Ressaca é quase tão perigosa para a segurança quanto a embriaguês

Atividades como dirigir, operar máquinas ou ferramentas, ou tomar decisões importantes não são uma boa ideia depois de uma noite pesada de bebidas, mesmo que você tenha “uma noite bem dormida”, segundo um novo estudo sobre as ressacas.

Éduc’alcool, uma organização sem fins lucrativos, sediada em Quebec, que visa educar o público sobre o uso responsável do álcool, diz que aqueles que se dedicam a “beber abusivamente” podem não estar em plena posse de suas faculdades por pelo menos 24 horas após interromper o consumo.

O relatório, que visa “desmistificar” ressacas, mostra como as sequelas de beber podem às vezes ser tão perigosas quanto estar bêbado.

“Depois de um ataque de bebedeira, desconforto e pesar ocorrem quando o conteúdo alcoólico no sangue começa a cair. Os sintomas atingem o pico quando o conteúdo de álcool no sangue volta a zero”, explica Hubert Sacy, diretor-geral da Éduc’alcool.

O relatório também adverte que a ressaca pode ser mortal, sobretudo para aqueles cujos trabalhos envolvem a segurança dos outros, como pilotos, salva-vidas e instrutores de esportes.

Ressacas são causadas por uma combinação de desidratação, baixo açúcar no sangue e distúrbios do sono devido ao consumo excessivo de álcool. Os sintomas de uma ressaca, dor de cabeça, tremores, sudorese e dificuldade de concentração e de enxergar claramente, são especialmente perigosos quando executando tarefas cognitivas, tal como dirigir, diz o relatório.

De acordo com um estudo de 2008 realizado pela seguradora Royal & SunAlliance, pessoas dirigindo com ressaca foram quatro vezes mais perigosas ao volante do que motoristas sóbrios.

O relatório da Éduc’alcool vem num momento em que o consumo excessivo está em ascensão no Canadá. De acordo com o ‘Statistics Canada’, bebida excessiva (consumir cinco ou mais bebidas pelo menos uma vez por mês) aumentou 16% em todo o país entre 2006 e 2011. Os mais propensos a se envolverem neste comportamento foram jovens do sexo masculino com idades entre 20 e 34.

Estes números coincidem com o estudo da Éduc’alcool, que adverte que os jovens são particularmente propensos a ressacas perigosas porque tendem a ficar bêbados com mais frequência do que pessoas mais velhas e relatam sintomas de ressaca com mais frequência.

“Muitos jovens também têm empregos sazonais que envolvem atividade física ou supervisão de segurança de outras pessoas”, diz o relatório. “Em tais situações, uma ressaca não é apenas desagradável, é grave e perigosa. Também pode ser criminosa.”

Hubert Sacy observa que existem “sérios problemas” associados com o excesso de bebida em qualquer idade, mesmo que seja apenas ocasional. “É muito melhor beber um pouco regularmente do que uma grande quantidade ocasionalmente.”

O relatório conclui que a única maneira de evitar uma ressaca é seguir diretrizes de “baixo risco”: um máximo de quatro drinques para homens e três para mulheres, apenas em ocasiões especiais.

No entanto, alguns consumidores são menos propensos a ressacas do que outros: cerca de 25% de bebedores com sorte não apresentam sintomas de ressaca após o consumo de álcool.

Sacy oferece alguns conselhos para aqueles que têm ressacas um pouco demais. “A única maneira segura de tratar a dor e o desconforto de uma ressaca é ter uma vida saudável: exercícios para aumentar a oferta de oxigênio, reidratar-se bebendo bastante água e comer levemente. Depois disso, só o tempo ajudará.”

Epoch Times

 
Matérias Relacionadas