Rivalidade econômica entre os EUA e a China é mais complexa que Guerra Fria, dizem especialistas

EUA também precisa garantir que as empresas controlem suas próprias cadeias de suprimentos para evitar o uso de trabalho escravo

Por Emel Akan

WASHINGTON – A China é o adversário mais poderoso que os Estados Unidos enfrentaram na história recente, e Washington precisa responder efetivamente para combater a força crescente e o comportamento agressivo de Pequim, segundo vários especialistas.

Durante uma audiência realizada em 22 de julho pelo Comitê Bancário do Senado, intitulado “EUA-China: vencendo a competição econômica”, um painel de especialistas compartilhou suas propostas sobre como competir e vencer a China.

Em seu discurso de abertura, o senador Tom Cotton, presidente do subcomitê de política econômica, disse que “a China é o adversário mais formidável que os Estados Unidos enfrentam na memória viva”.

“No auge de seu poder em 1980, a economia da União Soviética era 40 por cento do tamanho da economia americana”, disse Cotton, acrescentando que em 1943, as economias combinadas da Alemanha nazista e do Japão imperial também eram no nível de 40%.

“Hoje, a economia da China representa dois terços do tamanho da nossa economia. Portanto, a China é mais rica do que qualquer adversário que enfrentamos.”

Para Walter Russell Mead, professor de relações exteriores e ciências humanas no Bard College, a situação atual é muito mais complexa do que os desafios que os Estados Unidos enfrentaram durante a Guerra Fria com a União Soviética.

“Ao contrário da União Soviética, as economias dos Estados Unidos e de seus aliados estão profundamente conectadas à economia chinesa”, disse ele em seu depoimento.

Ele observou que o relacionamento dos Estados Unidos com a China comunista “não pode ser simplesmente um negócio de sempre”.

Dadas as ambições do Partido, outros países não têm escolha a não ser monitorar o investimento e os fluxos financeiros chineses, auditar as principais cadeias de suprimentos de materiais, eliminar as dependências estratégicas da China e evitar o uso de ameaças da tecnologia chinesa, segurança de suas telecomunicações e infraestrutura ”, disse Mead.

O governo dos EUA também precisa garantir que as empresas controlem suas próprias cadeias de suprimentos para evitar o uso de trabalho escravo, segundo Mead.

“Uma coisa que devemos fazer é olhar para alguns dos exemplos que vimos da era da Segunda Guerra Mundial, em que empresas japonesas e alemãs tiveram que pagar uma compensação pelo trabalho escravo”, disse ele. “Devemos construir uma estrutura para que as empresas que usam trabalho escravo não possam se safar”.

Aposta da China

O governo dos EUA divulgou recentemente uma lista de empresas vinculadas às forças armadas chinesas que operam nos Estados Unidos. A lista inclui a empresa de aviação AVIC, a China Industry Shipbuilding Corp., a Huawei e a Hangzhou Hikvision.

“Ninguém teria pensado em permitir que a União Soviética e suas empresas estatais investissem em redes elétricas americanas ou em nossa tecnologia da informação”, disse Tim Morrison, investigador principal do Instituto Hudson, durante a audiência.

“E acho que ainda estamos nos estágios iniciais de corrigir o curso da aposta que fizemos, que se a China tiver McDonald’s, haverá um futuro pacífico”.

Não apenas essas empresas chinesas devem ser proibidas de operar nos Estados Unidos, mas seus lobistas em Washington e seus parceiros de joint venture nos Estados Unidos também devem ser questionados, aconselhou Morrison.

Para vencer a competição econômica com a China, Morrison sugeriu em seu testemunho que Washington forma um bloco comercial com aliados que defendem os valores ocidentais. Ele propôs que o novo acordo de livre comércio entre os EUA, México e Canadá (USMCA) pudesse ser expandido para incluir países como Reino Unido, Japão, Austrália, Coreia do Sul e Nova Zelândia.

A cooperação multilateral de longo prazo entre países com ideias semelhantes é essencial para vencer a competição econômica, de acordo com Martijn Rasser, investigador principal do Centro para uma Nova Segurança Americana.

“Os Estados Unidos devem diversificar e garantir o fornecimento de insumos importantes de tecnologia, como elementos de terras raras e semicondutores, investindo em indústrias nacionais e trabalhando com parceiros para construir cadeias de suprimentos internacionais confiáveis”, disse ele em seu depoimento.

Moeda digital

A moeda digital é outra área de competição com a China e os Estados Unidos estão atrasados, alertam especialistas.

“Seria tolice tomar como certo o status global predominante do dólar. Precisamos testar o dólar para um amanhã digital”, disse Christopher Giancarlo, ex-presidente da Comissão de Comércio de Futuros de Commodities dos Estados Unidos.

Giancarlo, que também é o criador do Projeto Digital Dollar, apresentou o argumento para a criação de um dólar digital. Ele disse que os Estados Unidos precisam melhorar as capacidades tecnológicas do dólar no mundo e sugeriu explorar o dólar digital em uma série de programas-piloto bem projetados.

É isso que a China e outros bancos centrais do mundo estão tentando fazer com suas próprias moedas, disse ele.

Siga Emel no Twitter: @mlakan

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Manipulando a América: o manual do Partido Comunista Chinês

 

 
Matérias Relacionadas