Senador australiano pede para ditadura chinesa prestar contas sobre pandemia

Por Caden Pearson

O senador liberal da Tasmânia, na Austrália, Eric Abetz, disse que “é necessário ajustar contas com a ditadura comunista chinesa e que seus líderes prestem contas sobre a pandemia” por sua culpa em espalhar o vírus do PCC, comumente conhecido como o novo coronavírus.

“A honestidade do povo chinês não é o problema. No entanto, a honestidade da ditadura comunista, sob a qual o povo chinês sofre, deve ser questionada”, disse Abetz ao Epoch Times.

O senador listou uma série de razões pelas quais o Partido Comunista Chinês (PCC) deveria ser responsabilizado.

“Em primeiro lugar, os inaceitáveis ​​’mercados úmidos’ (provável fonte da pandemia) não fecharam, apesar das preocupações e avisos anteriores dados após surtos semelhantes, como por exemplo, o SARS”, disse Abetz, observando que o primeiro-ministro Scott Morrison também pediu que esses mercados fossem fechados.

“Segundo, o destino do Dr. [Li Wenliang], que primeiro alertou a ditadura comunista chinesa sobre o vírus, deve ser totalmente explicado”, acrescentou.

Depois que o Dr. Li publicou em um grupo de colegas de sua escola de medicina no WeChat sobre o vírus, Li foi chamado pela polícia e repreendido por “espalhar boatos online” e “perturbar seriamente a ordem social”. Li contraiu o COVID-19 e morreu posteriormente.

Pessoas participam de uma vigília em Hong Kong para em homenagem ao Dr. Li Wenliang em 7 de fevereiro de 2020 (Anthony Kwan / Getty Images)
Pessoas participam de uma vigília em Hong Kong para em homenagem ao Dr. Li Wenliang em 7 de fevereiro de 2020 (Anthony Kwan / Getty Images)

“Em terceiro lugar, o regime conhecia a gravidade do vírus, fazendo com que seus agentes na Austrália comprassem o máximo de equipamento de proteção pessoal possível e o enviassem para a China. Uma atividade particularmente repreensível.”

“Estamos pagando o alto preço pelo fracasso de um regime comunista em cumprir seu dever moral e ético de informar e alertar inicialmente e depois ajudar outros países a lidar com a epidemia”, afirmou.

Abetz disse que uma investigação internacional sobre qualquer acobertamento do vírus do PCC é justificada, mas somente após a pandemia ter passado.

“O foco neste momento deve ser a luta contra esse vírus insidioso”, enfatizou.

Com relação ao impacto a longo prazo da pandemia na Austrália, Abetz disse que “a pandemia focará a política nacional na sabedoria de nossos antepassados ​​ao se comprometer com as virtudes eternas de estar preparado, autoconfiante, não colocando todos os seus ovos em uma cesta de forma a guardá-los para um dia chuvoso e que o governo não pode resolver tudo”.

“Haverá uma recalibração substancial de prioridades à medida que o ônus da compensação chegar”, concluiu o ministro.

A repórter do Epoch Times, Rachel Qu, contribuiu para este artigo.

 
Matérias Relacionadas