Retórica abusiva do regime chinês revela sua natureza tirânica

"Para alguns, de repente parecia que eles viram uma cobra se enrolando para atacar"

Por John Robson

Comentário

“Velho Caduco! O que são os Estados Unidos, a não ser um celeiro de telhado de palha, onde bandidos bebem na imundice e seus pirralhos rolam no chão entre os cães?” Diplomatas chineses podem não estar usando com precisão a linguagem que Saruman apontou para o rei Théoden do alto de um Orthanc em chamas, mas o tom é inconfundível. As luvas de seda sumiram e o punho de ferro está brandindo.

Considere a explosão na embaixada chinesa em Mianmar neste fim de semana, relatada no National Post em 20 de julho, em que um diplomata guerreiro lobo uivou que os Estados Unidos estavam “escandalosamente manchando” a China e que agências americanas estavam fazendo “coisas desagradáveis” e mostrando “um rosto egoísta, hipócrita, desprezível e feio”.

Os Estados Unidos, é claro, expressaram sua opinião sobre a invasão da China a seus vizinhos e sua conduta em Hong Kong. Como outros, incluindo o Reino Unido, que acaba de suspender seu tratado de extradição com Hong Kong. Mas quando diplomatas americanos falam de um “padrão mais amplo para minar a soberania de seus vizinhos”, seus colegas chineses rosnam: “Os Estados Unidos devem primeiro se olhar no espelho para ver se ainda se parecem com um país importante”.

Quando me refiro a diplomatas chineses em Mianmar, empresto uma frase do capitão Blood: “Declaro antes o propósito pelo qual eles foram [colocados lá] do que o dever que cumpriram”. Se Talleyrand exagerou dizendo: “Um diplomata recebe uma linguagem para esconder seus pensamentos”, é verdade que normalmente se espera que sejam “diplomatas”, isto é, expressar forças em uma linguagem suave e muitas vezes sufocante.

Não deveriam parecer Andrei Vyshinski repreendendo um prisioneiro indefeso condenado em um julgamento stalinista, parando apenas para limpar a espuma dos lábios. Claro, se fosse apenas um cara da embaixada de Mianmar twittando enquanto estava bêbado e irritado, isso não significaria nada, exceto que ele iria para casa no próximo vôo com instrumentos manuais para embarcar em uma nova carreira. Mas não é, e é importante.

Ao intimidar, insultar e ameaçar alguém, você revela que o considera um cativo algemado e com os olhos vendados, que ele pode ser chutado à vontade e deve implorar até que a bota o atinja em algum lugar menos doloroso. O que corresponde muito claramente a algo que eu me preocupei em localizar em “O Senhor dos Anéis”, devido à forma cada vez mais atáxica com a qual a liderança chinesa está tentando persuadir e ameaçar ao mesmo tempo.

Após o desempenho desastroso de Saruman na frente de representantes de vários povos livres cuja ruína ele próprio estava tramando, Gandalf comenta: “Ele não pode ser um tirano e um conselheiro. Quando a conspiração está madura, ela não permanece mais em segredo. No entanto, ele caiu na armadilha e tentou lidar com suas vítimas pouco a pouco, enquanto outros ouviam”.

Até certo ponto, o regime chinês está fazendo o mesmo, posando como pacífico e incompreendido enquanto sofre um derrame quando é criticado. Em junho, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China ordenou que o primeiro-ministro Justin Trudeau “parasse de fazer comentários irresponsáveis” sobre uma conexão hipotética entre o tratamento brutal da China a Michael Spavor e Michael Kovrig e nossa prisão do principal funcionária das finanças da Huawei, Meng Wanzhou. Não importa o desprezo de que “o Canadá esteja desempenhando o papel de cúmplice dos Estados Unidos”. Imagine sua reação se algum funcionário de Assuntos Globais do Canadá mencionar no decorrer de uma conferência de imprensa que, é claro, Xi Jinping deveria calar a boca. Embora deva.

Ou talvez não, porque a verdade agora está surgindo entre grunhidos, resmungos e rugidos. Por exemplo, o próprio Zhao Lijian, que disse a Trudeau para calar a sua língua insolente, também permitiu que os dois casos fossem conectados, e se Trudeau simplesmente se curvasse a Pequim, interferisse no sistema judicial e liberasse Meng, “poderia abrir espaço para resolver a situação dos dois canadenses”. Tirano e conselheiro praticamente na mesma respiração.

Diplomatas canadenses usam linguagem como “preocupado com a prisão de figuras políticas” e “exame minucioso” de “medidas extraordinárias”. Mas diplomatas chineses reclamam de “atividade perigosa” na mesma linguagem grosseira usada pelos membros mortais do partido intracomunista. Quem pode esquecer quando o embaixador da China no Canadá não disse simplesmente, mas escreveu um artigo de opinião cuidadosamente elaborado sobre nossas demandas para libertar os “dois Michaels”, que “a razão pela qual algumas pessoas estão acostumadas a adotar arrogantemente um padrão duplo deve-se a egoísmo ocidental e supremacia branca?”

Pensar nessas coisas pode prejudicar nosso orgulho. Mas, em teoria, o regime de Pequim poderia se sentir livre para tratar abertamente o Canadá com desprezo, porque não somos uma grande potência ou mesmo, apesar de nossa arrogância, uma potência média. O que podemos realmente fazer com eles se eles nos acusam de rolar no chão entre nossos cães, exceto esperar que outros percebam a linguagem que o regime comunista chinês usa quando pensa que lhe tem a seus pés?

Falar assim aos Estados Unidos é outra questão. Até Saruman, depois de falar com Théoden sobre a questão da retórica, se recompôs e disse suavemente: “Mas você, Gandalf! Por você, pelo menos, estou angustiado, sentindo sua vergonha. Como você pode suportar essa companhia?” Mas o Politburo não usa mais essa linguagem até para a hiperpotência americana, porque a trama é madura e, embora periodicamente se esqueça e tropece em sua língua bifurcada, Pequim agora é abertamente tirana, não conselheira.

Um dos mestres de Talleyrand em sua longa e escorregadia carreira, Napoleão, tinha como máxima “falar de paz e agir em guerra”. Mas uma vez que os exércitos cruzam as fronteiras, assassinando e queimando, como Saruman estava em Rohan, falar de paz não tem outro propósito.

Assim, Théoden respondeu à traiçoeira oferta de “paz” de seu único conselheiro, dizendo “sim, teremos paz quando você e todas as suas obras perecerem” e declarando que “você é um mentiroso Saruman, e um corruptor de corações dos homens. … Mas temo que sua voz tenha perdido seu charme.

Ele o fez, e quando a raiva de Saruman irrompeu: “Para alguns, de repente parecia que eles viram uma cobra se enrolando para atacar”.

Eu também.

John Robson é um documentarista, colunista do National Post, editor colaborador da Dorchester Review e diretor executivo do Climate Discussion Nexus. Seu documentário mais recente é “The Environment: A True Story”.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Manipulando a América: o manual do Partido Comunista Chinês

 
Matérias Relacionadas