Senador dos EUA levanta preocupações depois do pronunciamento da líder de Hong Kong sobre lei de extradição

Por Frank Fang, Epoch Times

Um senador dos Estados Unidos expressou preocupação sobre a intenção da líder de Hong Kong, Carrie Lam, ao dizer que a polêmica lei de extradição estava “morta”, mas se recusar a retirá-la.

O projeto, que atraiu alguns dos maiores protestos da cidade, permitiria que qualquer país, incluindo a China continental, procurasse a extradição de suspeitos de crimes. Respondendo à pressão pública, em 16 de junho, Lam anunciou que o projeto ficaria indefinidamente suspenso.

Mas os manifestantes exigiram constantemente que o projeto seja retirado para garantir que ele não seja reintroduzido no futuro.

Lam, durante uma coletiva de imprensa em 9 de julho, disse que “as pessoas podem querer ouvir uma observação mais ‘resoluta’” – reiterando que o governo não tinha planos de reconsiderar a lei e que ela “expiraria automaticamente” quando a sessão legislativa atual terminasse em 2020.

Mas grupos de direitos locais se opuseram à sua formulação vaga e disseram que continuariam organizando protestos até que a lei fosse retirada.

No mesmo dia, durante uma sessão diária do Senado dos Estados Unidos, o parlamentar Pat Toomey (R-Pa.), foi ao Senado para expressar suas preocupações sobre a situação política em Hong Kong. “Agora, apenas hoje, a chefe executiva de Hong Kong [Carrie Lam] disse que o projeto está morto; mas, não foi formalmente retirado, como deveria. Eu acho que a ameaça continua”, disse ele. Uma transcrição de seu discurso foi publicada em seu site.

O senador Toomey explicou em profundidade como o projeto, proposto pela primeira vez pelo governo de Hong Kong em fevereiro, é uma ameaça não apenas para os Hongkongers, mas também para estrangeiros e turistas.

“O acusado enfrentaria então um processo por um governo autoritário na China continental que não defende o estado de direito, nem pratica a administração justa e imparcial da justiça. Vamos enfrentá-lo, o sistema judicial na China é politizado e controlado pelo Partido Comunista Chinês”, disse Toomey.

Se aprovada, a legislação permitiria ao executivo-chefe – a posição agora detida por Lam – assinar os pedidos de extradição, inclusive da China continental, sem a aprovação da legislatura da cidade.

Toomey acrescentou: “Algumas pessoas estão preocupadas que, se este projeto se tornasse lei, abriria o caminho para o sequestro de dissidentes patrocinado pelo regime chinês”.

O legislador também acreditava que o projeto teria um “efeito inibidor sobre a liberdade em Hong Kong”, explicando que os Hongkongers teriam medo de expressar suas opiniões, devido a potenciais repercussões políticas.

“É simplesmente um fato: a China continental é um buraco negro legal e a lei de extradição de Hong Kong seria um passo para expor os residentes de Hong Kong diretamente ao sistema legal opaco, muitas vezes flagrantemente injusto”, disse Toomey.

O senador acrescentou que ficou impressionado com a marcha de protesto de 16 de junho, quando 2 milhões de pessoas tomaram as ruas para exigir a retirada do projeto. Hong Kong tem apenas uma população de 7,4 milhões – ou seja, um em cada quatro Hongkongers protestou naquele dia.

O senador disse acreditar que os Hongkongers estão fazendo mais do que apenas protestar contra a lei de extradição; eles estão “lutando por um futuro no qual possam desfrutar dos direitos humanos básicos”, como a liberdade de expressão e o julgamento justo. Ele previu que os protestos teriam um impacto sobre Taiwan e outras nações asiáticas que “estão lutando pela liberdade à sombra da China”.

Taiwan é um país de fato com seu próprio governo democraticamente eleito, forças armadas e moeda. No entanto, Pequim vê a ilha como parte de seu território e adotou diferentes táticas, como propaganda e coerção, na tentativa de influenciar a opinião pública taiwanesa a favorecer a unificação com o continente. Enquanto isso, Pequim nunca descartou a possibilidade de unir Taiwan com força militar.

Toomey disse que os protestos também afetariam a China continental.

“Uma Hong Kong democrática é uma ameaça direta ao governo comunista em Pequim, porque as pessoas em toda a China perguntariam naturalmente: por que os Hongkongers têm mais direitos e uma vida melhor e mais liberdade do que nós? Essa é a ameaça que o governo em Pequim está tentando extinguir”, acrescentou Toomey. Os censores chineses têm varrido a internet de todo o conteúdo relacionado aos protestos de Hong Kong, enquanto a mídia estatal publica artigos propagandísticos que deturpam os fatos.

O senador pediu aos norte-americanos que não façam vista grossa à situação em Hong Kong e que continuem apoiando os Hongkongers.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

 
Matérias Relacionadas