Risco de rede 5G da Huawei expõe a necessidade de maior coesão da aliança Cinco Olhos

Por Rahul Vaidyanath

Análise de notícias

Especialistas em segurança nacional dos países dos Cinco Olhos reconhecem que a aliança deve assumir os riscos da Huawei como fornecedora de 5G para garantir que o compartilhamento de inteligência não diminua.

Os comentários do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, envolvendo potencialmente menos compartilhamento de inteligência com os países que aceitam a Huawei, também foram discutidos durante um seminário on-line de 8 de junho, organizado pelo Instituto do Conselho de Associações de Defesa (CDA) com sede em Ottawa.

A aliança Cinco Olhos, formada pela Austrália, Reino Unido, Nova Zelândia, Estados Unidos e Canadá, continua a ser altamente valorizada por seus membros, embora sua diversidade esteja dando origem a uma série de posições em relação à Huawei para a tecnologia 5G. As opiniões dos Estados Unidos e da Austrália sobre o 5G, que devem ser a espinha dorsal de infraestrutura crítica, como redes de energia, assistência médica, comunicação e transporte, são as mais semelhantes.

O Canadá ainda não tomou uma decisão oficial sobre a Huawei por sua infraestrutura 5G, mas Richard Fadden, ex-chefe do Serviço Canadense de Inteligência e Segurança (CSIS), disse que o Cinco Olhos não seria prejudicado a longo prazo se ele excluísse o gigante chinês das telecomunicações da sua implantação 5G.

“Nós conversamos constantemente sobre isso, mas nunca sentamos e discutimos sobre quais seriam as consequências a curto, médio e longo prazo se dissermos não à Huawei”, disse Fadden, ex-consultor de segurança nacional de dois primeiros ministros.

Vale a pena procurar fortalecer os números para limitar a coerção da China, e uma visão estratégica mais ampla de se relacionar com a China também seria uma jogada sábia, disse Martijn Rasser, ex-oficial de inteligência e membro sênior do Center for a New Segurança americana.

“Estou falando além dos Cinco Olhos, pensando em frentes unidas para limitar a quantidade de coerção econômica e política que a China pode infligir”, disse ele.

Suas declarações coincidem com as do Secretário-Geral da OTAN, em um discurso em que ele delineou sua visão da OTAN para 2030, na qual apelou a países com ideias semelhantes a trabalharem mais de perto para combater as ameaças da China. e Rússia.

Estados Unidos mantém-se firme

Os dois analistas americanos do webinar desenvolveram o aviso de Pompeo sob ângulos técnicos e geopolíticos.

“Você precisa banir completamente fornecedores não confiáveis ​​em redes 5G, porque as táticas de mitigação de risco 4G simplesmente não funcionam em redes 5G”, disse Rasser.

Com o 4G, há uma clara separação entre as partes principais – para dados confidenciais – e as partes periféricas da rede. Essa distinção é obscurecida pelo 5G, que atinge velocidades muito mais rápidas para aplicações como veículos autônomos e telemedicina.

“A Austrália merece muito crédito por entender essa realidade técnica perante os Estados Unidos”, disse Rasser.

Ele acrescentou que o relacionamento da Huawei com o Partido Comunista Chinês (PCC) é sombrio. A Huawei afirma que é de propriedade privada, mas a lei de inteligência da China exige que as empresas cooperem com suas agências de segurança, e não há recurso para resistir a fazê-lo, como seria o caso em um país democrático.

“Não é exagero considerar a disposição de Pequim de manter em risco a infraestrutura crítica estrangeira para atingir seus objetivos geopolíticos”, afirmou Rasser.

Há um forte apoio bipartidário à posição atual da Huawei nos Estados Unidos, disse Tim Heath, principal investigador de defesa internacional da RAND Corporation. A postura deve ser vista através das lentes da competição sino-americana.

“Existe uma razão natural para os EUA Também temem que a China esteja se esforçando para garantir que domine esse campo”, afirmou Heath.

A Huawei é de extrema importância para o PCC, pois visa controlar as tecnologias que ganharão ainda mais importância no futuro. O grupo de especialistas da Henry Jackson Society aconselha o Cinco Olhos a solidificar a liderança na área de comunicação de dados e redes, uma das chamadas tecnologias do “9 futuros”.

A interconexão de sistemas de comunicação na América do Norte, a decisão do Canadá sobre a Huawei é fundamental para os Estados Unidos.

“Se permitíssemos a entrada da Huawei, não apenas estaríamos prejudicando nossa segurança nacional, como também arriscaríamos, devido à sua interoperabilidade, a dos Estados Unidos de maneira bastante direta”, disse Fadden.

Heath disse que os Estados Unidos não querem prejudicar seriamente relacionamentos de longa data como o Five Eyes, mas querem que seus parceiros pensem nas implicações de segurança do uso da Huawei para o 5G.

Rasser disse que haverá cortes na cooperação em inteligência como conseqüência e, por exemplo, os Estados Unidos continuarão com a retirada dos aviões espiões RC-135 do Reino Unido.

Não há nada que a Huawei possa fazer para mudar a posição dos EUA nisso, devido ao sistema político da China, acrescentou.

Os Estados Unidos buscaram reciprocidade – ou comércio justo – da China, que tem relutado em permitir que empresas estrangeiras construam sua própria rede 5G.

Austrália, Nova Zelândia e Reino Unido

Os três membros não norte-americanos do Five Eyes adotaram três abordagens diferentes para a Huawei como um fornecedor de 5G, com a posição da Nova Zelândia parecendo dissonante.

A Nova Zelândia, o menor membro do Five Eyes e o mais dependente da China, está em seus estágios iniciais de desenvolvimento 5G, avançando com a Vodafone e Spark. No entanto, a Huawei não foi banida para sempre, explicou Joe Burton, professor titular do Instituto de Ciência e Segurança do Crime da Universidade de Waikato, na Nova Zelândia.

A Nova Zelândia é uma receptora líquida de inteligência – que vem principalmente dos Estados Unidos – e Burton diz que está bem ciente de sua vulnerabilidade às tensões entre a China e os Estados Unidos e sua dependência de fornecedores estrangeiros.

“Toda essa dinâmica … no debate do Five Eyes sobre a Huawei, não queremos que seja necessariamente um lado, e acho que isso ajuda a explicar a ambiguidade estratégica da abordagem da Nova Zelândia”, disse Burton.

No entanto, a Grã-Bretanha rotulou a Huawei como fornecedora de alto risco e a está excluindo do núcleo de sua rede 5G, limitando sua participação a 35% das funções não essenciais. A Grã-Bretanha aguçou sua posição sobre a Huawei durante o curso da pandemia de COVID-19 e também está considerando a retirada gradual da Huawei de sua rede 5G até 2023.

Além disso, o governo britânico está se tornando uma das dez nações democráticas a desenvolver suas próprias redes 5G – um clube “D10” – para reduzir a dependência da Huawei.

A Huawei não conseguiu fazer lobby com a Austrália para fazer parte de sua implantação de telecomunicações há vários anos. O ex-primeiro-ministro Malcolm Turnbull já estava pressionando Washington a proibir o gigante chinês das telecomunicações antes que os Estados Unidos endurecessem sua posição.

“A capacidade pode levar tempo para vir … e se desenvolver, mas a intenção pode mudar em um piscar de olhos”, disse Patrick Walsh, professor associado de estudos de inteligência e segurança da Universidade Charles Sturt, na Austrália, descrevendo o Conselho de Turnbull para os Estados Unidos.

A maior preocupação de Turnbull era que a tecnologia da Huawei se voltasse contra os interesses da Austrália e colocasse em risco a infraestrutura crítica do país.

A infiltração da China no governo, na academia e no setor empresarial da Austrália chegou a um ponto crítico, e a Austrália está lutando contra leis de interferência estrangeira e reforçou a revisão de Pequim sobre o investimento estrangeiro naquele país.

A Austrália estava decidida a banir a Huawei, um provedor de alto risco.

“Não vejo essa decisão sendo revista”, disse Walsh.

Trabalhando em melhorias

Fadden e Walsh lamentaram que seus próprios países não tivessem uma “política chinesa” abrangente e acabaram lidando com os problemas à medida que eles se fragmentavam.

Este método é refletido nos Cinco Olhos. Os participantes do seminário on-line queriam ver mais sinergias coletivas dos países para a formulação de políticas.

“Gostaria de ver mais inovação em pesquisa e desenvolvimento no Cinco Olhos em partes da rede 5G e na tecnologia para apoiá-la”, disse Burton.

Mas, ao tentar fazer com que o Cinco Olhos se expandisse informalmente – possivelmente para incluir aliados como Japão, Coreia do Sul, França e Alemanha – Fadden disse que encontrou “obstáculos totais absolutos”.

As grandes empresas de telecomunicações do Canadá já estão tomando suas próprias decisões, e Bell e Telus anunciaram em 2 de junho que decidiram fazer parceria com os rivais da Huawei – Ericsson e Nokia / Ericsson, respectivamente – para construir suas ofertas de 5G. Rogers já havia feito parceria com a Ericsson.

“Do meu ponto de vista, para ficar claro, tudo Não se trata da Huawei, mas da China”, disse Fadden.

Siga Rahul no Twitter: @RV_ETBiz

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Regime chinês persegue e ataca companhia internacional de dança

 
Matérias Relacionadas