Rússia, Turquia e Arábia Saudita refletem sobre o acordo climático de Paris

Donald Trump retirou os Estados Unidos do acordo climático de Paris em junho do ano passado

Por Ivan Pentchoukov

Autoridades que representam a Rússia, Turquia e Arábia Saudita parecem ter dúvidas sobre a permanência no acordo climático de Paris, disse um importante funcionário do governo Trump a repórteres na cúpula do G-20 em Buenos Aires no dia 1º de dezembro.

O oficial fez as afirmações depois que os líderes de 20 nações assinaram uma declaração (pdf) que inclui uma passagem reiterando que os Estados Unidos estão se retirando do Acordo de Paris. A parte da declaração que trata do clima causou a maior contenção entre as partes e foi a última a ser resolvida, de acordo com o funcionário.

“O que foi interessante é que esta foi uma das últimas questões a serem resolvidas”, disse o funcionário. “Porque os países que normalmente concordam não foram capazes de consentir com os outros. E o que você está começando a ver é que a coalizão está se desgastando. Países como a Turquia, como a Arábia Saudita, como a Rússia, podem estar duvidando do acordo”.

O presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos do acordo climático de Paris em junho do ano passado. Rússia e Turquia são signatários do acordo, mas ainda não o ratificaram internamente. A Arábia Saudita ratificou o acordo em novembro de 2016.

A declaração do G20 afirma que os signatários do acordo sobre o clima “reafirmam que o Acordo de Paris é irreversível e comprometem-se a sua total implementação”. Esse ponto é seguido por uma repreensão dos Estados Unidos.

“Os Estados Unidos reiteram sua decisão de retirar-se do Acordo de Paris e afirma seu forte compromisso com o crescimento econômico e o acesso e segurança energética, utilizando todas as fontes e tecnologias de energia e protegendo o meio ambiente”, afirma a declaração.

A Arábia Saudita e a Rússia são agora o segundo e terceiro maiores produtores de petróleo do mundo, depois que os Estados Unidos se tornaram o maior produtor mundial de petróleo em agosto.

O ministro de Recursos Naturais e Meio Ambiente da Rússia, Sergei Donskoi, disse à agência de notícias Sputnik no ano passado que a saída da América do acordo climático não afetará os planos da Rússia de ratificá-lo. Donskoi disse que Moscou tomaria uma decisão de ratificação não antes de janeiro de 2019.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse aos líderes do G20 no ano passado que a Turquia não deve ratificar o acordo porque a saída de Washington põe em risco a compensação prometida aos países em desenvolvimento.

A Arábia Saudita estava comprometida com o acordo no ano passado, prometendo fazer mudanças de acordo com sua agenda de reformas econômicas projetadas para afastar o país do petróleo.

Ao anunciar a saída dos Estados Unidos em 1 de junho de 2017, Trump disse que o acordo “prejudica os Estados Unidos em benefício exclusivo de outros países, deixando os trabalhadores americanos – que eu amo – e contribuintes para absorver o custo em termos de perda de empregos, menores salários, fábricas fechadas e diminui muito a produção econômica ”.

Nenhum outro país se juntou aos Estados Unidos ao sair do acordo, mas os comentários do oficial sênior da administração indicaram que isso pode mudar.

“Nós preservamos nossa posição. Eu acho que nós explicamos isso. E, novamente, acho que nossa mensagem estava ressoando na sala, porque essa foi a última questão a ser encerrada, e havia outros países que estão pensando muito sobre se ainda queriam permanecer comprometidos com esse paradigma ”, disse a autoridade.

O acordo de Paris sobre o clima, assinado por 195 países, visa manter a elevação da temperatura global neste século “bem abaixo de 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais”.

O presidente Barack Obama assinou o acordo em setembro de 2016. O governo Obama assumiu um compromisso individual (pdf) com o acordo climático para reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 26% a 28% abaixo dos níveis de 2005 até 2025.

Segundo um relatório da Heritage Foundation, se os Estados Unidos cumprissem seus compromissos até 2035, o país perderia 400 mil empregos, uma família de quatro pessoas perderia US$ 20 mil em renda e as contas de eletricidade aumentariam entre 13 e 20 por cento.  No total, o país deve perder US$ 2,5 trilhões em produto interno bruto, segundo o relatório.

Em 3 de dezembro, líderes mundiais se reuniram em Katowice, na Polônia, que é considerada a conferência climática mais significativa desde Paris. Delegados de quase 200 nações debateram sobre como alcançar os objetivos do acordo climático. Representantes de alguns dos países mais poderosos do mundo estavam ausentes na cúpula.

Michal Kurtyka, vice-ministro do Meio Ambiente da Polônia e presidente das negociações, disse que sem sucesso em Katowice, Paris não seria um sucesso, já que a conferência decidiu apenas o que era necessário e não como isso poderia ser feito.

Além disso, o ambiente político mais amplo havia mudado.

“A onda de otimismo e cooperação global que nos levou e a Paris chegou em sua crista, quebrou e agora está caindo”, disse ele aos delegados.

A Reuters contribuiu para esta reportagem.

 
Matérias Relacionadas