Samsung inspeciona fábricas chinesas sobre condições de trabalho

Um visitante experimenta um smartphone Samsung Galaxy S III do em 30 de agosto de 2012 em Berlim, Alemanha. (Sean Gallup/Getty Images)

A Samsung disse que investigará 105 empresas chinesas que fornecem eletrônicos à empresa para determinar se estão violando as leis trabalhistas, após um relatório no mês passado que descobriu que um fornecedor de peças usava trabalho infantil e submetia trabalhadores a condições desumanas.

A investigação será concluída até o final de setembro, disse a empresa em seu blogue na segunda-feira, e acrescentou que uma revisão de 144 outras empresas fornecedoras chinesas será analisada até o fim do ano.

Cerca de 100 funcionários da Samsung serão implantados nas fábricas que a abastecem exclusivamente, enquanto a empresa disse que analisará documentos sobre outras fábricas que fazem peças para ela e outras empresas para determinar se mais inspeções são necessárias.

O movimento ocorre um mês depois que um relatório contundente da China Labor Watch disse que a fornecedora chinesa de componentes HEG Electronics usava trabalho infantil, roubava dinheiro de seus trabalhadores e submetia seus empregados a condições desumanas de trabalho, com gerentes algumas vezes espancando os empregados.

A Samsung disse que investigou a HEG depois da divulgação do relatório e “identificou vários casos de má gestão e práticas potencialmente inseguras”, dizendo que “exigiu que a HEG melhorasse imediatamente suas condições de trabalho”.

A Samsung disse que a auditoria encontrou limitações devido à alta taxa de 30% de rotatividade dos funcionários e a empresa não encontrou qualquer trabalhador infantil ilegal na fábrica da HEG, que fabrica telefones da Samsung, tocadores de MP3 e equipamentos de som.

“Temos uma política de tolerância zero sobre violações de trabalho infantil e, portanto, estamos realizando auditorias de campo para garantir que todas as nossas instalações na China, sejam instalações de fornecedores ou instalações de nossa propriedade, estejam em conformidade com as leis trabalhistas e as políticas legais de trabalho e emprego da Samsung”, disse a companhia.

A empresa manifestou preocupações sobre os funcionários da HEG que trabalham mais de nove horas extras por semana, não têm acesso a um centro médico e eram submetidos a um sistema de multas se estivessem atrasados para o trabalho ou ausentes.

Organizações trabalhistas e de direitos humanos têm criticado frequentemente as condições de trabalho em fábricas chinesas ao longo dos anos, com críticas proeminentes feitas a fornecedores de peças da Apple e outras empresas de tecnologia.

Em julho, outro empregado numa fábrica pertencente à Foxconn, o fornecedor da Apple, pulou para a morte num aparente suicídio. Desde janeiro de 2010, pelo menos 19 trabalhadores da Foxconn se suicidaram, sendo as más condições de trabalho parcialmente culpadas.

 
Matérias Relacionadas