Soldados venezuelanos desertam em meio à crescente pressão sobre Maduro, revela documento

Nove das principais nações europeias, incluindo Grã-Bretanha, Alemanha, França e Espanha, estão entre os mais de 20 governos que reconheceram Guaidó como presidente interino

Por Bowen Xiao, Epoch Times

O ditador venezuelano Nicolás Maduro ainda tem o apoio dos militares, apesar de novos documentos revelarem que milhares de soldados o abandonaram nos últimos anos, enquanto o regime lutava para mitigar a erosão de suas forças armadas.

Dois documentos obtidos pela Bloomberg destacam como a ditadura de Maduro já estava tentando impedir um número crescente de deserções, mesmo antes de o líder da oposição, Juan Guaidó, apoiado pelos Estados Unidos, pedir que os militares rompessem com o tirano.

Um documento enumera cerca de 4.300 membros da Guarda Nacional que abandonaram seus postos nos últimos cinco anos. Assinado pelo comandante da Guarda, o general de divisão Jesús López Vargas, em 21 de dezembro, o documento ordena a eliminação de suas fileiras e números de série das listas militares. Todos os nomes são de oficiais não comissionados ou de homens e mulheres alistados.

A Guarda Nacional é apenas um dos quatro principais ramos das forças armadas venezuelanas, que também incluem o exército, a marinha e a força aérea.

Cidadãos protestam durante manifestação contra a ditadura de Nicolás Maduro nas ruas de Caracas, Venezuela, em 2 de fevereiro de 2019 (Marco Bello/Getty Images)
Cidadãos protestam durante manifestação contra a ditadura de Nicolás Maduro nas ruas de Caracas, Venezuela, em 2 de fevereiro de 2019 (Marco Bello/Getty Images)

Em um segundo documento, foi dada a ordem ao pessoal dos pontos de entrada e saída de impedir que soldados e aposentados em serviço de reserva saiam do país sem autorização. A ordem foi assinada em 13 de novembro por Luis Santiago Rodríguez González, diretor do serviço de imigração do país.

Embora tenha havido protestos em massa nas ruas de todo o país pedindo a renúncia de Maduro, as deserções em massa das forças armadas ainda não começaram. No entanto, dois altos comandantes militares romperam recentemente com a ditadura de Maduro e reconheceram Guaidó, líder da Assembleia Nacional da Venezuela. José Luis Silva, adido de defesa da Venezuela em Washington e principal oficial militar, disse que rompeu com a ditadura de Maduro em 26 de janeiro; enquanto o general Francisco Yáñez, general de alto escalão da força aérea venezuelana, também ficou do lado de Guaidó.

Poucas semanas atrás, o regime ditatorial de Maduro alegou ter frustrado uma tentativa de insurreição militar. Em um comunicado, o país acusou um “pequeno grupo de assaltantes” da Guarda Nacional Bolivariana de “trair seu juramento de lealdade à pátria” ao sequestrar dois policiais e dois guardas nacionais, em uma tentativa de roubar armas nas primeiras horas de 21 de janeiro. O ditador culpou os “obscuros interesses da extrema direita” pelo motim.

Membros da milícia bolivariana da Venezuela demonstram apoio ao tirano Nicolás Maduro na Plaza de Bolívar, em Caracas, em 4 de fevereiro de 2019 (Federico Parra/AFP/Getty Images)
Membros da milícia bolivariana da Venezuela demonstram apoio ao tirano Nicolás Maduro na Plaza de Bolívar, em Caracas, em 4 de fevereiro de 2019 (Federico Parra/AFP/Getty Images)

Maduro tomou posse em 10 de janeiro em meio à acusação internacional de que sua liderança é ilegítima. Ele ganhou o poder pela primeira vez no país rico em petróleo em 2013 e agora está em seu segundo mandato.

Bloqueio militar

Os esforços dos Estados Unidos para enviar alimentos e suprimentos médicos até a fronteira da Colômbia com a Venezuela foram frustrados depois que o exército venezuelano bloqueou uma importante rodovia de acesso em 6 de fevereiro.

Em resposta, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, insistiu com a ditadura de Maduro para deixar passar os suprimentos.

“O povo venezuelano precisa desesperadamente de ajuda humanitária”, disse ele no Twitter. “Os Estados Unidos e outros países estão tentando ajudar, mas o exército venezuelano sob as ordens de Maduro está bloqueando a ajuda com caminhões e tanques. A ditadura de Maduro DEVE PERMITIR QUE A AJUDA CHEGUE AO POVO NECESSITADO”.

Caminhões e contêineres foram colocados para bloquear as pistas da ponte de Las Tienditas, na fronteira noroeste da Venezuela com a Colômbia. Além disso, dois contêineres de carga e um caminhão-tanque foram usados para bloquear uma passagem de três pistas da cidade colombiana de Cúcuta. Os soldados venezuelanos estão montando guarda e prometeram rejeitar qualquer tipo de ajuda humanitária.

As políticas comunistas introduzidas por Maduro e seu antecessor, Hugo Chávez, paralisaram a outrora próspera economia da nação. Quase 90% da população da Venezuela vive abaixo do nível de pobreza e mais da metade das famílias não consegue suprir suas necessidades básicas de alimentos, segundo a organização humanitária Mercy Corps. A ONU estima que até o final de 2019 haverá 5,3 milhões de refugiados e migrantes venezuelanos.

Tensão crescente

Enquanto isso, um almirante norte-americano disse que as forças armadas dos Estados Unidos estão preparadas para proteger diplomatas na Venezuela, se necessário.

“Estamos preparados para proteger o pessoal norte-americano e as instalações diplomáticas, se necessário”, disse o almirante Craig Faller, chefe do Comando Sul dos Estados Unidos, durante uma audiência da Comissão de Serviços Armados do Senado em 7 de fevereiro.

Faller não deu detalhes adicionais sobre como os militares dos Estados Unidos reagiriam, mas disse que seus soldados estavam morrendo de fome “assim como a população venezuelana”. O almirante também apontou que a Venezuela tem cerca de 2.000 generais, a maioria dos quais são leais a Maduro por causa da riqueza que obtiveram em grande parte com o tráfico de drogas, as receitas do petróleo e os negócios.

Líder da oposição venezuelana e autoproclamado presidente em exercício, Juan Guaidó se dirige para uma sessão da Assembleia Nacional em Caracas em 5 de fevereiro de 2019 (Juan Barreto/AFP/Getty Images)
Líder da oposição venezuelana e autoproclamado presidente em exercício, Juan Guaidó se dirige para uma sessão da Assembleia Nacional em Caracas em 5 de fevereiro de 2019 (Juan Barreto/AFP/Getty Images)

“O governo legítimo do presidente Guaidó ofereceu anistia e um lugar para as forças militares, a maioria das quais acreditamos serem fiéis à Constituição, não a um ditador, a um lugar para ir”, disse Faller.

A administração Trump também disse que eles estavam contemplando a possibilidade de suspender as sanções contra os militares que ficarem do lado de Guaidó.

“Os Estados Unidos vão considerar a possibilidade de não sancionar qualquer militar venezuelano favorável à democracia e que reconheça o governo constitucional do presidente Juan Guaidó”, disse o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, John Bolton, no Twitter em 6 de fevereiro.

“Caso contrário, o círculo financeiro internacional será completamente fechado. Faça a escolha certa!

Ao mesmo tempo, aumenta a pressão internacional contra o regime ditatorial de Maduro. Nove das principais nações europeias, incluindo Grã-Bretanha, Alemanha, França e Espanha, estão entre os mais de 20 governos que reconheceram Guaidó como presidente interino. Mesmo assim Maduro continua desafiador, insinuando em um discurso para seus partidários em 5 de fevereiro que o jovem líder da oposição pode acabar na prisão em breve por desafiar a presidência.

 
Matérias Relacionadas