Santiago Abascal: “Open Arms não é uma ONG, é uma base operacional da extrema esquerda”

"Não se deixem enganar! O Open Arms é um negócio lucrativo. Se vocês querem um porto seguro para juntar à mansão de Soros e ao iate de Greta, vão para o chalet de Évole”

Por 20 Minutos

O líder do partido espanhol Vox, Santiago Abascal, declarou nas redes sociais que Open Arms “não é uma ONG, é uma base operacional da extrema esquerda, em conluio com as grandes multinacionais e bancos”.

Abascal twittou sua opinião sobre a ONG que resgatou 156 migrantes no Mediterrâneo em 1º de agosto, e que protagoniza um conflito sobre seu desembarque na Itália, em face da recusa de Matteo Salivini em autorizar sua recepção, e também com a Espanha, devido aos altos e baixos em relação à sua ajuda.

O líder do Vox prosseguiu dizendo que “quando eles atacam a Itália, eles atacam, na realidade, a soberania, a identidade e a convivência na Europa. Os imigrantes são sua mercadoria política. Nada mais”.

O tweet já recebeu mais de mil comentários, cinco mil compartilhamentos e o dobro de “likes”.

Não é a primeira vez que o Vox se posiciona quanto ao Open Arms. Na semana passada, a formação direitista respondeu ao oferecimento de José María González, Kichi, de Cádiz, aos migrantes do navio. “Primeiro se preocupe com os seus e pare de prestar solidariedade àqueles que chegam do lado de fora com o dinheiro dos outros. Cádiz, com uma taxa de desemprego de 25%, onde os espanhóis dormem todos os dias em ruas e abrigos, e dominada por narcotraficantes, não pode absorver mais imigração.”

E mesmo antes, a formação criticou “a postura de solidariedade” com a imigração vinda de celebridades como Jordi Évole ou Richard Gere.

“Richard Gere e Human Trafficking Arms. A teatralidade filantrópica ataca novamente. Um bilionário cercado por supostos refugiados. Marionetes de interesse globalista que endossam uma política de migração na qual as ONGs são meras fachadas das máfias”, disse em seu tweet.

Outro disse: “Não se deixem enganar! O Open Arms é um negócio lucrativo. Os Estados devem reivindicar o monopólio da proteção da vida no mar para impedir o tráfico ilegal. Se vocês querem um porto seguro para juntar à mansão de Soros e ao iate de Greta, vão para o chalet de Évole ”.

 
Matérias Relacionadas