Senador Ted Cruz critica relatório da ONU sobre Gaza como “absurdo e desonesto” (Vídeo)

"É uma estratégia repetida e deliberada do Hamas usar escudos humanos"

Por Anastasia Gubin, Epoch Times

O senador norte-americano Ted Cruz, membro do Comitê de Relações Exteriores do Senado, criticou o relatório independente publicado pelas Nações Unidas em 18 de março.

Segundo Cruz, um grupo de “idiotas úteis” da ONU, em vez de responsabilizar grupos terroristas pelo uso de escudos humanos em protestos na fronteira de Gaza, acusa Israel de cometer crimes de guerra.

“Este relatório da ONU é absurdo e desonesto e sabemos disso porque eles o estão preparando há muito tempo”, disse Cruz em uma ligação telefônica com o Instituto Judaico de Segurança Nacional dos Estados Unidos, segundo o Washington Examiner.

“O Hamas e o Hezbollah usam escudos humanos como uma tática deliberada. Eles usam civis palestinos inocentes, colocando-os em perigo, porque eles pretendem explorar esses escudos humanos quando são feridos ou mortos enquanto Israel se defende”, disse Cruz.

As Forças Armadas de Israel, em resposta ao relatório, publicaram as seguintes imagens em vídeo da realidade que enfrentam na fronteira. “Esta não é uma leitura poética. Isso é o que é”, disse ele.

A Comissão Independente de Inquérito das Nações Unidas deixou a base que “investigou sobre os assassinados e os feridos na cerca de separação entre Israel e Gaza durante as manifestações do ano passado”.

O presidente da Comissão, Santiago Cantón, da Argentina, informou que “ao examinar o uso de fogo vivo pelas Forças de Defesa de Israel contra os manifestantes palestinos, a Comissão concluiu que, na maioria dos casos, a aplicação de força letal foi ilegalmente autorizada. Isso inevitavelmente levou à privação arbitrária da vida”.

No entanto, em outra parte do documento, se reconhece que “as manifestações algumas vezes foram violentas, com muitos manifestantes jogando pedras, cortando a cerca de separação em alguns pontos e jogando bolas de fogo”.

No vídeo a seguir, pode-se ler: “Os Filhos de Zouari, a leste de Khan Yunis, lançaram mais balões incendiários e explosivos nos Territórios Ocupados”, apontando Israel como ocupante ilegal de territórios do grupo acima mencionado.

O relatório também destacou o direito de Israel de revidar “em 14 de maio de 2018, quando pelo menos um atirador de Gaza disparou uma arma contra as forças israelenses a partir de dentro ou próximo das manifestações”.

Ele também descobriu que em 12 de outubro, “na linha de separação de Gaza central, outro incidente constituiu-se em uma ameaça à vida ou um sério ferimento às forças de segurança israelenses”.

Grande parte do relatório descreve os manifestantes como civis, mas também mencionou atos terroristas.

“Alguns membros do Comitê Nacional Superior que organizavam os protestos, incluindo representantes do Hamas, encorajaram ou defenderam o uso indiscriminado de bombas e balões incendiários por manifestantes, causando medo entre a população civil e danos materiais significativos à cidade ao sul de Israel”.

Finalmente, ele fez “um apelo aos administradores de Gaza, e a todos os manifestantes, para que realizem manifestações completamente pacíficas e não violentas”.

Na imagem a seguir, as Forças Armadas de Israel denunciam a presença de um terrorista escondido aos pés da mulher que cruza ilegalmente a fronteira de Gaza. “Olhe atentamente para esta imagem”, diz o FDI. “Consegue ver a mulher subindo a cerca da fronteira de Israel durante um motim em Gaza? Agora olhe e veja o que está escondido no chão atrás dela. O Hamas usa suas mulheres e crianças como escudos humanos e isso precisa parar”.

Segundo a Comissão, as forças de segurança israelenses dispararam e feriram 6.016 manifestantes com munição real no período sob investigação. 189 morreram nos locais de protesto, 183 deles por fogo vivo. 4.903 pessoas levaram tiros nas extremidades inferiores.

O Centro de Informação de Inteligência e Terrorismo Meir Amit, com sede em Israel, de acordo com o Washington Free Beacon, descobriu que cerca de 80% dos mortos nos tumultos eram afiliados ao Hamas, grupo terrorista que controla Gaza, e a outras organizações semelhantes.

De acordo com Israel, o Hamas usa as manifestações para lançar operações a fim de romper a cerca da fronteira com Israel e atacar os israelenses.

Cruz concordou e acrescentou que “é uma estratégia repetida e deliberada do Hamas usar escudos humanos”, disse ele.

“O relatório da ONU ignora essa realidade”, segundo o senador.

Violência em Gaza (Forças Armadas de Israel, Governo de Israel)
Violência em Gaza (Forças Armadas de Israel, Governo de Israel)

Geoffrey Corn, professor da South Texas Law School em Houston e co-autor de um novo relatório do Instituto Judaico para a Segurança Nacional nos Estados Unidos, intitulado “Desafios legais e operacionais nos confrontos entre o Hamas e Israel”, também manifestou a mesma opinião.

Corn criticou o relatório por enquadrar as manifestações como protestos puramente civis quando o Hamas as utilizou para tentar atacar Israel, não apenas jogando bombas incendiárias, mas também pelos palestinos que tentaram romper a cerca de segurança entre Israel e Gaza e atacaram soldados israelenses com coquetéis Molotov e outras armas.

“Encarar o confronto como apenas mais um protesto civil não se justifica”, disse Corn, acrescentando que o relatório da ONU não leva em conta as inúmeras ameaças que Israel enfrenta no Oriente Médio todos os dias.

No vídeo a seguir, compartilhado pelas Forças Armadas de Israel, a IDF critica o fato de que em seus documentos “A ONU diz que essas” manifestações” têm como objetivo marcar pontos políticos. Quantas vezes o interesse político utiliza a derrubada de barreiras por meio de facas enquanto se grita ameaças de morte?”

 
Matérias Relacionadas