A revolução dos nanopixels

Uma equipe liderada por cientistas das universidades de Oxford e Exeter, no Reino Unido, desenvolveu nanopixels que medem apenas 300 por 300 nanômetros. Um nanômetro correspondente a um milionésimo de milímetro. Esses nanopixels podem ser eletricamente ligados e desligados à vontade, criando pontos de cor que formam a base de uma tecnologia para telas de altíssima resolução de dispositivos eletrônicos.

Num smartphone moderno, cada pixel é cerca de 150 vezes maior do que isso. Essa nova tecnologia, em estágio embrionário, permitirá fabricar monitores com bilhões de pixels de resolução. No entanto, estamos muito longe de desenvolver placas gráficas que possam controlar uma tela, por exemplo, de 198.000 × 120.000 em comparação com uma tela de 1980 x 1200 utilizada nos notebooks comuns. Além disso, com os monitores 4K/UltraHD – a mais atual tecnologia em telas – já estamos praticamente quase no limite de os olhos notarem a diferença de resolução.

No entanto, essa descoberta tornará possível a fabricação de monitores finos e flexíveis de alta resolução e baixo consumo de energia para aplicações como óculos “inteligentes”, retinas sintéticas, ePaper, para-brisa monitores, telas dobráveis​​. A pesquisa está em estágio inicial, porém é um novo campo de pesquisa promissor em termos de aplicações.

 
Matérias Relacionadas