Seu “terceiro olho” está oculto no seu cérebro. Veja o que os cientistas descobriram sobre isso

Estudos diferentes ao longo do último século indicam que essa pequena glândula é potencialmente muito mais do que parece ser

Por Li Yen, Epoch Times

Você sabia que existe um “terceiro olho” enterrado no fundo do cérebro? A ciência médica moderna provou que existe uma estrutura completa de um olho humano não funcional na seção frontal de nossa glândula pineal. Mas ele é realmente um “olho vestigial”, como afirmam os cientistas? Ou é de fato o “terceiro olho” ou “sede da alma”, como acreditam o espiritualismo oriental e a filosofia ocidental?

Assemelhando-se a uma pinha, a glândula pineal é um órgão de um centímetro de comprimento que se encarrega da produção de melatonina, um hormônio que regula os hormônios reprodutivos e controla os padrões de sono e vigília. Mas estudos diferentes ao longo do último século indicam que essa pequena glândula é potencialmente muito mais do que parece ser.

Shutterstock | Alila Medical Media

Por milhares de anos, tanto no espiritualismo oriental quanto na filosofia ocidental, a glândula pineal foi considerada como o “terceiro olho” ou “porta de entrada para uma consciência mais elevada” que poderia ver além do nosso mundo físico. Um renomado filósofo francês do século XVII, René Descartes, considerou-o como a “sede principal da alma e o lugar em que todos os nossos pensamentos são formados”.

Por mais inacreditável que possa parecer, estudos modernos baseados em pesquisa descobriram de fato algumas evidências que poderiam provar as afirmações dos antigos. Abaixo estão alguns dos estudos científicos instigantes que podem fazer você mudar sua perspectiva.

Shutterstock | agsandrew

Os cientistas descobriram um olho “não funcional” com uma estrutura semelhante aos olhos externos – equipados com tecidos e células da retina que atuam como receptores de luz – em nossa glândula pineal. Em 1919, Frederick Tilney e Luther Fiske Warren escreveram que as semelhanças da estrutura da glândula pineal com o olho humano sugeriam que o órgão era formado para ser sensível à luz e provavelmente possuía outras capacidades visuais.

Em 1995, a Dra. Cheryl Craft, chefe do departamento de células e neurobiologia da University of Southern California, postulou que a glândula pineal é o “olho da mente”.

“Usando técnicas de biologia molecular, Craft demonstrou que a pineal e a retina expressam vários genes em comum”, relata um artigo baseado nas descobertas do Dr. Craft publicado na USC Health & Medicine. “Quem sabe? Talvez seremos nós que iremos resolver as grandes questões sobre a mente, a matéria e um universo mecânico. Só o tempo dirá”,  cita o Dr. Craft no artigo.

Se examinarmos mais as pesquisas anteriores, descobriremos que o trabalho do Dr. Craft está de acordo com o que os cientistas descobriram na década de 1950 – a capacidade do corpo pineal de detectar luz e produzir melatonina.

Em um estudo de 2013, que apoia pesquisas científicas sobre a natureza da consciência, uma molécula conhecida como DMT (N, N-Dimethyltryptamine) foi encontrada em corpos pineais de ratos. A pesquisa foi parcialmente financiada pela Cottonwood Research Foundation e foi dirigida pelo Dr. Rick Strassman. O DMT é uma droga psicodélica, e o Dr. Strassman chama isso de “molécula do espírito”.

O Dr. Strassman, pesquisador da Universidade do Novo México, que injetou DMT em voluntários em uma pesquisa clínica aprovada pelo governo dos Estados Unidos, disse que “os resultados mais interessantes foram que altas doses de DMT pareciam permitir que a consciência de nossos voluntários entrasse num reino da existência fora do corpo, autônomo e independente …”

Meditação e exercícios do Falun Dafa no Wynyard Park em Sydney, Austrália (© Evensi)

De acordo com outra teoria publicada no Journal of Biological Rhythms, a glândula pineal “parece ter evoluído como uma forma indireta de melhorar a visão”. A teoria estuda a melatonina, o hormônio pineal que regula os ciclos de sono e vigília e representa o trabalho do Dr. David Klein, chefe de neuroendocrinologia do Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano (NICHD).

Isto é o quanto a ciência pesquisou sobre a glândula pineal, e mais estudos devem estar em andamento com certeza. A propósito, quais são seus pensamentos depois de ler esses trechos científicos?

A glândula pineal é muito mais do que apenas um olho vestigial produzindo hormônios? Ou é de fato o “terceiro olho” ou “assento da alma” que tem o potencial de perscrutar coisas além de nossas dimensões?

 
Matérias Relacionadas