Rússia alerta para implantação nuclear perto da Finlândia e Suécia por possível adesão à OTAN

“Naturalmente, teremos que reforçar essas fronteiras”

Por Lorenz Duchamps 

O ex-presidente russo Dmitry Medvedev alertou em 13 de abril que a região do Mar Báltico não poderia mais permanecer “livre de armas nucleares” se a Finlândia e Suécia se juntarem à OTAN.

Medvedev, um dos aliados mais próximos do presidente Vladimir Putin, que agora atua como vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, fez a ameaça nuclear um dia depois que a primeira-ministra finlandesa, Sanna Marin, disse que Helsinque está se aproximando de uma possível adesão à Otan e chegará a uma conclusão “dentro de semanas” em vez de meses.

“Neste caso, não seria possível falar mais sobre o status não nuclear do Báltico. O equilíbrio precisa ser restaurado”, disse Medvedev em seu canal pessoal no Telegram.

A Finlândia compartilha a fronteira mais longa da UE com a Rússia, uma fronteira de 832 milhas. A guerra em curso na Ucrânia desencadeou um aumento no apoio à adesão à OTAN na Finlândia e na Suécia, dois países nórdicos tradicionalmente não alinhados militarmente.

“Se a Suécia e a Finlândia aderirem à Otan, a extensão das fronteiras terrestres da aliança com a Federação Russa aumentará mais do que o dobro”, disse Medvedev, observando que Moscou seria forçada a “fortalecer seriamente” as defesas terrestres, navais e aéreas nas águas do Golfo da Finlândia.

“Naturalmente, teremos que reforçar essas fronteiras”, disse. “Até agora, a Rússia não tomou tais medidas e não as tomaria. Se formos forçados… bem… nós não propusemos isso”.

Não é a primeira vez que Moscou faz ameaças nucleares, embora os comentários de quinta-feira sejam alguns dos mais duros já feitos por um importante oficial do Kremlin.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse a repórteres, após ser solicitado a comentar a declaração de Medvedev, que “isso foi falado muitas vezes” e Putin emitiu uma ordem para “reforçar nosso flanco ocidental” devido à expansão da OTAN para o leste.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, chega para uma reunião com o presidente russo e seu homólogo sérvio em Sochi, na Rússia, em 4 de dezembro de 2019 (Shamil Zhumatov/AFP/POOL via Getty Images)
O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, chega para uma reunião com o presidente russo e seu homólogo sérvio em Sochi, na Rússia, em 4 de dezembro de 2019 (Shamil Zhumatov/AFP/POOL via Getty Images)

“Não posso dizer… Haverá toda uma lista de medidas e passos necessários”, disse Peskov após ser questionado se a implantação de infraestrutura militar adicional na região do Mar Báltico incluiria armas nucleares. “Isso será abordado em uma reunião separada pelo presidente”, acrescentou.

Arvydas Anusauskas, ministro da Defesa da Lituânia, foi rápido em denunciar os comentários de Medvedev, dizendo que isso não é novidade e que a Rússia implementou mísseis de cruzeiro com armas nucleares na região há anos.

“As atuais ameaças russas parecem bastante estranhas quando sabemos que, mesmo sem a atual situação de segurança, eles mantêm as armas [cerca de 100 quilômetros] da fronteira da Lituânia”, disse o ministro da Defesa. “As armas nucleares sempre foram mantidas em Kaliningrado. … Os países da região estão perfeitamente cientes disso”.

Kaliningrado

Kaliningrado é um enclave no Mar Báltico que faz fronteira entre os membros da OTAN Lituânia e Polônia e é de particular importância no teatro do norte da Europa. É o antigo porto prussiano de Koenigsberg, capital da Prússia Oriental e fica a menos de 1400 quilômetros de Londres e Paris e a 500 de Berlim.

A Rússia disse em 2018 que havia implantado mísseis Iskander em Kaliningrado, que foi capturado pelo Exército Vermelho em abril de 1945 e cedido à União Soviética na conferência de Potsdam.

O Iskander, conhecido como SS-26 Stone pela OTAN, é um sistema de mísseis balísticos táticos de curto alcance que pode transportar ogivas convencionais e nucleares. Seu alcance oficial é de cerca de 300 milhas, mas algumas fontes militares ocidentais suspeitam que seu alcance possa ser muito maior.

“Nenhuma pessoa sã quer preços mais altos e impostos mais altos, tensões crescentes ao longo das fronteiras, Iskanders, hipersônicos e navios com armas nucleares literalmente à distância de sua própria casa”, disse Medvedev em seus comentários de quinta-feira sobre a potencial adesão da Finlândia e da Suécia à OTAN.

A Reuters contribuiu para esta reportagem.

Por NTD

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas