SIP condena repressão a jornalistas em Cuba para impedir protestos

Por Agência EFE

A Associação Interamericana de Imprensa (SIP) condenou na terça-feira a prisão e o assédio de jornalistas e ativistas em Cuba como parte de uma “operação” para impedir protestos pacíficos contra a violência policial e o racismo.

A organização sediada em Miami denunciou o envio de tropas do regime e a restrição de acesso à Internet para “impedir” os protestos pela morte do negro Hansel Ernesto Hernández, 27 anos, nas mãos da polícia.

Grupos de oposição pediram uma manifestação em Havana, bem como manifestações em frente a delegacias de outras regiões do país, para protestar contra a morte de Hernández, morto por um tiro da polícia na quarta-feira passada.

A SIP denunciou que “a Segurança do Estado interrompeu, ameaçou e bloqueou o serviço de jornalistas, artistas e ativistas de direitos humanos na Internet para impedir sua participação na manifestação pacífica”.

O Presidente da SIP, Christopher Barnes, expressou sua “profunda condenação à repressão contra jornalistas que tentam relatar um tópico de interesse nacional e global em condições de extrema insegurança e contra membros da sociedade civil que buscam exercer seu direito fundamental a protesto e liberdade de expressão”.

A SIP enfatizou que a morte de Hernández provocou protestos e controvérsias sobre o racismo em Cuba, onde desde o final de maio há informações extensivas sobre protestos nos Estados Unidos pela morte do afro-americano George Floyd pela polícia.

Segundo os parentes de Hernández, um policial atirou nele duas vezes nas costas em circunstâncias que ainda não foram esclarecidas, informou a SIP.

Roberto Rock, presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação da SIP, enfatizou que “os duplos padrões morais do Estado cubano, que buscam silenciar situações semelhantes em seu solo mas que os condenam veementemente quando ocorrem em outros países, são surpreendentes”.

A SIP ecoou as queixas on-line de vários jornalistas e ativistas cubanos que foram colocados em “prisão domiciliar” por oito horas e sem maiores explicações dos motivos.

Entre eles, Abraham Jiménez Enoa, diretor da revista El Estornudo, ativista e fotógrafo Ariel Maceo Téllez, e a jornalista María Matienzo, colaboradora da CubaNet.

Ele acrescentou que a artista Tania Bruguera foi presa hoje quando estava saindo de casa e que Juan Antonio Madrazo Luna, coordenador nacional do Comitê de Cidadãos para a Integração Racial (CIR), foi preso na noite de segunda-feira e libertado nesta manhã.

Enquanto isso, a repórter do El Estornudo, Mónica Baró, e o youtuber Ruhama Fernández denunciaram a presença da polícia em suas casas.

Barnes e Rock reiteraram sua solidariedade com jornalistas independentes, condenaram restrições ao exercício da liberdade de imprensa e de expressão em Cuba e instaram o regime a mostrar maturidade política e a interromper as práticas de perseguição e assédio.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas