Shen Yun: um espetáculo de música e dança que extasia a alma

Shen Yun: um espetáculo de música e dança que extasia a alma

Shen Yun Performing Arts – 2014 (Reprodução)

2014/04/14

De 6 a 10 de maio, Buenos Aires recebe no Teatro Ópera Citi uma das maiores e mais extraordinárias apresentações artísticas da atualidade.

Imagine-se dentro de um cenário majestoso, com uma música poderosa e celestial, revivendo o complexo drama da história humana através da milenar cultura chinesa: isso é  Shen Yun.

Com figurinos extraordinários, danças encantadoras, performances impecáveis e uma orquestra própria que combina música e instrumentos ocidentais e chineses, o Shen Yun Perfomring Arts vem impressionando o público em suas turnês mundiais.

Grandes nomes da dança clássica, compositores famosos, diretores e críticos de arte e grandes estrelas da música e do palco têm se deslumbrado com as apresentações do Shen Yun. É o caso de Robert Stromberg, designer de produção dos filmes Avatar e Alice no País das Maravilhas, que após ter visto o espetáculo em Los Angeles, EUA, disse: “O espetáculo foi absolutamente lindo. Foi tão inspirador, que acho que encontrei algumas novas ideias para o próximo Avatar… Os artistas foram fantásticos. Achei que foi maravilhoso.” Igualmente encantada esteve a atriz Cate Blanchett, duas vezes vencedora do Oscar, e que atuou em filmes como O Senhor dos Anéis e o Aviador: “Foi uma experiência extraordinária… não só pelo seu nivel técnico, senão porque o poder dos arquétipos e a narrativa surpreendem. E, claro, foi uma rara beleza.”

Com mais de 100 artistas, entre bailarinas, cantores e músicos, o Shen Yun enche os palcos com coreografias, danças e representações intensas, inteligentes e raras. As performances dos bailarinos, que combinam dança e saltos notáveis, próprias do teatro e da ópera chinesa, são de uma sincronia, técnica e beleza incomuns.

O Shen Yun foi criado em 2006 por um grupo de artistas que desejavam recuperar as formas artísticas tradicionais milenares da cultura chinesa, que foram sendo perdidas com a entrada do comunismo na China. De fato, durante o governo maoísta, foi instituída a Revolução Cultural do Proletariado, que tinha como objetivo central a destruição de todas as formas culturais e artísticas da cultura chinesa tradicional, já que, de acordo com o regime comunista, elas nada mais representavam do que formas de expressão e dominação burguesas sobre a população chinesa.

Sendo assim, o Shen Yun procura mostrar, de uma forma dialética, a aridez e a massificação da cultura chinesa atual, e até mesmo o quão faltantes e desvirtuados encontram-se os valores humanos e princípios morais num país que vive uma das mais duradouras ditaduras dos séculos XX e XXI, a qual eliminou boa parte da rica cultura milenar chinesa e que persegue ainda hoje, com violência brutal, etnias minoritárias, como os uigures, os muçulmanos e os tibetanos e grupos espiritualistas, como os praticantes de Falun Gong, os cristãos e os budistas tibetanos.

Mas, sem focalizar-se nas questões políticas, o Shen Yun procura recuperar e evidenciar as características mais nobres da cultura chinesa, através da representação e da expressão de princípios e valores morais que orientaram reinos e dinastias durante os cinco mil anos da história chinesa. Em tais períodos, o homem e o divino estavam em união, os princípios celestes dirigiam e organizavam a sociedade humana e a ética era ensinada pelos grandes sábios, como Confúcio, cujos ensinamentos tornaram-se os parâmetros fundamentais para a organização social e política da China por cerca de 2.500 anos.

Assim, de forma inspiradora, certos apectos do confucionismo, do taoismo e do budismo, e até mesmo lendárias histórias como a famosa Jornada Para o Oeste, são representados com refinamento e beleza, revelando a construção do imaginário coletivo do povo chinês. Ao mesmo tempo, a singularidade das diferentes etnias que compoem a China é expressa com graciosidade através de costumes e danças folclóricas durante o espetáculo: diferentes danças e canções, assim como figurinos belíssimos, constroem cenários e coreografias encantadoras, que enchem de beleza e alegria os espectadores.

Da mesma forma, as dinastias e as grandes épocas que construiram a história da China são representadas vívida e fielmente em diversos momentos do espetáculo, resultando num entrelaçamento harmonioso de elementos clássicos e folclóricos da cultura chinesa, que dão forma a um colorido quadro em movimento, expressando uma rica parte da cultura chinesa e da humanidade.

No fim do espetáculo há uma sensação praticamente unânime dos espectadores de terem vivido uma experiência celestial, quase divina: “Eu estava no paraíso vendo isso”, Andrea Huber, crítica de dança; “É a coisa mais fantástica que eu vi em anos. É quase como uma meditação” – Steven Barag, médico; “A alma não pode estar vazia depois de semelhante espetáculo.” – Daniel Quinteros, locutor; “Eu penso que você deve vir preparado, porque será uma poderosa experiência espiritual.” – Preity Uupala – atriz e modelo. Talvez venha daí o nome “Shen Yun”, que significa “Performance Divina”.

Shen Yun em Buenos Aires

O Shen Yun vem se apresentando em grandes teatros e famosas casas de espetáculo:  Kennedy Center Opera House, Lincoln Center, San Francisco Opera House, Kodak Theatre, War Memorial Opera House, London Royal Festival Hall y el Palais Des Congres De Paris.

Sua performance é considerada impecável, devido  ao alto nível técnico e artístico dos atores, cantores e bailarinas, e seu conteúdo artístico-cultural é tão rico e refinado que é tido como úncio no mundo. Por isso, já foi visto por mais de 3 milhões de pessoas, na América do Norte, na Europa, na América do Sul, na Ásia, na Oceania, em centenas de cidades e dezenas de países, alcançando um altíssimo nível de satisfação entre os espectadores e a crítica mundial.

Foi convidado pela terceira vez a apresentar-se em Buenos Aires, e estará em cena a partir do dia 6 até o dia 10 de maio, no Teatro Ópera Citi.

O Teatro Ópera Citi fica na Avenida Corrientes, um importante centro comercial e, especialmente, cultural, devido aos teatros, casas de espetáculos, restaurantes, bares, lojas, livrarias, sebos e praças locais.

Aproveitando a 40a Feira do Livro de Buenos Aires, que ocorrerá entre os dias 24 de abril e 12 de maio, vale a pena reservar uma noite para assistir ao Shen Yun: é uma oportunidade rara de assistir a um espetáculo internacional de tamanha magnitude e beleza.

Os ingressos já estão à venda.

Serviço
Shen Yun Perfoming Arts
Datas do espetáculo
: 6 a 10 de maio de 2014
Local: Teatro Ópera Citi. Av. Corrientes, 860, San Nicolás, Buenos Aires – Argentina
Ingressos: https://www.shenyunperformingarts.org/buenos-aires