Se a Ivermectina fosse reconhecida, não haveria justificativa para confinamentos e decretos de vacinação, afirma médico

'Se a Ivermectina fosse reconhecida toda a justificativa para bloqueios, mandatos, pesquisa e desenvolvimento de vacinas, iria evaporar da noite pro dia'

Por Harry Lee & Nicholas VandenNieuwenhof

As agências médicas federais não reconheceram a Ivermectina como um tratamento eficaz para pacientes com a COVID-19. Segundo o Dr. Leland Stillman, o motivo é mais político do que científico, porque senão não haveria base para bloqueios ou ordens de vacinação.

“Se a Ivermectina fosse reconhecida pela saúde pública e pelo estabelecimento acadêmico pelo medicamento que é, tratando doenças virais agudas, uma das quais é a COVID-19, toda a justificativa para bloqueios, mandatos, pesquisa e desenvolvimento de vacinas, iria evaporar da noite pro dia”, afirmou Stillman ao Epoch Times em uma entrevista recente.

De acordo com a seção 564 da Lei de Alimentos, Medicamentos e Cosméticos (pdf), o Secretário do Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) só pode emitir uma autorização de uso emergencial se determinados critérios forem atendidos, incluindo que “não há uma alternativa adequada aprovada e disponível para o produto”.

Portanto, se houver uma alternativa aprovada, a Food and Drug Administration (FDA), uma agência do HHS, não poderá emitir uma autorização de uso emergencial para vacinas contra a COVID-19.

Stillman declara que não é uma teoria da conspiração ou mesmo uma opinião isolada que a Ivermectina funciona para tratar a COVID-19, porque dezenas de milhares de médicos em todo o mundo reconheceram sua eficácia.

Foto de arquivo: Um pacote de comprimidos de Ivermectina (Natasha Holt/Epoch Times)
Foto de arquivo: Um pacote de comprimidos de Ivermectina (Natasha Holt/Epoch Times)

A Frontline COVID-19 Critical Care Alliance (FLCCC), uma organização sem fins lucrativos que trabalha para desenvolver protocolos para o tratamento de pacientes com a COVID-19, considera a Ivermectina um medicamento essencial para a prevenção e tratamento da COVID-19. Seu site cita 142 estudos, dos quais 93 são revisados ​​por pares e 75 com resultados comparando grupos de tratamento e controle mostrando que a Ivermectina funciona.

No entanto, a FDA afirmou repetidamente que “os dados atualmente disponíveis não mostram que a Ivermectina é eficaz contra a COVID-19”.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) afirmaram ao Epoch Times que deveriam entrar em contato com os Institutos Nacionais de Saúde (NIH) para abordar a questão dos tratamentos para a COVID-19, após o que o NIH se referir às suas diretrizes on-line sobre Ivermectina: “Não há evidência suficiente para que o Painel de Diretrizes de Tratamento da COVID-19 ofereça uma recomendação a favor ou contra o uso da Ivermectina para o tratamento da COVID-19. São necessários resultados de ensaios clínicos com potência adequada, bem projetados e bem conduzidos para fornecer orientações mais específicas baseadas em evidências sobre o papel da Ivermectina no tratamento da COVID-19″.

Stillman explicou por que muitos médicos se calam ao reconhecer que a Ivermectina é um medicamento eficaz contra a COVID-19, a doença causada pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês).

“E a realidade que é realmente importante para as pessoas entenderem é que os médicos podem perder suas licenças ou perder seus certificados do conselho, o que é muito importante para sua renda”, afirmou Stillman.

Stillman declarou que pode falar porque é um dos poucos médicos do país que aceita dinheiro e não trabalha com seguradoras.

Formado pela Escola de Medicina da Universidade da Virgínia em Charlottesville, na Virgínia, Stillman agora pratica medicina em Kissimmee, na Flórida. Seu foco é ajudar as pessoas a alcançar a saúde com a medicina integrativa, que combina várias modalidades diferentes, como medicina tradicional chinesa, ervas, nutrição, dieta, exercícios e mudanças no estilo de vida.

Dois cientistas importantes, Martin Kulldorff, ex-professor da Harvard Medical School, e Jay Bhattacharya, professor de medicina da Universidade de Stanford, também explicaram por que muitos cientistas permanecem em silêncio sobre essa questão.

Em um artigo publicado pelo Epoch Times no mês passado, os dois professores declararam que o NIH e seu Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), liderados por Anthony Fauci, controlam um orçamento de pesquisa científica de bilhões de dólares a cada ano. “Canalizar dólares de pesquisa para quase todos os principais epidemiologistas, imunologistas e virologistas de doenças infecciosas nos Estados Unidos e no Reino Unido”. Portanto, seria imprudente que esses cientistas perturbassem essas agências de saúde.

“Há muita política nisso”, relatou Stillman, referindo-se à ordem de vacinação da COVID-19. “E a forma como foi politizada é realmente vergonhosa e lamentável. No final das contas, é sobre como essas corporações estão lucrando imensamente com a pandemia”.

Stillman afirma que a liberdade é a saída para o problema atual.

“A liberdade é absolutamente a solução”, declarou Stillman. “Porque se você realmente permitir que os médicos tratem os pacientes em seus próprios termos, sem seguradoras, sem tudo isso, pode ser muito acessível e muito eficaz”.

“Porque a realidade é que muito do cuidado que está sendo prestado neste momento está sendo prestado apenas com base na ideia de algum burocrata do que é uma boa medicina, não com base no que os pacientes realmente querem e pensam que é válido para eles.”

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas