Senador pede respostas à Microsoft sobre aparente censura em pesquisas relacionas ao massacre da Praça Tiananmen

Por Ivan Pentchoukov

O senador Mitt Romney (R-Utah) em 8 de junho pressionou a Microsoft por mais informações sobre como e por que seu mecanismo de busca não retornou resultados para a imagem icônica do massacre da Praça Tiananmen no aniversário da repressão comunista.

Em 4 de junho, buscas nos motores da Microsoft em vários países não retornaram nenhum resultado para o ” homem do tanque “, uma foto icônica de um cidadão chinês atrapalhando o avanço de um tanque.

Enquanto a República Popular da China censura de forma infame os termos de busca na Internet relacionados ao massacre da Praça Tiananmen (incluindo o ‘homem do tanque’), a possibilidade de a censura do Partido Comunista Chinês (PCC) se espalhar os para estados Unidos por uma empresa americana é inaceitável ”, disse Romney em uma carta ( pdf ) dirigida ao CEO da Microsoft, Satya Nadella.

A Microsoft atribuiu o problema a “erro humano acidental”, mas Romney parece não estar satisfeito com essa explicação. O senador de Utah fez uma lista de perguntas a Nadella, incluindo se apenas um funcionário da Microsoft pode causar tal erro que leva à censura de termos de pesquisa. Romney também perguntou em que termos, se houver, o PCC pediu que a Microsoft censurasse na China e em outros países no ano passado.

De acordo com a carta, as pesquisas por “homem do tanque” na França, Suíça, Reino Unido, Alemanha e Cingapura não retornaram nenhum resultado de imagem.

A Microsoft é um dos poucos motores de busca internacionais operando na China. Para isso, a empresa atende aos pedidos de censura do PCC.

“O homem no tanque” refere-se à imagem icônica de um confronto entre um civil não identificado e uma linha de tanques militares avançando pela Praça Tiananmen de Pequim após uma repressão brutal contra manifestantes pró-democracia. A foto se tornou um símbolo de desafio em todo o mundo.

Depois de ser consultada por jornalistas, a Microsoft disse em um comunicado que o problema foi causado por “erro humano acidental e agora foi resolvido”. Horas depois, o mecanismo de busca retornou as imagens do “homem-tanque” fora da China.

A empresa não forneceu detalhes sobre o que foi o erro humano ou como ele ocorreu. Em sua carta, Romney exigiu mais detalhes sobre o assunto, inclusive se o erro ocorreu nos Estados Unidos ou na China.

O maior centro de P&D da Microsoft fora dos Estados Unidos fica na China, e em janeiro a empresa postou um anúncio de emprego para um engenheiro de software sênior também baseado na China, para liderar uma equipe para desenvolver a tecnologia que impulsiona a busca de imagens do Bing .

As autoridades chinesas exigem que os mecanismos de busca, sites e plataformas de mídia social que operam no país censurem palavras-chave e resultados considerados politicamente sensíveis ou críticos ao regime governante do PCC.

As referências à repressão da Praça Tiananmen em 1989 são bloqueadas na China, assim como as imagens relacionadas ao evento, como o “homem no tanque”.

Na China, o Bing concorre com os maiores motores de busca chineses, como Baidu e Sogou. O Bing tem 2,5% de participação de mercado no país, de acordo com o site de dados Statcounter.

Seu rival, o Google, saiu do mercado chinês em 2010 após quatro anos de operação, após disputas de censura e um grande ataque de hackers que o Google diz ter se originado na China.

Com informações da The Associated Press.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas