Sexto soldado do regime cubano morre em dez dias sem causa aparente

Morte de Cardero Sánchez ocorre após a morte de cinco altos escalões militares nos últimos dez dias, o que tem levantado questionamentos na mídia independente e também por vários cubanos no exterior através das redes sociais

Por Alicia Marquez

Um canal de televisão estatal cubano anunciou a morte de Gilberto Antonio Cardero Sánchez, o sexto soldado do regime comunista cubano em dez dias, sem que tenha sido revelada as causas de sua morte, assim como os outros cinco soldados falecidos.

O Canal Caribe, a televisão estatal do regime, noticiou a morte do sexto oficial militar de alta patente na noite de quarta-feira sem revelar as causas de sua morte, bem como as cinco mortes anteriores do regime. A mídia estatal também não divulgou a patente de Cardero Sánchez e informou que a nota sobre a morte foi assinada pelo Ministério das Forças Armadas de Cuba (MINFAR).

A televisão estatal do regime informou que o corpo foi cremado e suas cinzas depositadas no panteão dos veteranos da necrópole de Colón, que posteriormente será transferido para o mausoléu da segunda frente oriental “Fran País” em Santiago de Cuba.

A mídia indicou que Cardero Sánchez era “um lutador do exército rebelde” que ingressou na coluna um do exército rebelde do regime em maio de 1957, sob as ordens do líder comunista Fidel Castro e foi escolhido para fundar a segunda frente oriental “Fran Country” sob o comando do líder comunista Raúl Castro, durante a revolução cubana.

A morte de Cardero Sánchez ocorre após a morte de cinco altos escalões militares nos últimos dez dias, o que tem levantado questionamentos na mídia independente e também por vários cubanos no exterior através das redes sociais.

A primeira morte de alto escalão relatada pelo regime foi Agustín Peña Torres, chefe do Exército Oriental do regime, que morreu em 17 de julho, segundo a mídia estatal. O líder comunista cubano Miguel Díaz-Canel confirmou a notícia enviando condolências a seus parentes por meio do Twitter. A imprensa estatal não divulgou as causas de sua morte.

A morte dos seis soldados denunciados pelo regime comunista de Cuba, ocorre durante as repressões cometidas pelo regime cubano liderado por Díaz-Canel contra os protestos pacíficos que começaram na ilha em 11 de julho, onde milhares de cubanos saíram nas ruas de diferentes províncias, para exigir o fim do comunismo e a liberdade em Cuba.

O cientista político cubano Julio M. Shiling anteriormente em uma entrevista para o Epoch Times sobre as mortes dos primeiros quatro casos militares relatados, havia dito: “Esta é a evidência do pior pesadelo de um regime totalitário e que é uma revolução palaciana”.

Em outras palavras, “que dentro da estrutura de poder há facções que mostram fissuras no poder, é muito difícil para [qualquer] regime permanecer totalmente unido quando vê os crimes em massa contra a humanidade que estão sendo cometidos em Cuba. E a reivindicação legítima e popular das últimas semanas, com a população desarmada, [que sofre] graves consequências ”do regime comunista cubano, acrescentou o cientista político, referindo-se às centenas de detenções ou desaparecimentos forçados,  prisões domiciliares e  resumos de julgamentos contra manifestantes”.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 
Matérias Relacionadas