos últimos anos, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, foi atacado pela direita por sua suposta parcialidade contra os conservadores. De fato, Zuckerberg fez várias tentativas hesitantes para lidar com esse problema, consultando aqueles que considerava importantes conservadores e, ao mesmo tempo, alienando outros.

Enquanto isso, a parcialidade foi crescendo, como ocorreu ainda mais nos outros gigantes da tecnologia Google e Twitter, não apenas por causa das políticas de seus gerentes seniores, mas também por seus funcionários mais jovens, que gerenciam o dia a dia e projetam os algoritmos mais recentes, que se inclinaram decisivamente para a esquerda. A evidência de quão longe chegaram ficou muito clara quando o Google demitiu o engenheiro James Damore por ousar se afastar uma polegada ou duas da linha politicamente correta sobre as mulheres na ciência.

Zuckerberg, pelo menos, diferentemente dos fundadores do Google e do Twitter, reconheceu o problema, aceitando a necessidade de que sua empresa, basicamente um serviço público, seja imparcial, embora ainda não tenha conseguido alcançá-lo. No entanto, ele merece algum crédito.

Talvez por isso ele seja motivo da reprovação de Soros e por que o bilionário pensa que ele está tentando reeleger Trump. Para isso, basta tentar a igualdade ideológica. É bem engraçado, mas também é, novamente ironicamente, um favor involuntário para Zuckerberg.

Poucos seres humanos são considerados vilões de classe mundial como George Soros. Uma versão de Soros era o fictício Mr. Big de uma série de thrillers de direita. (Pergunte a Brad Thor). E, como todos sabemos, “o inimigo do meu inimigo é meu amigo”. Se ele, o doador global mais ativo e generoso da esquerda, não gosta de Zuckerberg, deve haver algo dele que agrade ao fundador do Facebook.

Mas suspeito que isso não vai durar muito tempo ou que não seja tão profundo. O problema do viés anti-conservador nas redes sociais é muito amplo. Simultaneamente, o poder das Big Tech é muito grande. Não duvido que, não importa o quanto ele deva estar no trem de Trump (pelo menos se você acredita em Soros), que Mark Zuckerberg estará na mira da direita em breve.

Mas, por trás de tudo isso, existe um enigma de que, como a proverbial galinha, pode voltar para casa à medida que nos aproximarmos das eleições de 2020. Quem apoiará os reis e rainhas do Vale do Silício, atualmente os capitalistas mais bem-sucedidos do mundo?

Anteriormente, o Partido Democrata – capitalistas disfarçados de socialistas, mas apenas para fins eleitorais – era o lar deles. Está tudo bem, mas as coisas mudaram. Agora, o candidato democrata pode ser um comunista disfarçado de socialista. Na melhor das hipóteses, será um partido socialista.

Isso funcionará para o Vale do Silício? Bem, eles trabalham com a China, mas Xi Jinping pode ser mais capitalista que Bernie Sanders. Mark Zuckerberg pode não ser realmente um partidário de Trump, mas George Soros e os democratas podem estar convertendo-o em um. Mais cedo do que você pensa, Peter Thiel – o empreendedor / investidor iniciante no Facebook e no Play Pal – pode não ser o único apoiador de Trump na Califórnia.

O último romance do analista político Roger L. Simon chama-se “A Cabra”

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não representa necessariamente a opinião do Epoch Times

 
Matérias Relacionadas