Rússia vende petróleo a grandes descontos após invasão da Ucrânia; comerciantes temem sanções

Países como Estados Unidos, Reino Unido e Japão anunciaram duras sanções contra a Rússia

Por Naveen Athrappully 

O petróleo bruto da Rússia está sendo vendido com taxas de desconto recordes, já que o país enfrenta duras sanções de nações ocidentais após a invasão da Ucrânia, mas os comerciantes permaneceram cautelosos e desistiram de comprar o combustível com desconto.

Moscou está oferecendo petróleo bruto dos Urais com um desconto de US $11,60 por barril abaixo do Dated Brent, o maior desconto do tipo em 11 anos, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. O Dated Brent é um marcador para transações físicas de petróleo. Não houveram propostas, enquanto uma grande licitação para o petróleo dos Urais acabou não sendo vendida. O Grupo Trafigura e o braço comercial da Lukoil PJSC estavam oferecendo petróleo dos Urais com um desconto de US $6,30 por barril.

“As tensões Rússia-EUA sobre a Ucrânia contribuíram para o colapso nos diferenciais dos Urais”, escreveu a consultora Facts Global Energy, em nota. “Parece que depois que muitas refinarias europeias entraram em uma onda de compras nos Urais em dezembro/janeiro, aqueles que têm escolha, agora estão se afastando dos Urais”. Vários comerciantes de petróleo, empresas de petróleo e corretores de navios cessaram temporariamente suas atividades relacionadas à Rússia.

Países como Estados Unidos, Reino Unido, Japão e a região da UE anunciaram sanções contra a Rússia. Mais sanções possivelmente serão anunciadas nos próximos dias. Os comerciantes de petróleo estão optando por evitar o comércio de petróleo russo, com medo de enfrentar as consequências por violação das sanções.

Igho Sanomi, fundador da empresa de comércio de energia Taleveras, espera que as restrições contra a Rússia sejam “muito profundas”, segundo o WSJ. “Esperamos que a maioria dos bancos europeus deixe de financiar quaisquer commodities da Rússia. As cartas de crédito estão sendo interrompidas, o financiamento em geral para commodities russas está sendo interrompido”, declarou ele.

Um grande refinador da Europa afirmou à mídia que, embora seja um “grande comprador” do petróleo dos Urais, parou de comprar há cerca de um mês.

Mesmo que os Estados Unidos não imponham sanções em grande escala, os compradores europeus provavelmente evitarão o petróleo russo enquanto as tensões permanecerem, de acordo com o analista de petróleo Alex Kavouris.

“Ouvi dizer que as refinarias estão deixando de comprar os Urais, e muitos armadores estão dizendo que não têm certeza se farão escala em portos russos – Mar Negro ou Báltico”, relatou um comprador de refinaria europeia à S&P Global. Um comerciante do Oriente Médio afirmou à agência que esses “eventos extremos” não acontecem com muita frequência.

A pressão ascendente sobre os diferenciais dos Urais também vem do medo de uma possível interrupção da atividade de navegação no Mar Negro. Alguns armadores dizem ser extremamente cautelosos ao viajar para os terminais da região.

As taxas de frete da região do Mar Báltico dispararam. Os ganhos diários dos navios-tanque que transportam 100.000 toneladas de petróleo bruto dos Urais do Mar Báltico para a Europa aumentaram cerca de 800%, indicando quão poucos são os navios dispostos a transportar cargas da Rússia.

Enquanto os comerciantes estão se afastando dos Urais russos, a demanda por petróleo bruto de outras partes do mundo está aumentando, com lugares como Oriente Médio, África Ocidental e Brasil em posição de ganhar. As taxas de frete aumentaram 12% para cargas do Golfo Pérsico para a Costa do Golfo dos EUA na quinta-feira, em comparação com o dia anterior.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas