Seria coincidência receber mensagens do além após a morte de um ente querido?

As coincidências exploradas com mais profundidade tinham relações com pássaros

Por Tara MacIsaac, Epoch Times

Em novembro de 1994, Jennifer Hill fazia companhia à sua avó na casa dela depois do funeral de seu avô. Na entrada da casa, ela avistou uma única flor de gardênia. Era novembro, não era época das gardênias florescerem.

As gardênias eram a flor favorita de sua avó. Quando ela as viu, as lágrimas que ela ainda não havia se permitido derramar escorreram de seus olhos. Era como uma mensagem do marido para ela.


Teria sido “apenas uma coincidência” que essa flor tenha desabrochado fora da estação naquele exato momento? Para sua avó, foi uma coincidência significativa. A gardênia era um sinal, um símbolo de seus 40 anos de casamento.

Em janeiro de 2005, Jennifer Hill experimentou novamente  uma coincidência que lhe proporcionou um pouco de conforto durante o luto. Era o sétimo aniversário da morte de sua filha. Como todos os anos, foi um dia de luto por ela. Antes que pudesse sair da cama para enfrentar o dia, seu telefone tocou. Sua irmã estava em trabalho de parto. Depois de um longo dia ao lado de sua irmã, ela segurou um bebê saudável em seus braços.

“Nascimento e morte são similares. Sinto-me eternamente confortada”, escreveu Hill em sua tese de doutorado, intitulada “Sincronicidade e pesar: a fenomenologia da coincidência significativa que surge durante o luto”.

Essas coincidências pessoais encorajaram Hill, que estudou psicologia, a investigar esse fenômeno mais de perto.

Jennifer Hill escreveu sua tese de Ph.D.  sobre coincidências significativas durante o luto, acreditando que muitas vezes elas ajudam aqueles que ficaram a se confortarem.

Ela revisou a literatura científica disponível sobre coincidências relacionadas ao luto. Além disso, ela também conduziu sua própria pesquisa, questionando pessoas que recentemente haviam perdido seus entes queridos sobre as coincidências que elas experimentaram.

Hill descobriu que experimentar coincidências geralmente ajuda as pessoas que estão sofrendo. Isso pode ajudá-los a se sentir conectados com a pessoa que morreu. Pode fornecer uma aproximação. Pode reforçar ou transformar suas crenças espirituais.

As pessoas frequentemente atribuem a causa da coincidência a Deus, ao universo, ao espírito do falecido ou a suas próprias mentes. Hill escreveu: “Eles se preocupavam com o fato de que a experiência deles pudesse ser vista pelos outros como apenas uma coincidência, cada entrevistado transmitiu a firme convicção de que era mais do que uma simples coincidência. Foi algo significativo que ocorreu enquanto eles estavam emocionalmente frágeis, e proporcionou-lhes sentimentos de paz, conforto e bem-estar.”

Em sua tese, Hill não se concentrou em provar que as coincidências são mensagens da vida após a morte ou algo mais do que o acaso no trabalho. Em vez disso, ela se concentrou no significado dessas coincidências para os que passaram por ela.

Não obstante, as coincidências suscitam a pergunta: os mortos enviam mensagens àqueles que choram?

Durante uma vigília pelas 49 vítimas do tiroteio da boate Pulse em Orlando, na Flórida, no ano passado, uma coincidência surgiu de cima. Uma fotógrafa que estava na vigília viu um bando de pássaros sobrevoando enquanto os nomes das vítimas estavam sendo lidos.

Ela contou exatamente 49 aves.

“Eu mostrei a todos ao meu redor e contei para eles”, disse ela à CNN. “Ficamos todos atordoados.”

“Ver os pássaros me proporcionou uma sensação de paz apesar da tragédia”, disse ela.

As coincidências costumam incluir pássaros

O Dr. Bernard Beitman, psiquiatra formado em Yale que estuda o fenômeno das coincidências, compartilhou com o Epoch Times uma lista de “coincidências de condolências” que ele colecionou. Muitas delas incluíam pássaros. Da mesma forma, as coincidências exploradas com mais profundidade por Hill também têm a ver com pássaros.

Por exemplo, um caso de coincidência citado por Beitman envolvia um homem que habitualmente alimentava patos em um lago perto de sua casa já a cerca de 30 anos. Mesmo quando esteve doente, ele nunca os esqueceu, lembrou sua esposa no livro  “Small Miracles for the Jewish Heart: Extraordinary Coincidences from Yesterday and Today” (Pequenos Milagres para o Coração Judaico: Coincidências Extraordinárias de Ontem e Hoje).

Enquanto seu cortejo fúnebre passava pelo lago, ele parou: “Lá, alinhados ao longo da estrada, em uma procissão que se estendia do lago até minha casa do outro lado da rua, havia uma longa coluna de patos que havia formado filas, permanecendo em solenidade e silêncio.”

“Como eles atravessaram a barricada que os cercou por todos esses anos? A cerca usada pelo condado para proteger a propriedade parecia perfeita e intacta; durante todas essas décadas, os patos nunca haviam tentado violá-la.”

Foi apenas uma coincidência que os patos tenham aparecido na estrada naquele exato momento?

Para a esposa, era um sinal: “Por mais improvável que parecesse ser um quebra-cabeça cósmico misterioso e inexplicável, eu sabia em meu coração que havia apenas uma explicação concebível para a presença sem precedentes dos patos na estrada daquele fatídico dia. Como seus colegas humanos, eles estavam lá presentes no funeral para velar o falecido.”

Uma das participantes do estudo de Hill, uma mulher de 61 anos que ela chamou de Patrícia (um pseudônimo), estava arrumando sua casa porque ia se mudar. Ela dividira a casa com o marido, Jim, que morrera seis meses antes; foi onde eles criaram seu filho, Jacob.

Quando ela saiu de casa pela última vez, um pássaro voou e subiu as escadas diretamente para o antigo quarto de Jacob. Patricia disse a Hill: “Soluçando e perplexa, eu soube naquele instante que era Jim.”

“[O pássaro] parecia amar o quarto — como se fosse o lugar mais natural do mundo para ele. E com certeza, foi. Era o quarto de Jacob onde ele [Jim] passara muitas noites lendo uma história para o filho, muitas vezes no sábado onde os dois brincavam de guerra no chão, e Jim naquele momento sentia que era um pai realizado.”

Hill explicou que “Patricia acreditava que sua experiência era um sinal de seu marido morto, e que ele queria que ela continuasse com sua vida e encontrasse uma maneira de ser feliz novamente.”

O simbolismo do pássaro ajudou Patricia a se sentir mais próxima do marido durante anos. Ela continuou a ver pássaros em momentos significativos de sua vida e a honrar o símbolo com decoração de pássaros em sua casa. Hill observou que a pesquisa do luto indica que pode ser benéfico continuar tendo um vínculo com o falecido, em vez de interromper o relacionamento.

Coincidências podem ser usadas por psiquiatras para ajudar seus pacientes

Beitman e Hill, assim como outros cientistas que estudaram esse fenômeno, dizem que coincidências em condolências podem ajudar no aconselhamento.

Num artigo sobre os efeitos curativos das coincidências, Beitman escreveu: “os paradigmas da psicoterapia, embora bastante úteis, são modelos de causa e efeito geralmente limitados da psicanálise freudiana e da terapia cognitivo-comportamental, e poderiam se beneficiar de uma expansão dos atuais limites paradigmáticos.

Ele continuou: “A medicina integrativa muitas vezes incorpora princípios, conceitos e filosofias dos tempos antigos e abordagens curativas de povos não-ocidentais, muitas das quais abraçam a ideia de que uma única mente humana não está distintamente separada de outras mentes ou de seus arredores. Além disso, a medicina integrativa reconhece a importância da espiritualidade como componente de saúde e bem-estar.

“Consideramos a possibilidade de que a ocorrência cotidiana de coincidências significativas forneça um meio útil de nos ajudar a navegar nas águas muitas vezes problemáticas da vida cotidiana, e possa adicionar uma dimensão transpessoal vital à prática da psicoterapia.”

Da mesma forma, a Dra. Vidette Todaro-Franceschi, da City University of New York, conduziu sessões em grupo com pessoas que estavam em luto e que haviam experimentado coincidências. Ela relatou, após seu estudo de 2006, que isso “ajudou-os a lidar com sentimentos paradoxais sobre a vida, sobre viver, sobre a morte e sobre morrer”.

Depois que um repórter de um jornal local cobriu uma das sessões, interessado nessa abordagem esotérica do conforto do luto, Todaro-Franceschi disse: “Recebi um número impressionante de ligações de pessoas em luto que queriam participar de reuniões de grupo nas semanas seguintes.”

 
Matérias Relacionadas