Robôs com luz ultravioleta: a arma mais confiável contra o novo coronavírus

Por Chriss Street

O surto do novo e mortal coronavírus (COVID-19) está abrindo caminho para que robôs que emitem luz ultravioleta se tornem a mais recente arma para matar doenças transmissíveis em espaços públicos.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), nos Estados Unidos, afirmam que a principal técnica de prevenção de doenças é evitar o contato próximo com pessoas doentes. Mas isso é quase impraticável, considerando que cerca de 55% das 7700 milhões de pessoas no mundo vivem em espaços urbanizados.

A arma mais recente para combater a propagação de doenças contagiosas nas interações públicas é uma porção dos raios ultravioleta da luz solar. A luz de comprimentos de onda de 200 a 280 nanômetros (UVC), em sua faixa germicida”, é um desinfetante eficaz contra patógenos, de acordo com Klaran, uma empresa especializada em produtos UVC de LED.

De acordo com o Dr. Philip Tierno, professor clínico de microbiologia e patologia da Universidade de Nova York (NYU), os raios ultravioleta da luz solar são responsáveis ​​por matar a maioria das bactérias nocivas expostas no vestuário humano por interferir e destruir os ácidos nucléicos de bactérias e outros micróbios.

A maioria dos consumidores não sabe que a luz ultravioleta concentrada é um desinfetante na fabricação de sucos e bebidas, além de cereais, frutas e vegetais frescos, queijo, produtos de panificação, alimentos congelados e ovos líquidos há 50 anos anos.

Após os surtos de bactérias E. coli que afetaram sidra de maçã e sucos de frutas não pasteurizados em 2001, a Food and Drug Administration (FDA) aprovou a “pasteurização a frio” que requer a maior parte dos fabricantes de suco sigam a Análise de Perigos e o Ponto de Controle Crítico (HACCP), incluindo a irradiação UVC no diagrama. Embora tenha sido demonstrado que a UVC reduz ou elimina E. coli, salmonela, listeria e outros patógenos transmitidos por alimentos, “os alimentos irradiados não atendem à definição de produtos orgânicos do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos”.

A adoção do UVC como redutor de patógenos alimentares tem sido lenta devido ao aumento de custos e à preocupação com a conotação negativa associada ao processo de irradiação com alimentos. Mas isso pode mudar com o coronavírus, uma vez que está se espalhando da China para mais de 29 países.

O regime chinês anunciou em 15 de fevereiro que o banco central do país usaria luz ultravioleta ou altas temperaturas para desinfetar suas notas de yuan, selaria e armazenaria o dinheiro por 7 a 14 dias – dependendo da gravidade do surto em uma região específica. – antes de colocá-los novamente em circulação.

Um estudo realizado em 2017 com notas de 1 dólar circulando na cidade de Nova Iorque identificou em amostras de moedas “397 espécies bacterianas representando mais de 20 linhas de bactérias”. Embora o período de sobrevivência e o mecanismo de transferência do novo coronavírus COVID-19 ainda não sejam claros, o estudo de Nova Iorque descobriu que as comunidades microbianas sobreviveram por até 12 dias e se espalharam através de transferências orais e cutâneas humanas.

Os empresários estão aumentando enormemente as aplicações de desinfetantes UVC.

Com base em estudos que encontraram patógenos presentes em 94,5% dos telefones celulares pessoais e 50% dos teclados dos funcionários de hospitis, Seal Shield, com sede em Orlando, está oferecendo armários ElectroClave que podem desinfetar até Quatro computadores e 10 telefones celulares ao mesmo tempo.

A Dimer UVC Innovations, com sede em Los Angeles, oferece seus robôs UV Hammer, um dispositivo desinfetante que pode desinfetar até 10 quartos de hospital por hora. A Dimer acaba de anunciar que oferecerá os robôs GermFalcon projetados para navegar autonomamente pelas cabines de aeronaves e áreas de espera dos terminais de passageiros para “matar vírus, bactérias e super bactérias” estrategicamente em superfícies de alto contato.

O co-fundador Elliot Kreitenberg disse que o sistema de eliminação de germes Dimer participará dos esforços de resposta a emergências contra o coronavírus no Aeroporto Internacional de Los Angeles, no Aeroporto Internacional de São Francisco e no Aeroporto Internacional John F.Kennedy de Nova Iorque.

 
Matérias Relacionadas