Sob grande risco, chineses saúdam fundador do Falun Gong

Pessoas que não praticam a disciplina espiritual sentem a necessidade de enviar mensagens de Ano Novo
Um cartão de moradores da cidade de Tai’an, na província de Shandong, diz, “Mestre Li Hongzhi ensina o Falun Dafa pela salvação dos seres, sua graça se estende por todo o universo” (Minghui.org)

Um número crescente de pessoas na China continental quer expressar sua gratidão ao fundador da prática espiritual do Falun Gong, mesmo correndo grande risco pessoal.

Todos os anos, desde 2001, durante o Ano Novo Chinês, os praticantes do Falun Gong dentro e fora da China enviam dezenas de milhares de cartões personalizados para o fundador da prática, o Sr. Li Hongzhi.

Apesar da perseguição à prática realizada pelo regime chinês, algumas dessas saudações são de indivíduos na China continental que não praticam o Falun Gong, mas que sentem a necessidade de agradecer ao Sr. Li. Um especialista em totalitarismo, diz que estes agradecimentos são “muito significativos”, pois dão simultaneamente um duro golpe no Partido Comunista Chinês (PCC) e incentivam o povo chinês a se expressar livremente.

O Sr. Li ensinou primeiramente o Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, em 1992 em Changchun, China. A prática envolve fazer exercícios de meditação e viver de acordo com os princípios da verdade, compaixão e tolerância. O Falun Dafa se espalhou rapidamente e, no início de 1999, o Comitê Nacional Desportes da China indicou que cerca de 100 milhões de pessoas praticavam a disciplina.

As saudações examinadas pelo Epoch Times de não-praticantes do Falun Gong agradeciam ao Sr. Li principalmente por sua “compaixão e bondade”. Elas foram enviadas para um website do Falun Dafa por e-mail ou correio por pessoas de todas as classes sociais e profissões, além de crianças, estudantes universitários e idosos.

Gratidão

Os cumprimentos vinham desde as grandes e longínquas montanhas do norte de Khingan na fronteira da China com a Rússia até o sul da distante cidade histórica de Shaoguan na província de Guangdong. Alguns dos cartões têm gráficos gerados por computador, enquanto outros incluem caligrafia original e desenhos ou apenas uma simples frase.

Uma mensagem de saudação, que foi postada no website do Falun Dafa, Minghui.org, por parentes de um praticante do Falun Dafa na província oriental chinesa de Shandong dizia, “Mestre Li, obrigado por todo seu árduo trabalho. Por mais de uma dúzia de anos, testemunhamos com nossos próprios olhos a beleza e a maravilha do Falun Dafa. Também testemunhamos ao mesmo tempo, a astúcia e as mentiras do Partido Comunista Chinês.”

“A compaixão e o altruísmo dos praticantes do Falun Dafa inspiram a todos ao seu redor. Eles permitem que mais e mais pessoas conheçam a verdade […] escolham o bem e a compaixão e enxerguem o futuro da China. Obrigado, grande e compassivo Mestre Li.”

Em Jamusi, na província de Heilongjiang, no extremo Nordeste da China, os filhos de uma mãe idosa que pratica o Falun Dafa mandaram saudações ao Sr. Li, agradecendo-lhe pelos ensinamentos da benéfica prática.

“Nesta época festiva, queremos desejar ao professor Li, um feliz Ano Novo. Minha mãe tem estado muito saudável por mais de 10 anos, tudo graças ao Falun Dafa.”

Levi Browde, praticante do Falun Dafa desde 1999, diretor-executivo do Centro de Informações do Falun Dafa e residente em Nova York, disse numa entrevista por telefone que a maioria das pessoas que enviaram saudações testemunhou que seus amigos, familiares ou colegas de trabalho se tornaram mais saudáveis e dignos após praticarem o Falun Dafa.

“Penso que quando as pessoas percebem os benefícios e a transformação dos praticantes através da prática, elas reconhecem seu valor”, disse Browde.

O cartão de funcionários de um escritório de advocacia na província de Shandong dizia, “A gloriosa propagação do Falun Dafa é a bênção de todos os seres.” (Minghui.org)

Valores tradicionais chineses

Browde disse que há outra categoria de pessoas que escreveram para o Sr. Li porque enxergaram um “panorama mais amplo, como a corrupção da sociedade chinesa.

Browde disse que este grupo de pessoas admira o Falun Gong e respeita o Sr. Li por sua representação da cultura e dos valores tradicionais chineses.

Um cartão em nome de todos os funcionários de um escritório de advocacia na província de Shandong dizia, “Obrigado grande Mestre Li, por sua graça compassiva. É uma honra para todos os seres poderem viver num período em que você ensina o Falun Dafa.”

Esta saudação usa o termo chinês “li dashi”, que é traduzido como “grande mestre” e é tradicionalmente usado geralmente para um mestre budista ou taoísta. Um praticante do Falun Gong usaria o termo “shifu”. Este termo tradicional significa “professor” ou “mestre” indicando que existe uma relação pessoal.

Embora os funcionários deste escritório de advocacia não sejam praticantes, eles se identificam com e apoiam os ensinamentos espirituais do Falun Gong; o cartão do escritório de advocacia dizia:

“Que grande bênção é encontrar nesta fase da história o Dafa baseado nos princípios da verdade, compaixão e tolerância. Seres humanos, não percam esta oportunidade de um milênio, a escolha do Dafa com seus valores de verdade, compaixão e tolerância pode trazer um futuro brilhante. Companheiros seres humanos, devemos apenas agradecer ao grande Mestre Li, por sua graça salvadora, em vez de escutarmos as mentiras do Partido Comunista Chinês. Nesse período especial da história, abram os olhos para melhor distinguir o certo e o errado.”

O Sr. Zhong Weiguang, um especialista em totalitarismo que vive na Alemanha, comentou numa entrevista por telefone sobre a gratidão dos não-praticantes do Falun Gong por seus ensinamentos espirituais. “Muitos testemunharam que o Falun Gong trouxe para a sociedade chinesa e para os chineses dentro e fora da China um conjunto mais universal de valores e estilo de vida, que inclui valores chineses profundamente enraizados, tais como a verdade, compaixão e beleza, e a busca da lealdade e devoção filial”, disse ele.

Residentes da cidade de Chenzhou da província de Hunan enviam suas saudações a Li Hongzhi. O cartão dizia, “Nós desejamos ao Mestre Li um feliz Ano Novo! Obrigado pelos sacrifícios que fez pela salvação dos seres.” (Minghui.org)

Transmitindo uma mensagem

Browde, disse que as saudações enviam uma mensagem tanto para o PCC como para o povo chinês.

“Acho que isso diz algo muito positivo, que mais e mais pessoas estão reconhecendo o Falun Gong e não o que lhes diz o PCC”, disse Browde. “Acho que também mostra a enorme diferença entre o que fazem os praticantes do Falun Gong e a maneira como conduzem suas vidas e como o Partido Comunista governa o povo.”

De acordo com Zhong Weiguang, os chineses também reconhecem que “em sua determinação de continuar sua prática, os praticantes do Falun Gong trouxeram certo ativismo para a sociedade chinesa”.

Um grupo da província de Hebei disse em sua saudação que sabem a verdadeira história do Falun Dafa e o “enorme” esforço que o Sr. Li tem feito para ajudar os outros. Eles declararam sua intenção de ajudar o Falun Gong.

“Falun Dafa é bom”, “Verdade, Compaixão e Tolerância são as palavras mais poderosas neste universo”, disseram eles. “Transmitirmos a benevolência do Falun Dafa junto com seus praticantes para mais pessoas ao nosso redor”, disse a saudação do grupo.

Correndo riscos

Em julho de 1999, o ex-líder chinês Jiang Zemin lançou uma campanha para “erradicar” o Falun Gong. Jiang Zemin temia que a popularidade e a independência de seus princípios pudessem escapar do controle do PCC.

Desde então, aqueles que praticavam o Falun Gong foram sujeitos a detenções arbitrárias e todo tipo de torturas. De acordo com o Centro de Informação do Falun Dafa, acredita-se que dezenas de milhares morreram de tortura e outros abusos.

Zhong Weiguang disse que alguns que enviam saudações, especialmente os que vivem em grandes cidades chinesas, correm grande risco. “O risco não se encontra somente no autoritarismo do PCC, mas também nas pessoas ao seu redor que têm suas mentes distorcidas pela propaganda do PCC e que monitoram e delatam os praticantes às autoridades”, disse ele.

No entanto, os chineses comuns decidiram assumir esses riscos.

As saudações disse Zhong Weiguang mostram que as “garras do PCC” já não podem alcançar mais todos os cantos do país. O aumento no número de cartões de agradecimento aumenta o nível de segurança de todos que residem na China, tornando mais segura a vida daqueles que são alvos do PCC.

“Admiro muito aqueles que têm coragem e estão dispostos a fazer tal coisa por seu espírito. Essas vozes também têm um efeito substancial sobre o PCC”, disse Zhong Weiguang.

“Quando mais e mais pessoas estiverem dispostas a se manifestarem dessa maneira, então, o regime autoritário cairá em muito pouco tempo.”

Epoch Times publica em 35 países em 20 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas